Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Olavo Romano

Na Getúlio Vargas, encontro Zeneide e Betinho Duarte com a camisa

da campanha pela paz, que ele vem liderando com obstinação de

maduro combatente. Paramos para um dedo de prosa. “Estou conhecendo

Anúncio

Belo Horizonte”, diz ele. Partindo de quem nasceu e se criou

aqui, a frase pode parecer absurda. Mas a cidade, como a vida, muda

a cada dia. Basta prestar atenção.

 

No calorão da tarde

Duas da tarde, mormaço de fazer gosto, o rapaz

da TV a cabo se espicha no meio da rua, junto

à praça ABC, costas apoiadas na enorme bobina.

Cara de preguiça, olhos bambeando, parece

prestes a cochilar. Imaginando surpreendê-lo distraído,

provoco:

– Um carretel enorme assim, uma linha dessa

grossura, vai costurar o quê?

– Navio! – disparou ele, absurdo e certeiro.

 

Consulta

Elegante e esperto, o velho parou no posto com

um papel na mão. Pelo gesto, percebi que o

frentista não podia ajudar. Apertei o passo e cheguei

a tempo de saber que ele procurava uma

clínica das proximidades. Um quarteirão adiante,

mostrei-lhe a placa do outro lado da avenida e

despedi-me desejando boas notícias na consulta.

– Não é nada não. Só quero ver se eles tiram uma

zoeira no ouvido – disse ele, fazendo um gesto

com a mão junto à orelha .

– E depois que eles tirarem, o que vão fazer com

ela ? – indago.

– Ah, com certeza guardam para alguém que esteja

precisando.

 

Tino comercial

Encerrado o expediente, o lavador de carro abre a tampa do

bueiro e guarda seu material de trabalho: uma lata “de querosene”,

uma esponja grande, um pano, sabão. No mesmo

vão já está o material de outro lavador e, embaixo de tudo,

dezenas de latas amassadas de cerveja e refrigerante, tudo

junto a um emaranhado de grossos fios. Pergunto se não

tem perigo de choque.

– De vez em quando a gente leva; danado de forte!

– E esse tanto de lata amassada?

– Taí pra ver se vende – disse ele, sem fé, antes de fechar

a tampa.

 

Coleguismo

Sábado, uma da tarde, na Savassi, o jovem lavador guarda

seu material no bueiro da Copasa. Percebe meu interesse,

responde educadamente minhas indagações e vai fechando

a tampa. Como se cometesse uma falta, suspende repentinamente

o gesto e pergunta:

– Você ia guardar alguma coisa aí?

 

Com cheiro de magnólia, a primavera chegou

Primeiro foram as mangueiras, perfume de pólen narina aden­tro. Depois, o ipê roxo contra céu ainda azul. E o roxo se fez rosa e durou dias, pois as árvores, como as pessoas, têm ritmos diversos – às vezes divertidos. Aí, o amarelo invadiu ruas e avenidas. E desmentiu velho ditado de que flor de ipê não cai na poeira – elas caíram e as chuvas não chegaram.

No máximo, chegava um pé de vento moleque, revolvendo a superfície amarelada do asfalto. Tanto calor, passarinho nem piava. Uma rara rolinha aprumava voo do chão quente para a árvore que despejava folhas sem parar. E tudo voltava à modorra de noites e dias abrasadores.

Quando a chuva era pura miragem, uma tesoura pairou sobre o mormaço da tarde em lento voo. Embora se garanta que uma andorinha não faz verão, eu entendi que a tesoura soli­tária queria anunciar tempo melhor.

Tentei compartilhar minha esperança com uma amiga, aten­dente num consultório médico. Ela, naturalmente alerta ao mau humor reinante na tarde abafada, entendeu a seu modo minha informação e acrescentou, enfática: – “Não é só te­soura que anda voando não. É canivete, faca, tudo quanto há!” Morto o assunto, continuei buscando finas novidades nos mundos sutis da natureza – mania herdada de meus an­cestrais, que, dependentes dos sinais do tempo no preparo da terra, aprenderam a reparar nos animais, nos barulhos, na brotação das plantas… Notícia alguma, porém, me foi man­dada.

Dia desses, finalmente, desperto com o alegre gargarejo da garrincha, resultado, talvez, da chuvinha prazenteira na madrugada. Mas a novidade vem na brisa da manhã, doce perfume de magnólia cortando meu caminho. Quanto mais nítido e inconfundível, mais intrigante, alma desencarnada, essência pura sem flor correspondente.

Esquadrinho, uma a uma, as magnólias. Apuro olfato, afasto engano. A perfumosa flor, porém, não se apresenta. Sestrosa e dissimulada, oculta-se entre viçosas folhas verdes.

Minha teimosia é finalmente recompensada: bem no alto, ale­gre como uma estrela, eis a primeira flor de magnólia. Olhos atentos e concentrados, enxergo, mais adiante, uma árvore vestida de amarelo, perfumada para a primavera.

Hoje uma jabuticabeira me confirmou, com sua inconfundível fragrância, a boa nova que nem a selva de ferro e cimento pode esconder. E a cigarra anuncia chuva para breve, certe­za de flores e insetos; cantos, cores e passarinhos.

Antevejo saíras riscando o céu atrás de rubras sementes. Sabiás, canarinhos e bem-te-vis caçando nas cumbucas de jabuticaba.

 

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *