Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

A indústria de carne bovina brasileira registrou um faturamento de US$ 426 milhões, com o embarque de mais de 96 mil toneladas no primeiro mês de 2015. Em comparação com o mesmo período de 2014, houve uma retração de 23% em faturamento – US$ 555 milhões no ano passado – e 26% em volume (130 mil toneladas).
“A desaceleração já era esperada pela conjuntura macroeconômica que a Rússia atravessa e também porque as novas cotas para o ano ainda não foram distribuídas para os importadores do país”, explica Antônio Jorge Camardelli, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC).
Hong Kong continua sendo o principal destino do produto nacional com a importação de 29 mil toneladas e faturamento de US$ 130 milhões. Com crescimento de quase 30% em faturamento (US$ 71 milhões) e 23% em volume (20 mil toneladas), o Egito ocupou a segunda posição em janeiro.
Destaque também para o mercado americano, que ocupou a quinta posição em janeiro. O crescimento em faturamento ultrapassou 127% e em volume mais de 170%. Vale lembrar que o Brasil exporta apenas carne industrializada para os EUA e a abertura do mercado para carne in natura ainda no primeiro semestre é uma das grandes apostas do setor para ampliar exportações em 2015.
“Temos indicativos de que as negociações com o mercado americano para carne in natura deverão avançar de maneira positiva e em breve. A abertura para os EUA é de fundamental importância porque possibilita também atingir outros países da NAFTA, bem como Caribe e América Central”, afirma o presidente da ABIEC.
Outras apostas do setor para ampliar mercados em 2015 é a retomada definitiva da China – que também tem previsão para o primeiro semestre; bem como as pers- Sancionado em abril de 2014, o Marco Civil da Internet estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no País.
Alguns dispositivos, no entanto, ainda dependem de regulamentação.Por isso, duas consultas públicas foram criadas para o envio de sugestões: a do Comitê Gestor da Internet no Brasil, até o dia 20 de fevereiro, e a do Ministério da Justiça, até o dia 27 de fevereiro.
Promovendo debates e ações que garantam a segurança dos usuários da internet, desde a apresentação do Projeto de Lei n° 2.126/11, desde 2011, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio do seu Conselho de Tecnologia da Informação, presidido pelo advogado especialista em Direito Digital Renato Opice Blum, contribuiu com sugestões sobre a regulamentação dos seguintes temas: definições técnicas e de termos relevantes ao Marco Civil da Internet; guarda de registros de conexão e de registros de acesso a aplicações de internet na provisão de aplicações; e outros aspectos e considerações.
Definições técnicas e de termos relevantes ao Marco Civil da Internet A Federação considera importante que a regulamentação defina termos como “dados pessoais”, e sugere que este defina qualquer dado que identifique diretamente ou permita levar a identificação de um indivíduo. Também considera relevante que seja estabelecido critérios simplificados para a obtenção do endereço de protocolo de internet (endereço IP), sugerindo que endereços de IP eventualmente utilizados em possíveis atividades indevidas possam ser trocados e tratados em sigilo entre entidades públicas ou privadas sem a necessidade de ordem judicial, visando a prevenção de fraudes cibernéticas.
Guarda de registros de conexão O Marco Civil estabelece o prazo de guarda de dados pelo provedor de conexão de um ano. Considerando que existem leis específicas que determinam prazos de prescrição superiores a um ano, a Entidade sugere a inclusão de hipóteses de prazos de guarda de acordo com a natureza da Outras considerações O Artigo 14 estabelece que na provisão de conexão, onerosa ou gratuita, é vedada a guarda de registros de acesso a aplicações de internet. A Federação considera evidente que tal artigo não veda a possibilidade de entidades públicas e privadas controlarem, por questões de segurança, quais aplicações podem ser acessadas por seus colaboradores e servidores.
Os artigos 18 a 22 estabelecem que o provedor de aplicações só deverá retirar o conteúdo após ordem judicial específica, exceto cenas de nudez ou de atos sexuais de caráter privado, cuja remoção pode ser solicitada por notificação extrajudicial. A FecomercioSP lembra que o poder de propagapectivas positivas para o anúncio do fim do embargo da Arábia Saudita e Japão.
“O cenário continua em alta para este ano. Além dos esperados anúncios de liberação de mercados, temos diversas ações para a promoção da carne brasileira pelo mundo.
Iniciamos agora em fevereiro com a presença na Gulfood, em Dubai.
Os países árabes formam um mercado essencial para a carne brasileira, onde somente nos últimos dez anos, mais que dobramos o faturamento com vendas para aquela região, passando de US$ 537 milhões para US$ 1,3 bilhão. E ainda temos potencial para crescer mais”, destaca Camardelli.
Carne in natura Ainda dentro dos resultados do mês de janeiro, a carne in natura foi a categoria de produtos brasileiros mais importada em todo o mundo, atingindo um faturamento de US$ 326 milhões. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

A indústria de carne bovina brasileira registrou um faturamento de US$ 426 milhões, com o embarque de mais de 96 mil toneladas no primeiro mês de 2015. Em comparação com o mesmo período de 2014, houve uma retração de 23% em faturamento – US$ 555 milhões no ano passado – e 26% em volume (130 mil toneladas).
“A desaceleração já era esperada pela conjuntura macroeconômica que a Rússia atravessa e também porque as novas cotas para o ano ainda não foram distribuídas para os importadores do país”, explica Antônio Jorge Camardelli, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (ABIEC).
Hong Kong continua sendo o principal destino do produto nacional com a importação de 29 mil toneladas e faturamento de US$ 130 milhões. Com crescimento de quase 30% em faturamento (US$ 71 milhões) e 23% em volume (20 mil toneladas), o Egito ocupou a segunda posição em janeiro.
Destaque também para o mercado americano, que ocupou a quinta posição em janeiro. O crescimento em faturamento ultrapassou 127% e em volume mais de 170%. Vale lembrar que o Brasil exporta apenas carne industrializada para os EUA e a abertura do mercado para carne in natura ainda no primeiro semestre é uma das grandes apostas do setor para ampliar exportações em 2015.
“Temos indicativos de que as negociações com o mercado americano para carne in natura deverão avançar de maneira positiva e em breve. A abertura para os EUA é de fundamental importância porque possibilita também atingir outros países da NAFTA, bem como Caribe e América Central”, afirma o presidente da ABIEC.
Outras apostas do setor para ampliar mercados em 2015 é a retomada definitiva da China – que também tem previsão para o primeiro semestre; bem como as pers- Sancionado em abril de 2014, o Marco Civil da Internet estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no País.
Alguns dispositivos, no entanto, ainda dependem de regulamentação.Por isso, duas consultas públicas foram criadas para o envio de sugestões: a do Comitê Gestor da Internet no Brasil, até o dia 20 de fevereiro, e a do Ministério da Justiça, até o dia 27 de fevereiro.
Promovendo debates e ações que garantam a segurança dos usuários da internet, desde a apresentação do Projeto de Lei n° 2.126/11, desde 2011, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio do seu Conselho de Tecnologia da Informação, presidido pelo advogado especialista em Direito Digital Renato Opice Blum, contribuiu com sugestões sobre a regulamentação dos seguintes temas: definições técnicas e de termos relevantes ao Marco Civil da Internet; guarda de registros de conexão e de registros de acesso a aplicações de internet na provisão de aplicações; e outros aspectos e considerações.
Definições técnicas e de termos relevantes ao Marco Civil da Internet A Federação considera importante que a regulamentação defina termos como “dados pessoais”, e sugere que este defina qualquer dado que identifique diretamente ou permita levar a identificação de um indivíduo. Também considera relevante que seja estabelecido critérios simplificados para a obtenção do endereço de protocolo de internet (endereço IP), sugerindo que endereços de IP eventualmente utilizados em possíveis atividades indevidas possam ser trocados e tratados em sigilo entre entidades públicas ou privadas sem a necessidade de ordem judicial, visando a prevenção de fraudes cibernéticas.
Guarda de registros de conexão O Marco Civil estabelece o prazo de guarda de dados pelo provedor de conexão de um ano. Considerando que existem leis específicas que determinam prazos de prescrição superiores a um ano, a Entidade sugere a inclusão de hipóteses de prazos de guarda de acordo com a natureza da Outras considerações O Artigo 14 estabelece que na provisão de conexão, onerosa ou gratuita, é vedada a guarda de registros de acesso a aplicações de internet. A Federação considera evidente que tal artigo não veda a possibilidade de entidades públicas e privadas controlarem, por questões de segurança, quais aplicações podem ser acessadas por seus colaboradores e servidores.
Os artigos 18 a 22 estabelecem que o provedor de aplicações só deverá retirar o conteúdo após ordem judicial específica, exceto cenas de nudez ou de atos sexuais de caráter privado, cuja remoção pode ser solicitada por notificação extrajudicial. A FecomercioSP lembra que o poder de propagapectivas positivas para o anúncio do fim do embargo da Arábia Saudita e Japão.
“O cenário continua em alta para este ano. Além dos esperados anúncios de liberação de mercados, temos diversas ações para a promoção da carne brasileira pelo mundo.
Iniciamos agora em fevereiro com a presença na Gulfood, em Dubai.
Os países árabes formam um mercado essencial para a carne brasileira, onde somente nos últimos dez anos, mais que dobramos o faturamento com vendas para aquela região, passando de US$ 537 milhões para US$ 1,3 bilhão. E ainda temos potencial para crescer mais”, destaca Camardelli.
Carne in natura Ainda dentro dos resultados do mês de janeiro, a carne in natura foi a categoria de produtos brasileiros mais importada em todo o mundo, atingindo um faturamento de US$ 326 milhões. 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *