Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Esta perspectiva mostra sig­nificativa expansão na po­tencialidade de consumo entre os brasileiros, redefi­nindo o extrato das classes sociais. Em parte, essa evidência resulta da escalada ascendente no comporta­mento migratório de consumo nos últimos anos, oferecendo contornos visíveis da evolução entre as classes alta (A), média (B), e emergente (C), reduzindo a de baixa renda (D/E). Já se nota que a classe média absorve mais da metade de tudo que é consu­mido no País, ainda que a emergente detenha maior no nº de domicílios. O crescimento do Norte e Nordeste se mantém contínuo, retirando participa­ção do Sudeste – ainda líder no cená­rio nacional –, com o Centro-Oeste e o Sul pontuando suas presenças no consumo brasileiro. O fenômeno da interiorização do consumo volta a se repetir, superando a participação das Capitais no bolo da economia. E há destaque para as classes economica­mente ativas – dos 18 aos 59 anos – e dos idosos de 60 ou mais. É o que aponta a IPC Marketing Editora, es­pecializada no cálculo de índices de potencial de consumo, ao concluir o estudo IPC Maps 2014, indicador da potencialidade de consumo nacional, com detalhamento de dados para cada um dos 5.570 municípios.

Em 2014, o consumo dos brasileiros irá registrar R$ 3,262 trilhões (três trilhões, duzentos e sessenta e dois bilhões de reais), apresentando um crescimento de R$ 261 bilhões (cerca de 8% nominais) quando comparado com o IPC Maps 2013 (cerca de R$ 3,001 trilhão). Em termos reais, os cál­culos do IPC Mas 2014 mostram que as despesas das famílias crescerão acima do PIB, o equivalente a 62,8%, enquanto o aumento populacional previsto é da ordem de 0,83%. O es­tudo foi feito com base em dados se­cundários, atualizados e pesquisados através de fontes oficiais de informa­ção, utilizando metodologia própria.

A população deve chegar a 203 mi­lhões de pessoas, de acordo com as novas estimativas divulgadas em 2013. O número de mulheres per­manece maior do que o dos homens (51% contra 49%). A população urba­na deve responder por 84,8%, indi­cando um consumo urbano per capita anual de R$ 17.680,11.

Anúncio

Neste ano, o consumo da população residente na área rural chegará a R$ 223,7 bilhões, participando em 5,2% da economia nacional. Serão 30,9 milhões de pessoas pontuando uma renda per capita de R$ 7.235,51 por habitante.

Maior desempenho – O IPC Maps 2014 indica que o cenário de consu­mo do País está em plena expansão, puxado pela classe média (classe B) que responde por 50,8% (cerca de R$ 1,55 trilhão), mais da metade de tudo o que é consumido no mercado brasileiro, comportando 35,4% (ou 19,7 milhões) dos domicílios urbanos. Esse desempenho crescente vem se registrando ano após ano, que em 2013 já indicava sua liderança no con­sumo nacional absorvendo 48,8%, cerca R$ 1,359 trilhão, ante os 32,1% de domicílios.

Com 46,9% dos domicílios brasileiros, a classe emergente (C) domina com seus 26,02 milhões de lares ainda que responda por pouco mais de ¼ do consumo do País – 26% – equiva­lentes a uma parcela significativa de R$ 790 bilhões. Em valores absolu­tos, esse domínio foi maior ainda em 2013, representando um consumo de 27,9% – cerca de R$ 782,5 bilhões – entre os 24,5% dos domicílios.

No topo da pirâmide, a classe alta (A) continua expandindo seus gastos em 2014, alcançando R$ 591,1 bilhões – uma fatia de 19,5% de consumo entre os 5,1% (ou 2,8 milhões) de domicí­lios. No ano passado, os dados apon­taram gastos de R$ 539,6 bilhões (ou 19,3%), perfazendo 4,6% (cerca de 2,3 milhões) de seus domicílios.

O processo migratório entre as clas­ses sociais mostra que a base da pirâmide concentra a população de baixa renda (classes D e E), a qual vem reduzindo a sua presença tanto em domicílios (12,7% ante os 14,7%, em 2013) como em consumo, mas ainda respondendo pelo consumo de R$ 110,4 bilhões (3,6% da participa­ção nacional). Em 2013, teve maior presença no cenário brasileiro quando registrou 4,3%, correspondendo a R$ 120,3 bilhões.

Mudanças no Cenário Regional

Na liderança regional, o Sudeste re­gistra 48,5% do consumo do País perdendo participação para outras regiões – em 2013, sua presença era de 50,5%. Essa mudança comporta­mental de consumo se verifica com o crescimento do Nordeste (chegará a 19,5% ante os 18,2% do ano anterior) e do Norte baterá a casa dos 6% (em 2013, foram 5,8%). Outras regiões mostram ligeira queda no consumo: o Sul ficará com 16,8% – ante os 16,9% registrados em 2013 – e o Centro- Oeste 8,5% contra os 8,6% registra­dos no ano anterior.

Avanço na interiorização

Entre as inúmeras variáveis do estu­do IPC Maps 2014 verifica-se que o fenômeno da interiorização no consu­mo do País volta a se repetir ao regis­trar 32,9% diante dos 32,3% projeta­dos pelas 27 capitais federativas, em 2014.

50 maiores

Os 50 maiores municípios brasileiros responderão por 42,6%, em 2014. No ano passado, foram 43,3%. No topo do ranking, destacam-se os merca­dos de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Porto Alegre, Fortaleza, Goi­ânia, Recife e Manaus, seguidos por cidades metrópoles do interior de São Paulo (como Campinas, ABC etc.).

Para onde vão os gastos

Através do IPC Maps é possível de­tectar tanto o perfil dos consumidores por classes sociais até onde gastam seu dinheiro. Os itens básicos lideram o consumo, como manutenção do lar 25,4% (incorporam despesas com aluguéis, impostos, luz-água-gás); alimentação 16.,6% sendo 10,3% no domicílio e 5,1% fora dele e 1,1% com bebidas; saúde, medicamen­tos, higiene pessoal e limpeza 8,5% ; transportes 7,5%, sendo 5% com veículo próprio e transporte urbano 2,5%; materiais de construção 5,2%; vestuário e calçados 4,7%, seguidos de recreação e viagens 3,5%; educa­ção 2,5%; eletrônicos-equipamentos 2,1%, móveis e artigos do lar 1,8% e fumo 0,4%.

Faixas etárias ampliadas

No estudo deste ano, o viés do con­sumidor indica que a sociedade bra­sileira contará com 202,8 milhões de pessoas, sendo 171,9 milhões na área urbana. É de se destacar a am­pliação da faixa da população econo­micamente ativa, dos 18 aos 59 anos, que representam o universo de 121,5 milhões de pessoas, ou seja 60% da população. Aqueles que estão na fai­xa dos 60 ou mais já somam 23 mi­lhões (ou 11,3%). Os jovens e adoles­centes dos 10 aos 17 anos chegam a 27,3 milhões (ou 13,5%). Já a popu­lação infantil, de 0 a 9 anos, compre­ende 30,9 milhões, ou seja 15,2% da população.

Setores da Economia x população

Em 2014, o Brasil conta com 16,9 milhões de empresas. A maior quan­tidade está na região Sudeste, onde se encontram 49,5% das empresas brasileiras, totalizando 8.365.369 uni­dades instaladas. A região Sul des­ponta em 2º lugar, com a participação de 18,7% (3.150.560 unidades), onde há maior quantidade de empresas por habitante: é uma empresa para cada 9,2 habitantes, enquanto na região Norte há uma empresa para cada 19,3 habitantes.

O IPC Maps 2014 permite, ainda, a análise setorial da economia com a apresentação dos segmentos em­presariais por localidade segundo o principal ramo de atividade, ou seja, Indústria, Comércio, Serviços e Agro­negócios.

Retrato do Brasil em nºs

Além destes destaques, o banco de dados do IPC Maps 2014 possibilita informações através de softwares de geoprocessamento, oferecendo um perfil de cada uma das 5.570 cidades brasileiras e detalhes dos distritos de 21 capitais e principais cidades (São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Fortale­za, Belém, Maceió, Natal, Recife, Vitó­ria, Cuiabá, Campo Grande, Florianó­polis, Porto Alegre, Manaus, Goiânia, Campinas, São José dos Campos e São José do Rio Preto). Tais cidades contam com a segmentação por ra­mos de atividade, incluindo quanti­dade e tipo de empresas, indústrias, serviços (saúde, agências bancárias, educação, etc.), agronegócios, co­mércio – varejista e atacadista, por exemplo -, além de transmitir informa­ções demográficas e do potencial de consumo da população local.

 

 

 

Potencial de consumo dos maiores municípios mineiros em 2014

 

 

Potencial de consumo brasileiro

 

 

Potencial de consumo mineiro

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *