Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Às 8:55 horas da segunda feira, dia 22 de janeiro de 2018, o trem de pouso do Boeing 737-700, voo Gol G3-2002, procedente do aeroporto de Congonhas/SP, com escala em Juiz de Fora, tocou a pista do Aeroporto da Pampulha como uma pluma, com a precisão de um genuíno relógio suíço e a performance espetacular de suas turbinas Next Generation – NG, impulsionadas pelos motores turbofan com alta taxa de bypass. A tradução disso é menos barulho, mais economia e potência. 

O episódio tem sentido maior do que apenas uma aterrissagem, mais uma entre milhões que já tocaram a pista deste aeroporto desde o dia 3 de março de 1933, data da sua inauguração, há exatos 85 anos. Este gesto simbólico coloca mais do que o “trem de pouso” do Boeing 737-700 da Gol no solo belohorizontino, dá um empuxo à economia da capital, possibilitando que ela saia do marasmo. 

Com a proposta de 150 operações pares por semana, o que significa2 voos por hora, de segunda a sexta feira, 75 no total, a intenção da Infraero é movimentar Pampulha sem prejudicar Confins,reativando o destino e trazendo para a capital mineira algum alento para os que vivem dos negócios e dos eventos. Até por que a estatal é dona de 51% do Aeroporto Internacional, tendo a CCR-Consorciada da Flughafen Zurich AG, donas da BH Airport. 

Anúncio

 

A cidade que estava sendo preterida por organizadores de eventos e empresários agora se conecta aos aeroportos centrais, colocando gasolina em um carro parado por falta de combustível. Pampulha é dos 50 aeroportos administrados pela Infraero, o mais deficitário.A ação conecta também a Zonas da Mata mineira ao restante do país. Com efeito, através desta manobra, a Gol e a Infraero prestam dois serviços importantíssimos para MG.

A ginástica feita para tentar barrar a reabertura do Aeroporto da Pampulha para jatos de grande porte preci-sa entrar para os anais da história da capital. A BH Air Port, legitimamente “mexeu os pauzinhos”, usou a influência tentou via TCU, foi ao Senado, mobilizou entidades, mas não conseguiu impedir a reativação da Pampulha. A Gol, de forma sagaz, conseguiu driblar a burocracia, provando seu refrão. Não é por acaso que seu lema é: “Gol, Linhas Aéreas Inteligentes”. Via Juiz de Fora, conecta BH ao aeroporto de Congonhas na capital Paulista. 

Chamou a atenção, no momento da aterrissagem, um helicóptero que fazia aproximação provocando ruídos possíveis de serem notados. Nem de longe a aterrissagem do Gol G3-2002 lembrou os estampidos das turbinas dos 737-200 os famosos sucatões da falecida Vasp que eram ouvidas no outro lado da cidade. Que este seja o primeiro de muitos passos para o sucesso da Pampulha, tendo BH como beneficiáriamaior, sem prejuízos para o Aeroporto Internacional que tanto nos orgulha. Viva a liberdade de escolha e o bom senso!

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *