Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Por: Wilson Renato Pereira

 

O alto nível de qualidade alcançado pelo setor das cervejas especiais no Brasil é resultado de um processo contínuo de melhoria que envolve não só os produtores, mas também os consumidores. Ele aconteceu a partir de duas importantes revoluções, ocorridas nos últimos vinte e cinco anos.

A primeira, a partir da segunda metade da década de noventa, veio com as pioneiras Dado Bier (Porto Alegre), Colorado (Ribeirão Preto) e Krug Bier (Belo Horizonte). A segunda, pouco tempo depois, com os cervejeiros caseiros, alguns dos quais se tornaram, mais tarde, excelentes micro e nano produtores artesanais, com reconhecimento internacional.

Anúncio

Essa pequena história é contada por Marco Falcone, um dos seus principais personagens. Proprietário da premiada Falke Bier, fundada em 2004, e um dos nomes nacionais mais respeitados quando o assunto é cerveja, ele é uma espécie de mentor e ponto de referência de uma jovem geração que atua no setor em Minas Gerais.

Esses cervejeiros aprenderam eficientes técnicas de produção, a usar criatividade e os melhores insumos nas suas receitas. Isso foi indispensável para concorrer com os produtos estrangeiros de grande tradição que chegaram aqui, atendendo a uma nova e sofisticada camada de consumidores que não mais se contentavam com qualquer loura, morena ou ruiva gelada que aparecesse à sua frente.

É para esse mercado que o foco de quem está no ramo cervejeiro foi direcionado, já que as sutilezas da degustação de cervejas passaram a ser consideradas. Tratou-se, então, não só de produzir bem mas atender clientes na exploração de novos aromas e sabores, permitindo harmonizar cervejas especiais com sofisticados pratos quentes, frios, salgados ou doces e oferecendo cartas diversificadas nos bares e restaurantes especializados.

Um dos resultados, o que pode ser considerada uma espécie de “terceira revolução”, foi a criação de cursos e eventos paradifundir a cultura cervejeira, valorizar os produtos de qualidade e contribuir para apurar a capacitação dos profissionais do ramo para selecionar boas “brejas” a serem oferecidas ao novo mercado. Outro alvo são os consumidores que querem aprimorar a sensibilidade gustativa e aumentar seus conhecimentos sobre a cerveja.

Exemplos disso estão em todo o país, inclusive em Belo Horizonte, onde Marco Falcone, que é mestre cervejeiro pela Doemens Akademie, de Munique, e Fabiana Arreguy, beer sommelier, jornalista e editora do único programa radiofônico brasileiro sobre cerveja (CBN BH), se juntaram para montar a Academia Sommelier de Cerveja, em 2010. Até hoje, eles já formaram quatro turmas, num total de quase cem pessoas que se especializaram nas artes dessa bebida.

Em 100 horas, com aulas teóricas e práticas toda segunda-feira à noite, durante um semestre, além de mostrar aspectos históricos, culturais, legais e de produção, o curso mostra como se deve apreciar uma cerveja de acordo com as características de cada estilo, reconhecendo aromas e sabores desejáveis e indesejáveis proporcionados pelas leveduras, matérias primas, processos de fermentação e maturação. As atividades são realizadas no Reduto de Cerveja, bar dedicado a cervejas especiais.

São mostradas, ainda, as características das principais escolas mundiais (alemã, inglesa, belga e americana) e das dezenas de estilos de cerveja dos grupos Lager Ale e Lambic, passando pelos aspectos de harmonização gastronômica, uso de recipientes adequados a cada tipo da bebida, organização de serviços e cartas cervejeiras. Estão, também, no programa, visitas técnicas a produtores, lojas, bares e restaurantes especializados, complementando a formação.

Os paladares cervejeiros mais apurados agradecem a iniciativa.

 

NOTAS CERVEJEIRAS

 

Inconfidentes já comercializam produção

Após inaugurar sua fábrica no bairro Jardim Canadá, Nova Lima, em meados de junho passado, reunindo em produção cooperativa as artesanais Grimor, Jambreiro e Vinil, as Cervejarias Conjuradas Inconfidentes já estão com seus produtos sendo comercializados no mercado, inicialmente na forma de chope.

Tanto a recém-lançada Wit India Pale Ale “Derrama” quanto outras festejadas receitas criadas pelos cervejeiros Gabriela Montandon, Paulo Patrus, Humberto Ribeiro, Fabrício Bastos, Ricardo Marques, Virgílio de Barros e Daniel Pinheiro podem ser degustadas em Belo Horizonte em estabelecimentos como Adriano – O Imperador da Cerveja, Reduto da Cerveja, CCCP e Rima dos Sabores. Em São Paulo, os produtos estão no Empório Alto dos Pinheiros.

 

Cerveja e Saúde

Trabalhos desenvolvidos por pesquisadores de seis universidades alemãs, publicado no jornal científico “Age and ageing”, da Universidade de Oxford, afirmam que o consumo moderado de bebidas alcoólicas, com destaque para a cerveja e o vinho, pode ajudar a reduzir o aparecimento de doenças que prejudiquem a memória e a cognição, como o mal de Alzheimer. Para chegar a esta conclusão, os cientistas acompanharam, por três anos, 3.327 pacientes com idade igual ou superior a 75 anos que não apresentavam demência. O método de pesquisa consistia na aplicação de um questionário sobre o consumo de álcool e outros hábitos de vida e o acompanhamento clínico para detectar o surgimento de casos da doença. O estudo apontou para redução de 29% dos quadros de demência entre os participantes que declararam consumir cerveja ou vinho regularmente. Para os casos de Alzheimer, o grau de prevenção chegou aos 42%. A partir destes, dados os cientistas concluíram que o consumo leve ou moderado de bebidas alcoólicas está inversamente relacionado à incidência destas doenças para o grupo de pessoas com mais de 75 anos. Com base nos resultados do estudo, os pesquisadores afirmam ainda que o consumo consciente de álcool está relativamente associado a saúde física e mental e ressaltam, porém, que o consumo em excesso, ao invés de atuar na prevenção pode levar ao desenvolvimento de doenças neuro-degenerativas.

A cerveja também está ligada a vários outros aspectos relacionados à saúde pois os seus principais ingredientes (cevada e lúpulo, principalmente) contêm moléculas que atuam como defensoras do organismo, os antioxidantes, que neutralizam os radicais livres, substâncias que destroem as células e causam danos à saúde, como diabetes, infertilidade, acne, celulite, estrias e rugas. Além disso, a cerveja contém a maioria das vitaminas do complexo B (B1, B2, B5, B6, B9 e B12), além de flavonoides (responsáveis pela diminuição do LDL (o colesterol “ruim”) e no aumento do HDL (o “bom” colesterol) e minerais essenciais como ferro, cálcio, potássio, magnésio e silício.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *