YouTube: Segundos de anúncios que tem tirado muita gente do sério
YouTube: Segundos de anúncios que tem tirado muita gente do sério
Foto: Divulgação / MF Press Global
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Numa sociedade ansiosa a nível de desequilíbrio, os anúncios no YouTube tornam-se um tormento e os anunciantes perdem ao invés de ganharem, revela neurocientista.

Maior plataforma de vídeos do mundo, o YouTube já se tornou uma ferramenta do cotidiano de muita gente. Seja por diversão ou por questões profissionais, o fato é que as pessoas acessam o site em busca de um vídeo em específico e já não suportam mais as propagandas.

Uma das maneiras encontradas para monetizar o conteúdo (ganhar dinheiro), encontrada pelo Google foi colocar anúncios antes dos vídeos. O resultado disso é um hábito que se tornou comum: As pessoas esperam até os cinco segundos ou até mais, exigidos pela página para clicar e “pular” aquela propaganda e já assistir aquilo que lhe interessa. Diante deste cenário tão comum, a pergunta que fica é: Até que ponto vale a pena anunciar no YouTube?

Anúncio

Segundo o PhD, neurocientista e proprietário de uma empresa de assessoria e marketing Fabiano de Abreu, “as pessoas não focam no anúncio. Elas esperam o tempo passar para pular logo o anúncio e criam raiva pois acionam aquele vídeo na curiosidade vinculado a ansiedade de logo vê-lo. Então aquele anúncio aparece na frente motivando uma emoção negativa”, revela.

E este sentimento pode se reverter de forma contrária a quem avaliou que seria uma boa oportunidade de fazer negócio: “Esse sentimento negativo pode ser depositado na própria marca que está anunciando, fazendo o usuário passar a ter raiva daquela marca que anunciou naquele momento, prejudicando seu interesse comercial”.

Um detalhe que pode até afetar a qualificação daquele vídeo que não tem nada a ver com a publicidade que foi inserida, observa Fabiano: “Inclusive muitos dislikes do vídeo não é do vídeo em si, mas sim do anúncio que as pessoas com raiva não têm onde colocar e coloca essa desaprovação no vídeo da pessoa de forma impulsiva com a raiva do anúncio. Em uma sociedade em que as pessoas estão extremamente ansiosas, isso mostra mais uma vez esse descontrole”, lamenta o neurocientista. – (Fonte: Press Release)

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades