Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Por: Raimundo Couto
 

Os japoneses não estão para brincadeira na pretensão de escreverem uma nova história de sua vida por aqui. O investimento de US$ 2,6 bilhões na construção da fábrica em Resende, no interior do estado do Rio, mostra que os tempos são outros. Pretendem ser, até 2016, a montadora de origem nipônica com maior participação no mercado brasileiro.
 
Para “brigar” nesta guerra, na qual disputam veteranos concorrentes, é preciso se armar de um bom combatente.
 
Para a Nissan, este soldado atende pelo nome de March e entre nós já roda desde 2011, importado do México, sofrendo, por esta razão, restrições que nunca permitiram voos mais altos e números mais expressivos em se tratando de volume. Agora este problema acabou. Ele ganhou certidão de nascimento brasileira e para apresentar o modelo “verde e amarelo”, a Nissan reuniu a imprensa especializada, no ultimo mês, em sua nova casa. Esta geração que chega cheia de responsabilidade é a quinta e se é pequeno no tamanho, grande é sua missão ao rivalizar com players veteranos para o consumidor tupiniquim, como o Gol, da VW, o Novo Uno, Palio e o novíssimo Up, sem falar no Novo Ka, que está prestes a chegar.
 
Por tudo isto o japonesinho, agora nacionalizado, precisa se apresentar no “front” desta disputa com munição suficiente para provar a seu futuro comprador que vale o quanto pesa. O valor pedido para versão de entrada com motor 1.0 litros é de R$ 33.000 (trinta e três mil reais) e com bloco 1.6 de R$ 37.500 (trinta e sete mil e quinhentos reais).
 
Do Japão para o Brasil Batizado de New March, as alterações pelas quais passaram o modelo para se tornar um cidadão brasileiro ganharam destaque no acabamento e na parte frontal. São dois motores em oferta, 1.0 (74 cv) e 1.6 (111 cv), ambos flex e com 16 válvulas.
 
Comercializado em mais de 100 países mundo afora, o March utiliza a plataforma denominada pela Nissan como V e tem seu projeto concebido no Japão, mas com a colaboração de equipes de outros países, do Brasil, inclusive.
 
Até hoje foram registradas vendas de 6,7 milhões de unidades. É alta a aposta no produto, o que pode ser confirmado pelas palavras do presidente da montadora no Brasil, François Dossa, durante o evento de apresentação, ao destacar que “os consumidores terão um automóvel com qualidade japonesa, design moderno, interior bem-acabado, ótima lista de equipamentos com tecnologias inéditas no segmento, desempenho, economia e menor custo de manutenção. Ele reflete a nova fase da Nissan no Brasil, uma fabricante rumo à liderança entre as marcas japonesas no país”. A capacidade instalada da planta em Resende é para 200 mil unidades/ano e na mesma plataforma do March será também nacionalizado o Versa, modelo com carroceria três volumes.
 
Voltando às modificações frente ao antigo modelo de quarta geração, a frente é totalmente nova e para ser concebida foram realizadas clínicas para colher a opinião de consumidores.
 
Olhando de frente para o March, agora nacional, logo se percebe a diferença, o novo design conta com uma grande entrada de ar inferior e grade cromada em forma de ‘V’, assim como tem feito as demais marcas.
 
A ideia é padronizar a gama de modelos, mantendo a mesma identidade visual. As maçanetas e retrovisores podem ser pretos, da cor da carroceria, ou cromadas, depende da versão escolhida. A medida entreeixos é de 2,45 m e em relação ao modelo anterior o comprimento aumentou 4,7 cm, passando a 3,83 m.
 
A largura cresceu 1 cm e ficou com 1,68 e a altura permaneceu a mesma, 1,53 m.
 
Mudan ça interior Tratamento acústico que deixa o habitáculo mais silencioso também é novidade nesta nova versão e segundo o fabricante este trabalho resultou na redução em 1.3 dB do nível de ruído, em comparação ao seu antecessor.
 
Se por fora a alteração principal ficou com a nova frente e entrada de ar, por dentro o Novo March ganhou mais esmero em acabamento.
 
Novos materiais nos revestimentos das portas, no painel e outro volante, projetado seguindo a tendência de oferecer a melhor ergonomia para o motorista. O fabricante garante que o console foi concebido levando em consideração as necessidades do motorista durante a condução de forma que os controles de áudio e do sistema de climatização sejam fáceis de visualizar, acessar e utilizar. O painel de instrumentos tem novo design para facilitar a leitura do velocímetro e o conta-giros.
 
Desde a versão de entrada o compacto conta com computador de bordo com funções como autonomia, consumos instantâneo e médio, e abertura interna da tampa do tanque de combustível. Ainda em relação à busca da melhor ergonomia para o motorista, os comandos mais acessados, como o do ar-condicionado, do aquecimento, do sistema de som, do acionamento elétrico dos vidros, entre outros, estão posicionados de forma a evitar o deslocamento do corpo do motorista.
 
Um recurso que tem sido usado para destacar detalhes no interior dos automóveis é a utilização de cromados em determinados comandos.
 
No March não foi diferente e eles estão presentes no painel central, nas saídas de ar-condicionado, na alavanca do freio de estacionamento e no apoio de braço da porta dianteira.
 
O volante de três raios pode ser de regulado na altura e é exclusivo para o modelo brasileiro. O banco do motorista também tem ajuste na altura.
 
Versões e itens Dentro de um mercado onde a concorrência é acirrada, trazer diferencias em oferta de conteúdo sempre é ponto a favor na hora da decisão de compra pelo consumidor. O March inova em seu segmento quando oferece câmera de ré, navegador por GPS integrado às redes sociais (na versão 1.6 SL) e cintos de segurança com prétensionadores e exclusivo limitador de carga. A câmera de ré proporciona comodidade já que oferece mais confiança ao motorista ao oferecer visibilidade na traseira, ajudando a evitar colisões com objetos ou pessoas não identificados pelo retrovisor. A direção é elétrica. Em tempos onde a conectividade é palavra de ordem perde ponto os que não disponibilizam acesso a este mundo virtual. Além das imagens captadas pela câmera de ré, o sistema multimídia (disponível na versão 1.6 SL) com tela de 5.8 polegadas conta com sistema de navegação por satélite (GPS) com tela sensível ao toque e comandos de voz em português, mostra todas as informações de áudio e do telefone celular e, ainda, permite se conectar via Bluetooth a dispositivos móveis como smartphones e equipamentos de mp3.
 
Ar-condicionado digital automático, volante multifuncional que concentra os controles de áudio e da função viva-voz para o telefone.
 
O Bluetooth Streaming sincroniza a agenda telefônica e os arquivos de música digital com o sistema. O compacto ganhou de série na versão 1.6 SL rodas de 16 polegadas. São seis versões – três para cada motor, cada uma integrando equipamentos e itens de acabamento. Importante: a manutenção ganha pacote fechado de serviços e três anos sem limite de quilometragem. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *