Vendas de medicamentos em e-commerces crescem 56,8%
Vendas de medicamentos em e-commerce crescem 56,8%
Vendas de medicamentos em e-commerce crescem 56,8%
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Operações resultaram em um faturamento de quase R$ 3 bilhões

A rotina intensa de trabalho do empresário João Paulo Bertussi não combina com “passeios” no comércio, incluindo farmácias. O que pode ser adquirido de forma online, acaba sendo um transtorno a menos: evita trânsito, economiza tempo e dinheiro. “Deixamos a agenda disponível pensando, exclusivamente, nos problemas da empresa e dos nossos clientes, e muitas vezes deixamos de lado o cuidado pessoal. Comprar online fica extremamente mais cômodo”, avalia.

João não está sozinho. Segundo dados da Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácia e Drogarias) no primeiro semestre de 2022, as vendas de medicamentos online cresceram 56,8%. Com isso, o aumento nas operações de delivery e e-commerce no Brasil, resultou em um faturamento de R$2,8 bilhões em vendas.

Durante o isolamento, ocorrido devido à pandemia de Covid-19, as empresas se viram obrigadas a investir em vendas online e em sistemas de entrega mais eficientes. Ao observar que a experiência do consumidor foi favorável, optaram por continuar a ofertar esse método de serviço. Para João Paulo, as compras em e-commerces já eram um hábito e se intensificaram durante a pandemia com a melhora dos serviços prestados e atenção das empresas. “Sempre adquiri produtos pela internet, tendo em vista a comodidade e facilidade, porém, com a pandemia, itens mais simples como alimentação, medicamentos e se fizeram mais presente” relata.

Outro fator que leva os consumidores a optarem por compra pela internet é a possibilidade de comparar preços de forma ágil. “São vantagens que merecem ser consideradas pelos empresários. O isolamento alterou o comportamento do consumidor. É preciso estar atentos a essas mudanças e, de forma estratégica, buscar ferramentas que facilitem a interação entre clientes e estabelecimento”, reforça Carlos Henrique Soccol, fundador e diretor de marketing da MyPharma, startup que proporciona soluções para demandas na área de e-commerce farmacêutico.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades