Veículos elétricos: Montadoras aumentam investimento na produção e buscam opções para reduzir riscos
Veículos elétricos: Montadoras aumentam investimento na produção e buscam opções para reduzir riscos
Veículos elétricos: Montadoras aumentam investimento na produção e buscam opções para reduzir riscos
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Estudo global da Coface mostra desafio na busca por carbono zero

As principais montadoras de veículos do planeta estão na linha de frente da transição para a neutralidade de carbono e investem cada vez mais para produzir veículos elétricos. No entanto, enfrentam cada vez mais barreiras que retardam seus planos nessa área, de acordo com estudo da Coface, líder global de seguro de crédito e serviços relacionados, como cobrança de dívidas.

De acordo com o estudo, o principal risco de curto prazo enfrentado pelas montadoras está ligado à disponibilidade dos recursos necessários para fabricar veículos e baterias. É que esse trabalho depende de matérias-primas específicas (lítio, cobre, níquel, hidrogênio etc.), ao mesmo tempo em que a mudança maciça e rápida para veículos de baixo carbono está gerando uma forte pressão na produção e no fornecimento. Na estimativa da Coface, essa tendência deverá manter-se a médio e longo prazo, dadas as necessidades de armazenamento de energia.

Também no curto prazo, existe um risco significativo de que fabricantes e fornecedores de equipamentos europeus dependam de determinados países e players. Este é particularmente o caso da Europa, onde a proibição da venda de veículos tradicionais a combustão em 2035 depende de projetos de reindustrialização imaturos – mineração e enormes fábricas – e aumenta a vulnerabilidade a crises na cadeia de abastecimento (escassez logística, bloqueios marítimos etc.).

A Coface lembra também que esses desafios acontecem em um cenário de perspectivas econômicas pessimistas, que terão impacto negativo no setor. As vendas de veículos estão diretamente ligadas à saúde da economia, e a Coface prevê uma desaceleração no crescimento do PIB global para 1,9% em 2023 (2,8% em 2022). A confiança das famílias é baixa e o aumento do custo dos empréstimos deverá ter impacto na procura. E o preço dos veículos de baixas emissões continua elevado a médio prazo num contexto em que o custo da energia afeta toda a cadeia de valor (custos de produção, custo de operação dos concessionários etc.). A falta de redes de carregamento também está afastando os compradores.

Resta saber se uma parte do modelo econômico poderia se basear em novas soluções inovadoras de mobilidade, como aluguel de longo prazo, compartilhamento de carros para carros elétricos ou um serviço de assinatura.

Mobilidade e carbono, desafios globais

O estudo da Coface lembra também que a eletrificação de veículos tornou-se uma competição global: “Participantes de todos os setores – economias avançadas e emergentes, países mineradores e assim por diante – estão se preparando para garantir que não ‘perderão o barco’ que é a mobilidade de baixo carbono. A China já deixou sua marca como ator-chave na produção de baterias: possui 60% da capacidade mundial de refino de lítio, 77% da produção global de células de bateria e 60% da fabricação global de componentes de bateria”.

Mais ainda, destaca a Coface, a descarbonização também está no topo da agenda política dos países da OCDE. Além das preocupações ambientais, os desafios econômicos (criação de empregos e reindustrialização) e a soberania industrial são fatores importantes. O subsídio à compra de automóveis é uma das ferramentas regularmente utilizadas pelos governos para apoiar o negócio e estimular o consumo. As autoridades chinesas e americanas introduziram recentemente subsídios para as famílias comprarem veículos elétricos. Esses dois países podem contar com seus vastos mercados domésticos para desenvolver a indústria.

Na França, o governo está considerando o “arrendamento social” para ajudar as famílias mais pobres a comprar veículos elétricos, além de bônus de conversão. Mas o estudo recorda: “No entanto, podemos nos perguntar como essas medidas serão sustentáveis, dado o cenário econômico pessimista mundial e o aumento da inflação”.

A Coface recorda também que os principais atores da indústria automobilística estão trabalhando na integração vertical das cadeias de valor: “Vários fabricantes de veículos e equipamentos anunciaram joint ventures para baterias de íons de lítio e hidrogênio. O desafio é controlar o abastecimento e os custos em todas as etapas do processo industrial (matérias-primas, baterias, motores e veículos).

Os especialistas da Coface consideram que a expansão desse mercado deve permitir o surgimento de novas oportunidades para todos os atores da cadeia produtiva. Mas alerta: “A pressão estrutural sobre os fabricantes de equipamentos e concessionárias de automóveis ainda existe e a tendência é de crescimento”.

Com mais de 75 anos de experiência e a mais ampla rede internacional, a Coface é líder em seguros de crédito comercial e serviços especializados adjacentes, incluindo serviços de factoring, cobrança de dívidas, seguro de risco único, e informações. Os especialistas da Coface trabalham ao ritmo da economia global, ajudando 50.000 empresas a construir negócios bem-sucedidos, crescentes e dinâmicos em todo o mundo. A Coface ajuda as empresas em suas decisões de crédito. Os serviços e soluções do Grupo fortalecem sua capacidade de vender, protegendo-os contra os riscos de não pagamento em seus mercados doméstico e de exportação.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/
DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas