Consumo anual ainda está estagnado. Presidente da Usiminas afirma que é urgente a retomada do crescimento

O presidente da Usiminas, Sergio Leite, voltou a defender nesta semana a retomada do protagonismo da indústria brasileira no cenário econômico do país. Leite foi um dos convidados da 8ª edição da Construmetal, principal evento latino-americano da construção em aço, em agosto, em São Paulo. “Precisamos nos unir na busca de caminhos que levem à volta dos investimentos, especialmente na construção civil e em infraestrutura, o que geraria um efeito cascata, movimentando vários setores da nossa economia, entre eles, a indústria do aço. Dessa forma, criamos novas vagas de emprego, contribuímos para uma elevação do PIB e para a recondução do país aos trilhos do desenvolvimento econômico e social”, afirmou, na abertura do evento, o presidente da Usiminas.

Sobre o consumo de aço por habitante no Brasil, segundo Leite, também presidente do Conselho Diretor do Instituto Aço Brasil, o país está nos mesmos padrões há 40 anos. “Estamos paralisados num patamar de consumo anual de cerca de 100 quilos por habitante. Esse era o consumo em 1975, quando, por exemplo, a China mantinha um patamar de 25 quilos por habitante/ano. Hoje os chineses consomem cinco vezes mais e nós continuamos nos mesmos 100 quilos por habitante”, afirma o executivo.