Trombose: Brasil passa a registrar casos
Trombose: Brasil passa a registrar casos
Trombose: Brasil passa a registrar casos
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Sociedade Brasileira de Trombose e Hemostasia dá início à implantação de um programa de registros oficiais dos casos de trombose no Brasil.

Com a falta de dados sobre ocorrências de trombose no Brasil, a Sociedade Brasileira de Trombose e Hemostasia – SBTH dá início à implantação de um programa de registros oficiais dos casos de trombose em parceria com centros hospitalares. De acordo com a SBTH, a cada ano mais de 200 mil brasileiros são acometidos por algum fenômeno trombótico e muitos desses eventos poderiam ser evitados. Entre maio de 2021 e abril de 2022, estima-se que houve quase 78 mil internações de pacientes nos serviços públicos em decorrência da trombose.

O Dia Mundial da Trombose13 de outubro – foi criado em 2014 como uma iniciativa da Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (ISTH) com o objetivo de chamar atenção para a educação e a prevenção, por meio de ações, eventos, campanhas de mídia e fóruns educacionais. Sob o lema “A Vida Deve Fluir”, ressaltando a importância dos quadros de trombose no Brasil, a SBTH realizará seu primeiro jantar beneficente, no dia 3 de novembro de 2022, no hotel Rosewood, em São Paulo, com a participação de importantes instituições, especialistas e artistas, como o cantor Gilberto Gil.

A trombose venosa é uma doença caracterizada pela formação de trombos (coágulos) nas veias de qualquer parte do corpo, mas principalmente nas veias das pernas, e que pode evoluir para uma embolia pulmonar caso o trombo se movimente pela corrente sanguínea. Embora constitua a terceira causa de óbito entre as enfermidades cardiovasculares, ela pode ser evitada na grande maioria dos casos. No Brasil ainda não existem dados robustos sobre a sua ocorrência na população. Como consequência, as estratégias públicas para mitigação da doença são baseadas em estudos divulgados por outros países – que possuem perfis étnicos e socioeconômicos diferentes do brasileiro.

Nesta primeira fase de implantação do programa de registros, foi formada uma rede com centros hospitalares localizados em Campinas, Botucatu, São José do Rio Preto, São Paulo, Barretos e Ribeirão Preto, cidades do estado de São Paulo, que incluirão no programa mais de 10 mil pacientes, convidados pessoalmente em sua primeira visita a algum hospital para então serem acompanhados, ao longo do estudo, por WhatsApp ou telefone.

“A gente gostaria de poder começar com vários centros no Brasil, mas, pelo tamanho do nosso país e para podermos ter mais experiência no desenvolvimento desse tipo de projeto, estamos iniciando pelo nosso estado”, esclarece a médica hematologista Joyce Annichino, professora, coordenadora da área clínica e laboratorial de Doenças Tromboembólicas do Hemocentro da Unicamp e vice-presidente da SBTH.

Um importante marco no início deste registro foi a inauguração em Campinas do Centro de Doenças Tromboembólicas (CDT) do Hemocentro da Unicamp. A iniciativa foi aprovada pelo Programa de Centros de Desenvolvimento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que, junto com a Pró-Reitoria de Pesquisa da Unicamp, disponibilizou um aporte de R$ 4 milhões para a concretização do projeto. A inauguração do CDT irá impactar esse quadro ao estabelecer três grandes registros focados em trombose: o primeiro em adultos com quadro agudo da doença, o segundo em crianças hospitalizadas e o terceiro em pacientes com câncer – fator de risco para a ocorrência de eventos tromboembólicos.

Ao todo, 14 centros hospitalares compõem a rede do CDT: o Hospital de Clínicas, o Hemocentro e o CAISM – todos da Unicamp; o Hospital da PUC e o Hospital Dr. Domingos Boldrini em Campinas; o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu; o Hospital de Base da Fundação da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; o Hospital do Amor de Barretos; o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto; e, na capital paulista, o Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch-M’Boi Mirim, o Hospital Municipal Vila Santa Catarina, o Hospital Santa Marcelina de Itaquera, o Hospital das Clínicas da USP e o Hospital Universitário da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

De acordo com a Dra. Joyce, estudos pilotos sobre trombose foram realizados em Campinas no Hospital de Clínicas, no Hospital da Mulher José Aristodemo Pinotti – Caism Unicamp, no Hemocentro da Unicamp, no Hospital Celso Pierro da Pontifícia Universidade Católica (PUC) e no Hospital Dr. Domingos Boldrini. Na ocasião, foram avaliados 800 pacientes com câncer e cerca de 6 mil crianças internadas, mas, no caso de pessoas com trombose aguda, não foi possível dar sequência ao estudo devido à pandemia de covid-19. “Foram gerados dados bastante interessantes, porque não tínhamos nada do tipo no Brasil, mas, com o CDT, nós vamos avaliar um número muito maior de pacientes em um projeto multicêntrico, com a capital e várias cidades importantes do interior paulista, o que é muito mais relevante”, explica a Dra. Joyce.

A Sociedade Brasileira de Trombose e Hemostasia – SBTH é uma entidade civil sem fins lucrativos que visa a promover a educação continuada e disseminar conhecimento para a redução do tromboembolismo e suas consequências. Fundada em 10 de outubro de 2018 e composta atualmente por mais de 200 médicos, tem como missão investir em educação continuada e pesquisas, chamar atenção para a importância da prevenção e ampliar o acesso a medicamentos e tratamentos para a trombose. Atualmente, a SBTH trabalha para o fomento de políticas governamentais, educacionais e assistenciais através da promoção de pesquisas médicas relacionadas à trombose e doenças hemorrágicas congênitas ou adquiridas.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/

https://www.mercadocomum.com/

DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas

https://www.mercadocomum.com/