Soja e gado brasileiros são decisivos para o desafio de reduzir o desmatamento no mundo, apontam BCG e WWF
Soja e gado brasileiros são decisivos para o desafio de reduzir o desmatamento no mundo, apontam BCG e WWF
Soja e gado brasileiros são decisivos para o desafio de reduzir o desmatamento no mundo, apontam BCG e WWF
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Relatório aponta que compromissos ambientais precisam alcançar novo patamar para combater o desmatamento que afeta alguns dos principais ecossistemas no mundo.

O relatório Deforestation & Conversion Free Supply Chains, do Boston Consulting Group (BCG) e da WWF, indica que entre 2001 e 2015, sete commodities agrícolas foram as que mais contribuíram para o desmatamento global impulsionado pela agricultura (cerca de 123 milhões de hectares de florestas ao todo): carne (37%), óleo de palma (9%) soja (7%), cacau (2%), café (2%), borracha (2%) e madeira (1%).

A criação de gado desponta como a principal causa histórica do desmatamento no Brasil. O país foi responsável, entre 2001 e 2015, por 48% do desmatamento global motivado por produção de carne. Em comparação com as demais commodities, é o setor que encontra-se mais atrasado em comprometimentos ambientais e o mais incipiente na certificação da origem de seu produto, a carne.

Anúncio

Já o plantio de soja no Brasil foi responsável, entre 2001 e 2015, por 61% de todo o desmatamento global causado pela commodity, tendo em vista o forte crescimento da produção da leguminosa no país nesse período. Ela é a terceira commodity que mais motiva o desflorestamento no mundo, atrás apenas da carne e do óleo de palma.

O relatório afirma que, para reverter o impacto de suas atividades sobre os ecossistemas, as empresas líderes de cada commodity no país precisam fomentar uma mudança sustentável em seus setores, promovendo transparência, rastreabilidade e verificação de empresas em toda a cadeia de suprimentos. É crítico também reportar o avanço dos compromissos de sustentabilidade assumidos, prática de apenas entre 41% a 46% das grandes empresas em todo o mundo.

Além disso, é essencial que as organizações apoiem esforços para o fortalecimento da legislação ambiental e de sua execução, no sentido de evitar o desmatamento e apoiar a conservação sustentável das propriedades.

As empresas líderes devem avançar da mentalidade de “compradoras de commodities sustentáveis” para “promotores de sustentabilidade além de suas operações”, o que inclui uma ampla abordagem sustentável no setor, ambiente ou jurisdição, executada de forma colaborativa, para que haja impacto significativo.

O relatório aponta boas práticas nessa direção, sendo que dois exemplos concretos no Brasil se destacam:

1-Em 2021, três produtores brasileiros de ração para piscicultura adotaram compromisso de comercialização de produtos livre de desmatamento, o que garantiu fornecedores que adotassem as melhores práticas contra o desmatamento em todos os níveis da cadeia.

2-Em 2006, o pacto ambiental assinado entre produtores de soja, ONGs e governo (Moratória da soja) registrou um compromisso para impedir a conversão das florestas amazônicas em plantios de soja.

Instituições financeiras também podem exercer papel mais ativo nos esforços de sustentabilidade da cadeia produtiva das commodities. Como credores, elas têm função direta no financiamento de empresas e atividades que podem estar ligadas ao desmatamento direta ou indiretamente. Além disso, também podem desenvolver e apoiar a transição para modelos econômicos viáveis, sustentáveis e justos ​​para produtores e pequenos proprietários. No entanto, apenas metade das instituições do Forest 500 assumiu compromissos para conter o desmatamento e a conversão de terras – e apenas 7% delas se comprometeram com zero desmatamento em seus negócios.

“As grandes empresas de cada setor devem trabalhar juntas, com apoio dos governos, mercado financeiro e ONGs, para assumir compromissos maiores ​​e implementar ações cada vez mais efetivas contra o desmatamento. No Brasil, uma das medidas mais importantes seria a melhoria da rastreabilidade dos produtos desde a sua origem, garantindo a sustentabilidade em todas as etapas produtivas. A tecnologia de blockchain já é adotada com esse objetivo, mas ainda há grande margem para melhora”, avalia Jorge Hargrave, diretor do BCG e colíder da prática de Mudanças Climáticas no Brasil.

Em 2019, WWF e BCG lançaram a plataforma OpenSC, que usa o blockchain e outras tecnologias para rastrear alimentos e produtos, ajudando pessoas e empresas a evitarem mercadorias ilegais, prejudiciais ao meio ambiente ou antiéticas.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades