Seu Dinheiro - Prioridade para a renda fixa
Seu Dinheiro - Prioridade para a renda fixa
Seu Dinheiro – Prioridade para a renda fixa – Fernando Soares Rodrigues*
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Prioridade para a renda fixa

A maior instabilidade institucional, vigente no País desde o início de julho, dificulta a reação da B3, a bolsa de valores de São Paulo, e estimula a maior procura pelos ativos de renda fixa.

O cenário ainda favorece a valorização do dólar frente ao real, fator que colabora para manter elevada a inflação próxima de 12% nos doze meses anteriores a junho.

Somente após a oficialização do resultado das urnas no final do ano, e a divulgação das metas econômicas do próximo Presidente da República e de sua equipe de governo, certamente a bolsa de valores terá melhores condições de operar segundo as influências típicas do mercado.

Na primeira quinzena de julho, a B3 recuou e o dólar operou em alta frente ao real devido a uma série de fatores internos e externos. Os embates constantes e ásperos do presidente Bolsonaro com o poder judiciário, e representantes da mídia com maior audiência no País, não ajudaram a compor de maneira favorável o cenário econômico interno.

Inflação e juros em alta nos EUA e na maior parte dos países, os problemas da Europa e de todo o mundo com a guerra na Ucrânia atuaram como forças auxiliares na derrocada a bolsa e da desvalorização do real.

Ambiente desfavorável

O mundo dos negócios passou a operar atônito nas últimas semanas diante do possível agravamento da crise institucional no País.

Fica mais difícil optar-se por investimentos diretos e no mercado de capitais em um País, onde o presidente da República contesta sem provas a Justiça Eleitoral, e onde o mesmo é chamado categoricamente de mentiroso diuturnamente pela mídia com maior audiência, sem que nada aconteça com as partes envolvidas. Recordando o que ocorreu com o Trump nos EUA, essa mesma mídia taxa de perdedor o comportamento do Bolsonaro.

A histeria eleitoral fica mais evidente quando o candidato da oposição é chamado a todo instante de comunista. E o mesmo ocorre com qualquer pessoa que não apoia o candidato Bolsonaro. Os boçais, que taxam de comunistas indiscriminadamente os representantes da imprensa, sequer sabem o que é comunismo.

Situação fiscal

No mundo dos negócios, o que mais preocupa é o agravamento da situação fiscal, o que dificultará ao próximo governo o combate à inflação.

Ao invés de estimular a criação de empregos e o aumento da renda para combater a pobreza, o atual governo adota medidas populistas de curto prazo.

O boletim Focus referente à primeira quinzena de julho apontou para o fim de 2022, taxa Selic de 13,75% ao ano, compatível com inflação (IPCA) abaixo de 8%. Pela mesma pesquisa do Banco Central junto às principais instituições do mercado, o Produto Interno Bruto (PIB) termina o ano na faixa de 1,5% e o dólar comercial na faixa de 5,13%.

Economistas de bancos estimam que o PIB pode alcançar os 2%. Este é o lado positivo do desempenho da economia. No início deste ano, economistas previram crescimento pouco acima de zero ou até abaixo.

A liberação de recursos pelo governo para a população carente, caminhoneiros autônomos e taxistas, inclusive através da oferta de crédito fácil, deve manter a economia aquecida neste segundo semestre.

Não a ponto de estimular muito o consumo. Os 600 reais do Auxílio Brasil são importantes para combater a pobreza extrema, mas não são suficientes para a compra da cesta básica oficial, a que serve de base para o cálculo de sua variação de preços.

Ganhar da Selic
Ganhar da Selic

Ganhar da Selic

Na faixa de 13,25% ao ano desde 15 de junho passado, a Selic elevada e com tendência de alta é o principal desafio para se obter ganho no mercado financeiro.

As aplicações em CDBs, fundos de investimentos financeiros e títulos do Tesouro Direto devem oferecer rentabilidade líquida superior ao percentual dos CDis que acompanham de perto a taxa Selic. Um CDB tem que oferecer, por exemplo, rentabilidade nominal superior a 100% da taxa dos CDIs para ficar atrativo, já que a tributação é pesada nos ativos de renda fixa de curto prazo. Os títulos públicos com rentabilidade atrelada à inflação são temporariamente mais atraentes quando chegam a oferecer a variação do IPCA mais juros de 6% ao ano.

As cadernetas de poupança, que oferecem pouco mais de 6% líquidos ao ano, perdem feio para a inflação e a taxa Selic.

No mercado acionário, o investidor tem que obter também rentabilidade muita acima dos 13,25% ao ano, líquidos, da taxa Selic
No mercado acionário, o investidor tem que obter também rentabilidade muita acima dos 13,25% ao ano, líquidos, da taxa Selic

No mercado acionário, o investidor tem que obter também rentabilidade muita acima dos 13,25% ao ano, líquidos, da taxa Selic, para compensar o risco. Deve fazer conta que leve em consideração a valorização dos preços das ações na bolsa e os dividendos pagos pelas companhias.

Ações da Vale, Petrobrás, bancos e de companhias exportadoras continuam com bom potencial de alta. Ações de companhias do varejo registram baixas nos últimos 18 meses. Diversas ações da chamada “segunda linha nobre” apresentam também potencial de alta, sempre dependendo de diversos fatores econômicos.

Mas, continua válida a recomendação: antes da compra de qualquer ação é recomendável acompanhar seu desempenho em bolsa no dia a dia e no longo prazo, e buscar aconselhamento técnico.

Deve-se aplicar em bolsa somente um valor da ordem de 20% do total disponível para investimento. Além disso, ações são investimento de risco, e todo conselho técnico sobre a compra é sempre uma projeção a se avaliar com cautela.

*Jornalista especializado em economia e finanças

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br