Seis investimentos com liquidez diária para resgatar o dinheiro na hora que quiser
Seis investimentos com liquidez diária para resgatar o dinheiro na hora que quiser
Seis investimentos com liquidez diária para resgatar o dinheiro na hora que quiser
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Educador financeiro apresenta opções de renda fixa e renda variável com liquidez diária e mostra diferença entre elas

Ter um dinheiro guardado é uma saída para não se endividar quando surgem gastos inesperados. Sabendo disso, muita gente deixa o saldo parado na conta corrente para usá-lo na hora que quiser. O problema é que dinheiro parado perde poder de compra. Uma forma de proteger o patrimônio da inflação e ainda tê-lo à disposição a qualquer momento é aplicando em investimentos de liquidez diária.

Confira as características de seis opções de investimentos que podem ser resgatados a qualquer momento, segundo o educador financeiro do C6 Bank, Liao Yu Chieh:

Poupança 

A caderneta de poupança ainda é a opção de investimento mais popular do Brasil e ela permite ao investidor resgatar os valores a qualquer momento. No entanto, por conta do mecanismo chamado “aniversário”, caso o investidor retire o dinheiro antes da aplicação completar um mês, é como se o montante não tivesse rendido nada.

Além disso, na maioria das vezes, o rendimento da poupança é insuficiente até mesmo para repor a inflação e evitar que o dinheiro perca poder de compra. Por isso, a poupança só é indicada para quem está adentrando no mundo dos investimentos e ainda não conhece nenhum outro produto melhor. “Pouco a pouco, com educação financeira e conhecimento, a pessoa pode ir migrando para outros produtos melhores”, diz Liao.

CDB 

Os CDBs, sigla para Certificados de Depósito Bancário, são opções de investimento de renda fixa, assim como a poupança. Isso significa que eles oferecem uma boa previsão de quanto o investidor irá receber no momento do resgate. Além disso, os CDBs oferecem o mesmo risco que a caderneta, já que são títulos emitidos por instituições financeiras que pegam o dinheiro do investidor emprestado em troca da devolução do valor acrescido de juros em uma data futura.

A diferença entre os CDBs e a poupança é que eles rendem mais e não têm o mecanismo de “aniversário”. Por conta disso, os CDBs com liquidez diária são altamente recomendados para quem quer montar uma reserva de emergência, ou seja, guardar um valor para usar em caso de imprevistos. “Esse é o melhor produto de entrada no mundo dos investimentos”, afirma Liao.

Títulos Públicos do Tesouro Direto 

Tão eficientes quanto os CDBs e com risco ainda menor são os títulos do Tesouro Direto. A diferença entre eles é que, aqui, o dinheiro é emprestado ao próprio governo e não a uma instituição financeira privada. Como o título é emitido pelo Tesouro Nacional, o risco do investidor tomar um calote é baixíssimo, já que, em último caso, o Tesouro poderia simplesmente imprimir dinheiro para pagá-lo.

Todos os títulos no Tesouro Direto possuem liquidez diária, mas existem opções com prazos mais longos que possuem maior oscilação nos preços. Liao afirma que, para diversificar a reserva de emergência com menos risco de mercado, a melhor opção é o Tesouro Selic.

Fundo DI 

Caso o investidor não queira escolher por conta própria cada ativo que pretende adquirir, ele pode terceirizar essa decisão para um profissional por meio de um fundo de investimento, como os chamados Fundos DI. Esses fundos têm por objetivo acompanhar a taxa DI, que é praticamente idêntica à taxa básica de juros da economia.

A desvantagem dos Fundos DI é que os investidores podem ter que pagar uma taxa de administração para os administradores do fundo e os investimentos não são cobertos pelo Fundo Garantidor de Créditos, como no caso dos CDBs. Além disso, incide sobre eles o chamado “come-cotas”, que é um desconto automático do Imposto de Renda a cada semestre. O investidor também deve checar se o Fundo DI realmente tem liquidez diária, já que algumas opções disponíveis no mercado não têm essa vantagem.

Ações 

Já no campo da renda variável, existem diversos ativos que também oferecem alta liquidez. É o caso das ações de grandes empresas negociadas na bolsa. Aqui, no entanto, a estratégia muda. Apesar de poder comprar e vender ações praticamente em tempo real, o investidor não deve investir nesses papéis pensando em vendê-los em um curto espaço de tempo para remediar uma emergência, por exemplo. Isso porque ações são ativos que oscilam muito de preço e é possível que o investidor precise vendê-las justamente em um momento de grande desvalorização, o que resultará em eventuais prejuízos.

Ter uma parte do dinheiro investido em ações se torna mais interessante quando o investidor pode deixar o dinheiro aplicado por mais tempo e, assim, aproveitar a liquidez das ações para vendê-las em um momento de valorização, lucrando com a diferença.

Fundos Imobiliários 

Bem parecidos com as ações, os fundos imobiliários (FIIs) também são ativos de renda variável e vários deles possuem alta liquidez na bolsa de valores. A diferença é que, em vez de pequenas partes de uma empresa, aqui o investidor está comprando cotas de fundos que investem em galpões logísticos, shoppings centers, prédios comerciais, entre outros.

Os FIIs são opções para quem quer investir no mercado imobiliário, mas deseja ter alta liquidez e fazer aportes menores.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/
DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas