Minas gerais é destaque na produção de 15 dos 24 alimentos pesquisados

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (ABRAFRUTAS) e o programa Hortifruti Saber & Saúde lançaram recentemente o relatório

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Cenário Hortifruti Brasil que traz, pela primeira vez, o panorama nacional dos cultivos de hortifruti. Entre os destaques, o material aponta que a produção de frutas e hortaliças no Brasil gera cerca de 13 milhões empregos diretos e indiretos, em uma área de pouco mais de 5 milhões de hectares, superando a cadeia de soja, que tem área superior a 34 milhões de hectares de norte a sul do País. Além disso, o estudo mostra a relevância do estado de Minas Gerais, que se destaca em 15 dos 24 cultivos pesquisados, como o de morango, do qual é o principal produtor (75 mil toneladas anuais) e do abacate (52 mil toneladas, atrás apenas de São Paulo, com 104 mil toneladas).


Entre os destaques do levantamento, está o montante de produção: são 37 milhões de toneladas anuais, das quais entre 3% e 5% são exportadas. Mas, apesar dos números relevantes, o compilado mostra que áreas tradicionais de cultivos do país estão perdendo força. "Os estados de São Paulo, Minas Gerais e o Sul estão reduzindo suas áreas de produção. Isso se dá em função do elevado preço da terra, da menor disponibilidade de mão de obra e de problemas fitossanitários ocasionados pela manutenção de um único tipo de manejo por anos consecutivos em uma dada área. Enquanto isso, novas regiões expandem sua produção, especialmente no Cerrado e no Nordeste", destaca Adriana Brondani, coordenadora científica do programa Hortifruti Saber e Saúde, Adriana Brondani.

O relatório chama a atenção para o uso racional de insumos agrícolas e a adoção de tecnologia pelos produtores. A fertilização foi identificada como um dos manejos mais importantes, uma vez que seu uso correto resulta em um uso mais racional de defensivos. A irrigação e as práticas culturais, a exemplo das podas, também são fatores decisivos na produtividade e no sucesso dos agricultores de frutas e hortaliças.

A adoção dessas e de outras tecnologias, segundo o relatório, é alta nas culturas de mamão, melão e brócolis, nas quais sua aplicação é superior a 50%. Se considerarmos os cultivos em que a maior parte do dos produtores tem perfil de médio ou alto uso de tecnologia, poderemos citar, entre as frutas, abacate, limão, manga, maçã e morango. Entre as hortaliças, cebola, pimentão e tomate. "Segundo o IBGE, 87% dos brasileiros vivem em regiões urbanas, o que dificulta o entendimento sobre como os alimentos são produzidos. Com isso, o objetivo do relatório é promover esse conhecimento, desmistificando a atividade e mostrando o seu potencial de crescimento, assim como a adoção de tecnologia no campo. Além disso, por ser um estudo inédito, acreditamos que contribuirá para o melhor entendimento do setor, incluindo das áreas onde a produção está caindo, como Minas Gerais, e onde ainda há espaço para crescimento, como o Rio Grande do Norte", completa Adriana.

Sobre o Hortifruti Saber & Saúde 

Resultado de uma parceria inédita entre diversos atores da cadeia produtiva, a exemplo de agricultores, academia, associações de classe, consultorias econômicas e indústria agrícola, o programa Hortifruti Saber & Saúde foi criado em outubro de 2017 com o objetivo de comunicar a segurança e saudabilidade das frutas e hortaliças produzidas no País. Para compor o pilar de dados dessa iniciativa, o levantamento, entre outros objetivos, visa reunir dados confiáveis sobre a produção de frutas e hortaliças no Brasil.
 
Sobre o relatório Saber Hortifruti 2018
 
Para reunir os dados de produção e traçar o perfil tecnológico dos agricultores de frutas e hortaliças de todo o Brasil, o relatório conta com a parceria de consultoria da Blink Projetos Estratégicos. A partir de dados disponíveis no mercado, entrevistas com profissionais de destaque no setor e com base em métodos estatísticos, foi possível fazer extrapolações que resultaram em dados que representam o perfil médio do produtor em 24 cultivos (abacate, abacaxi, banana, goiaba, laranja de mesa, limão, mamão, manga, melancia, melão, maçã, morango, uva de mesa, batata, cebola, cenoura, feijão vagem, pepino, pimentão, tomate de mesa, alface, brócolis, couve, repolho).
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *