Fotos: Cláudia Souza

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), por meio do Campo Experimental de Caldas, disponibiliza, anualmente, mudas de videira certificadas e de sanidade comprovada. “Esse serviço tem contribuído para a expansão da vitivinicultura, não somente em Minas Gerais, mas também em vários outros municípios das regiões Sudeste e Centro-Oeste”, afirma a pesquisadora Cláudia Rita de Souza.

As mudas, produzidas pelo método de enxertia de mesa, são de uvas das variedades Syrah, Niágara Branca, Niágara Rosada e Bordô (clones EPAMIG 13 e 16). A produção anual fica em torno de 30 mil a 40 mil mudas. “Esse número varia entre as diferentes safras, pois depende da quantidade do material de propagação e da taxa de pegamento dos enxertos no viveiro (geralmente em torno de 50%)”, explica a pesquisadora.

As mudas mais procuradas são de uvas finas Syrah, principal variedade tinta utilizada na elaboração dos vinhos de colheita de inverno, possibilitada pela adoção da dupla poda. Esta técnica, validada pela EPAMIG, transfere a colheita de uva do verão chuvoso para o inverno seco, o que tem garantido qualidade e sanidade das bagas. Entre as uvas comuns, a maior procura é pela Niágara Rosada. Neste ano foram produzidas 15 mil mudas de Syrah, 10 mil de Niágara Rosada, 3 mil de Niágara Branca e 3 mil de Bordô, todas vendidas antecipadamente.

Apesar de pequena, quando comparada à dos grandes viveiristas, a produção atende a viticultores de diferentes localidades. “A procura pelos clones da EPAMIG tem sido grande, principalmente no Sul do País, onde ficaram conhecidos como Bordô Mineira”, conta Cláudia, acrescentando que essas variedades para a elaboração de vinhos comuns e suco de uva têm se destacado pelo aumento na produtividade dos vinhedos. “Por serem mais resistentes ao desavinho, distúrbio fisiológico que causa o abortamento das inflorescências, os clones 13 e 16 têm sido bastante buscados”.

Além das mudas de qualidade, a EPAMIG disponibiliza tecnologias para manejo, suporte técnico e a infraestrutura de uma vinícola experimental, que atua como incubadora para produtores iniciantes, realizando o processamento das uvas para a produção de vinhos e espumantes.

Em função da alta demanda, as encomendas de mudas devem ser feitas com um ano de antecedência. As entregas são feitas no período de plantio, entre os meses de outubro e janeiro.