Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

O Sebrae Minas realizou, no dia 15 de janeiro, às 20h, cerimônia de posse do novo presidente do seu Conselho Deliberativo, Olavo Machado Junior, além dos membros do Conselho Fiscal e da Diretoria Executiva para a gestão 2015/2018.
Na ocasião foram apresentadas as novas instalações do Sebrae Minas, no bairro Nova Granada, em Belo Horizonte.
Olavo Machado Junior, atual presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), sucede Lázaro Luiz Gonzaga, que dirigiu o Sebrae Minas entre 2011 e 2014 e também preside o Sistema Fecomércio MG, Sesc, Senac e Sindicatos.
O Conselho Deliberativo do Sebrae Minas também empossou os novos membros do Conselho Fiscal da instituição: Domingos Gatti Bavuso, Heli de Oliveira Penido e Raimundo Sérgio Campos, como titulares; Alfeu de Freitas Abreu, Daisy das Graças Fernandes e Rosane Ferraz Venturi Bitencourt, como suplentes.
Na Diretoria Executiva, tomam posse Afonso Maria Rocha, diretor-superintendente, Anderson Costa Cabido, diretor de operações e Fábio Veras de Souza, diretor-técnico.
Sobre o Sebrae Minas O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais – Sebrae Minas – é uma entidade associativa de direito privado, sem fins lucrativos, instituída sob a forma de serviço social autônomo.
Integra o Sistema Sebrae, hoje formado por uma unidade central, o Sebrae Nacional, e por unidades localizadas em cada estado da federação e no Distrito Federal.
Sediado em Belo Horizonte, o Sebrae Minas está presente em 52 microrregiões, onde mantém 57 pontos de atendimento, abrangendo os 853 muncípios mineiros. A instituição oferece produtos e serviços para empreendedores em diversos estágios de desenvolvimento, ajudando a iniciar, a diversificar ou a ampliar a atuação de micro e pequenas empresas (MPE).
Em maio de 2012, o Sebrae Minas deu início às obras de ampliação da sua sede técnica e administrativa, motivado pela necessidade de centralizar o atendimento aos empreendedores de Belo Horizonte, reduzir os custos de manutenção e operação e, principalmente, facilitar o acesso dos micro e pequenos empresários à instituição.
O projeto de construção do novo prédio seguiu padrões de sustentabilidade, garantindo economia de energia, monitoramento de ruídos, programa de controle de efluentes líquidos e ligação de drenagem pluvial do terreno, para evitar enchentes. O Sebrae Minas também implementou melhorias no sistema viário do entorno, realizando o alargamento da Rua Boturubi, a partir da Rua Angra dos Reis até a Av. Barão Homem de Melo.
O novo prédio tem 15.615 metros quadrados de área total construída, sendo seis andares, três subsolos de garagem com 318 vagas e salas de treinamento. O projeto é do arquiteto gaúcho Andreoni da Silva Prudêncio, escolhido por meio de concurso público nacional, realizado em 2007.
Números do Sebrae-MG 8 unidades regionais 57 pontos de atendimento 390 projetos em carteira 280.555 clientes atendidos em 2014 (até novembro) 160 soluções educacionais, entre programas de gestão, cursos, palestras e oficinas Currículos dos novos gestores Olavo Machado Junior – o empresário preside a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e acumula ainda os cargos de presidente do Conselho Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), diretor do Serviço Social da Indústria (Sesi) e presidente do Conselho Regional do mesmo órgão, diretor da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e presidente do Conselho Temático de Infraestrutura da CNI (Coinfra).
Afonso Rocha – reeleito como diretor-superintendente do Sebrae Minas, cargo que ocupa desde 2007 e que ocupou entre 1997 e 1999.
Foi superintendente de Operações e Mercado do Senac-MG (2000- 2004), e superintendente-executivo do Instituto Estrada Real (2004- 2006). É administrador de empresas.
Anderson Cabido – ex-prefeito de Congonhas (MG) por dois mandatos consecutivos (2005-2012). É professor em cursos de graduação, nas disciplinas de administração e economia, e de pós-graduação, nas áreas de gestão de pessoas e inovação tecnológica.
Fábio Veras – ocupou o cargo de diretor de operações do Sebrae Minas nos últimos dois anos. Foi secretário de estado adjunto de Desenvolvimento Econômico e membro do Conselho de Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. É mestre em Direito Econômico e doutor em Direito Constitucional pela UFMG.
Transformar micro e pequenas empresas em grandes organizações geradoras de riqueza para o país e de empregos para o trabalhador brasileiro Com o compromisso de honrar as mais caras tradições desta Casa – assumo a presidência do Conselho Deliberativo do SEBRAE de Minas Gerais.
No cumprimento desta missão conto com a colaboração dos companheiros do setor empresarial mineiro, sempre com o objetivo de apoiar e fortalecer micro e pequenas empresas do estado.
Espero também merecer o apoio do Governo do Estado, das prefeituras e das autoridades como um todo.
Neste ato, minhas primeiras palavras são de agradecimentos às lideranças políticas e empresariais e aos convidados que nos prestigiam com suas presenças.
A todos – na pessoa ilustre do excelentíssimo senhor governador do Estado de Minas Gerais, Fernando Pimentel – cumprimento e abraço.
De forma muito especial e fraterna, registro os meus cumprimentos ao companheiro presidente Lázaro Luiz Gonzaga pela competente obra realizada no SEBRAE de Minas Gerais ao longo dos últimos anos.
A você, Prezado Lázaro, agradeço pelo legado que recebo: • Instituição que vi nascer e crescer, o SEBRAE de Minas Gerais é hoje uma entidade de alta credibilidade, presente em 52 microrregiões do estado, com 57 pontos de atendimento que abrangem os 853 municípios mineiros; • Hoje, dispõe de uma ampla gama de serviços e produtos que, de forma objetiva e eficaz, atende empreendedores em todos os estágios de desenvolvimento; • É uma obra notável, caro amigo Lázaro, e por ela você, sua equipe de diretores e o corpo de funcionários estão de parabéns! Quero também dizer-lhe, caro amigo, que você não precisa se preocupar em levar referências do nosso SEBRAE, por uma razão muito simples: você é uma referência para o SEBRAE de Minas Gerais e continuará conosco nestes próximos quatro anos. Conto com você! Saúdo e agradeço aos diretores que terminam este mandato, o muito obrigado do setor empresarial a você Afonso, Fábio e em especial ao amigo Luiz Marcio Pe-reira.
Aos companheiros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal que encerram seus mandatos, os meus agradecimentos e reconhecimento pelo trabalho e dedicação que tiveram com suas participações. Muito obrigado.
Posso afirmar, honrado e com muito orgulho, que tenho com esta Casa uma relação de longos anos – de algumas décadas.
Iniciei minha vida de empresário ainda jovem, trabalhando com meus irmãos e meu saudoso pai – o “seu” Olavo – na Bell Brasil Eletrônica Ltda., uma micro/ pequena empresa. Para nós da família, uma potência – uma multinacional cheia de planos e sonhos, como é normal a todo empreendedor.
Foi com os recursos gerados pela ousadia e pela pretensão com que desenvolvíamos tecnologia que eu e meus irmãos fomos criados.
Fomos “filhos ricos de pai pobre”, como dizia papai. Tudo proveniente daquele pequeno negócio.
Formando em engenharia em 1972, abri minha primeira empresa, à época também um pequeno empreendimento que, felizmente, cresceu e existe ainda hoje – a duras penas, mas existe.
Para meu pai, uma loucura, uma empresa enorme com seus primeiros 30 funcionários que chegaram a quase mil e que hoje são entorno de 400 nas empresas das quais sou sócio.
Mas, aquele era um momento mágico para o Brasil, para Minas Gerais, para sua economia e para sua indústria! Era o milagre brasileiro! O SEBRAE de Minas Gerais já estava lá! O nome ainda era Centro de Assistência Gerencial de Minas Gerais – CEAG-MG – semente lançada em solo fértil, que germinou, deu frutos e se transformou na instituição que o SEBRAE-MG é hoje.
Foi, de fato, um momento histórico, revolucionário e de grandes transformações para a economia do estado.
Naquele momento, Minas Gerais realizou o maior salto de seu setor produtivo em todos os tempos, marcado especialmente por um extraordinário processo de industrialização.
O CEAG/SEBRAE participou deste processo, destacando-se como agente estratégico e essencial no aparato institucional formado por instituições da dimensão da Cemig, Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, Fundação João Pinheiro, INDI, CETEC e Companhia de Distritos Industriais.
Juntos e apoiados incondicionalmente pelas lideranças políticas da época, este conjunto de organismos públicos, em parceria com o setor privado e com suas entidades representativas, mostrou que era possível construir uma economia forte, diversificada e moderna.
Hoje, Minas Gerais é uma das principais economias do país – e líder em muitos setores! O SEBRAE de Minas Gerais cresceu junto com o estado e hoje é o esteio – o porto seguro – para milhares de micro e pequenas empresas – e também de milhares de microempreendedores individuais.
A lembrança da vitoriosa trajetória do SEBRAE de Minas Gerais nesta noite não é não pode e nem deve ser vista como um ato gratuito – ou nostálgico! Na verdade, ele se confunde com a oportunidade e crescimento de diversas empresas mineiras que apoiou e, em reconhecimento a este trabalho, homenageio aqui, neste momento, o primeiro presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae de Minas Gerais – o companheiro e amigo Dr. Stefan Salej, e em seu nome saúdo a todos presidentes que me antecederam.
Hoje, mais uma vez, nos encontramos em um momento decisivo para o Brasil, para Minas Gerais e para a empresa nacional, sobretudo as micro e pequenas.
Também nos defrontamos com desafios que precisamos enfrentar e superar para recolocar o nosso país, nosso estado e a economia no rumo do crescimento e do desenvolvimento sustentável.
O SEBRAE de Minas Gerais, mais uma vez, é o exemplo! Seu modelo de governança, alternando representantes dos diversos segmentos do setor empresarial, é uma explícita reafirmação da crença na força da parceria, da participação e do associativismo.
Parceria, participação, associativismo e solidariedade estão também presentes na própria constituição do Conselho Deliberativo do SEBRAE de Minas Gerais, que reúne representantes dos setores público e privado.
Minha disposição é a de trabalhar para que as entidades representativas do setor empresarial de todo o estado se fortaleçam ainda mais com o apoio e a parceria do Sebrae.
É a parceria, a participação e a solidariedade que explicam o sucesso do SEBRAE ao longo de anos e décadas – e é disso, exatamente, que o Brasil e Minas Gerais precisam neste momento.
O SEBRAE de Minas Gerais seguirá adiante, cumprindo a missão para a qual foi criado e, no longo prazo, visando afirmar-se como instituição de referência em soluções para os micro e pequenos empreendedores.
Nesta empreitada, com estes compromissos, vamos trabalhar para preservar parcerias já existentes e buscar o estabelecimento de novas associações sintonizadas com os interesses e necessidades dos micro e pequenos empreendedores.
Nesta direção, o que nos move é a clara consciência de que o trabalho parceiro e participativo é parte predominante no DNA do SEBRAE-MG.
Em conjunto com os meus companheiros do Conselho Deliberativo do SEBRAE de Minas Gerais meu objetivo será o de orientar, traçar metas e objetivos para que a nova diretoria atue em sintonia com as prioridades de Minas Gerais.
Também é nosso objetivo acrescentar ao rol de atribuições do Sebrae o compromisso de trabalhar para transformar micro e pequenas empresas em grandes organizações geradoras de riqueza para o país e de empregos para o trabalhador brasileiro.
As diretrizes que traçamos para a nossa diretoria também contemplam a questão da informalidade no segmento, pois se estima que para cada empreendedor formal ainda existam dois informais em nosso estado.
Consideramos que a informalidade, total ou parcial, é uma limitação grave e que precisa ser combatida: além de prejudicar a produtividade da economia, a informalidade acaba por impedir que estas empresas tenham acesso a crédito adequado, reduz sua capacidade de acesso à mão de obra de melhor qualidade e as impede de participar de grandes oportunidades de negócio. Ou seja: a informalidade aborta as chances de crescimento destas empresas.
Outra questão é a ainda elevada taxa de mortalidade de MPE’s no Brasil! Pesquisa do SEBRAE-SP, de 2011, revelam que a mortalidade de empresas ao final do primeiro ano é de 27%, no final do segundo ano 37%, 46% no terceiro e 58% no final do quinto ano, comprometendo a economia e levando à desestruturação de pessoas e famílias.
Entre os principais motivos para o fechamento das empresas destacam se: • Comportamento empreendedor pouco desenvolvido; • Falta de planejamento prévio; • Gestão deficiente do negócio; • Insuficiência de políticas de apoio; • Flutuações na conjuntura econômica; Praticamente todas estas questões são assuntos de nossa competência e responsabilidade – e se conseguirmos equacionar o problema de acesso ao crédito certamente conseguiremos expressiva redução destes números.
Também é preciso desmistificar falsos conceitos! Na economia, e especialmente na indústria, ninguém nasce para ser micro e pequeno – este é apenas um estágio, o estágio inicial! O objetivo do empreendedor, sempre, deve ser o crescimento que só se alcança com inovação, desenvolvimento tecnológico, agregação de valor aos produtos e a conquista de mercados que garante pedidos em carteira e crescimento.
Para isso, queremos, precisamos e vamos buscar novos parceiros! Contamos com o apoio do excelentíssimo senhor governador do Estado, Fernando Pimentel, e dos prefeitos dos 853 municípios mineiros para o estabelecimento de um processo consistente e abrangente de desenvolvimento regional apoiado nos micro e pequenos empreendimentos regionais.
Discurso de Olavo Machado Jr. Para que alcancemos êxitoos nossos prefeitos – aqueles que ainda não o fizeram – referendem, de imediato, a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas para que os empreendedores locais possam se apropriar dos benefícios contidos nesta legislação.
No campo da educação, uma histórica prioridade do SEBRAE de Minas Gerais, contamos com o apoio e a parceria das entidades representativas do setor produtivo no desenvolvimento de projetos sinérgicos que unam o SEBRAE, Senai, Senac, Senar e Senat e todo o sistema “S”.
Juntos – todas estas entidades e o SEBRAE – seremos capazes de transformar os micros empreendedores em empresários capazes e dedicados, com acesso a cidadania e a geração de riquezas.
*Discurso de Olavo Machado Jr. ao assumir a presidência do Conselho Deliberativo do Sebrae- Minas no dia 15 de janeiro de 2014.
Com o SEBRAE Nacional e com a Secretaria Nacional da Micro e da Pequena Empresa da Presidência da República – com o apoio decisivo do presidente Luiz Barreto, do Presidente Robson Andrade, da CNI e do Conselho do SEBRAE Nacional, e com o apoio do ministro Afif Domingos – seremos parceiros entusiasmados da cruzada que se realiza em todo o país visando eliminar obstáculos ao crescimento dos micro e pequenos empreendimentos.
É urgente desburocratizar nosso país ou ficaremos reféns de crescimento medíocres que nos condenam ao subdesenvolvimento.
Mais do que essencial para a pequena e micro empresa, desburocratizar é vital para todos os negócios independentemente do porte ou tamanho.
Entre estes obstáculos – talvez o mais importante – está a necessidade de equacionamento da transição dos micro e pequenos empreendimentos para negócios maiores. Hoje, objetivamente, muitas empresas estão condenadas a se eternizarem como micros e pequenas. A rigidez da legislação não lhes oferece alternativas! Também queremos e vamos buscar a parceria com as médias e grandes empresas, públicas e privadas, no sentido de que funcionem como âncoras de sustentação e estímulo aos micro e pequenos empreendimentos, fazendo deles seus fornecedores preferenciais e gerando mais e mais negócios dentro das fronteiras do nosso estado.
Senhoras e Senhores, É responsabilidade das lideranças mineiras – na política, na área empresarial e em todos os segmentos da sociedade – atuar para potencializar fatores que, cada vez mais, funcionem como instrumentos de estímulo ao desenvolvimento sustentável do estado.
É nossa responsabilidade trabalhar para viabilizar o crescimento econômico e a justa distribuição de seus frutos! Aos meus companheiros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal e aos novos diretores – Afonso, Anderson e Fábio – expresso a minha confiança no trabalho que a partir de hoje vamos realizar com dedicação, entusiasmo e competência.
Contem comigo! Por fim, àqueles que efetivamente “carregam o piano” – funcionários e colaboradores do SEBRAE -MG e seus familiares – o reconhecimento pela dedicação, competência, comprometimento e a expectativa que podemos mais, faremos mais e comemoraremos mais.
É nessa linha que o SEBRAE de Minas Gerais vai trabalhar.
Muito obrigado 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *