Na eleição escolha a democracia
Na eleição escolha a democracia
Na eleição escolha a democracia
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Roberto Brant*

Na longa história humana a democracia não passa de um breve instante. Durante séculos, na verdade milênios, os homens viveram sob o domínio de governos autocráticos, sem qualquer espaço para autonomia e com liberdade apenas para obedecer. Também é verdade que, desde o início das primeiras comunidades humanas na Mesopotâmia e na China até o advento da Revolução Industrial na Inglaterra do século XVIII, a humanidade não progrediu nada, pelo menos em termos materiais. Tanto o tamanho das populações quanto o valor da produção econômica e o nível de consumo permaneceram basicamente inalterados. É muito arriscado estabelecer com certeza relações de causalidade entre eventos históricos, mas não há como não reconhecer que o extraordinário progresso econômico dos dois últimos séculos coincide perfeitamente com o aparecimento dos primeiros governos democráticos e com os primeiros passos para a cidadania e a liberdade dos homens.

A liberdade política é a condição necessária para a liberdade de buscar conhecimento, de inventar e de empreender. Por isto mesmo, até há pouco tempo só os Estados democráticos alcançaram altos níveis de renda e de bem estar. A existência hoje de Estados autoritários com economias desenvolvidas e com alto crescimento econômico parece desmentir esta correlação e chega a enganar os espíritos mais apressados. Se examinadas com mais atenção, no entanto, estas experiências de capitalismo sem democracia são inteiramente dependentes de suas relações com os capitalismos democráticos, tanto nos seus estágios iniciais quanto na sua fase de maturidade.

O milagre chinês, na sua origem, resultou da importação de conhecimento técnico das economias do Ocidente e da abertura para o comércio com o mundo, para fazer da China um país essencialmente comercial e voltado para a produção da riqueza, sem qualquer ideal utópico como princípio fundador da vida social. Na fase madura de sua economia a China vive de suas relações com as economias democráticas, seja participando das cadeias universais de valor, criadas pela globalização, seja vendendo para os ricos mercados de consumo do Ocidente. Se a China, por qualquer motivo, ficar isolada das economias capitalistas democráticas, seu crescimento definhará em pouco tempo e ela voltará para os tempos da estagnação secular que marcou sua longa história. O capitalismo chinês é um apêndice da economia ocidental e não viveria sem ele. A China autocrática precisa da democracia dos outros.

Faço estas considerações para argumentar que a democracia é um bom negócio e pode ser defendida por razões exclusivamente pragmáticas, já que a discussão de valores parece cada vez mais irrelevante nestes tempos de cinismo corrosivo. Se ainda temos alguma esperança de voltar ao crescimento da economia, o ponto de partida é a garantia de um governo democrático. A defesa da política democrática, apesar disto, está se tornando uma tarefa necessária e até urgente, entre nós. E não pela ameaça das lideranças políticas ou militares, mas principalmente pelos conflitos que estão se formando no interior da própria sociedade.

A democracia só é possível quando a tolerância é o estado de espírito das grandes maiorias. Nas disputas políticas o que deve estar em jogo não são as questões existenciais que separam irremediavelmente as pessoas. Como disse uma vez Raymond Aron, uma grande voz da razão, a política não é jamais a luta entre o bem e o mal, mas apenas do preferível contra o detestável.

No Brasil destes dias a sociedade está se separando em facções irreconciliáveis, alimentadas pelo medo e pela maldição das certezas absolutas, como se a própria existência da nação estivesse em jogo. O vencedor herdará uma nação em pedaços, pobre como antes, mas sem esperança de remédio. Para todos os que estão fazendo da política uma guerra, ficam as palavras de Camus: se existisse um partido para aqueles que não tem certeza de que estão certos, eu seria dele.

Na democracia todos podem vencer e todos podem perder. Se não for assim não é numa democracia que estamos vivendo.

*Advogado, ex-deputado federal e ex-ministro da Previdência

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Rota

Sua localização:

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/
CNPJ: CNPJ 10.712.481/0001-11

Index Google by Seo Muniz