Mercado de câmbio ganha com aprovação de lei pelo Senado
Mercado de câmbio ganha com aprovação de lei pelo Senado
Mercado de câmbio ganha com aprovação de lei pelo Senado
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Entre as mudanças está o aumento do limite do dinheiro em espécie que viajantes podem transportar.

O mercado de câmbio no Brasil vai mudar. O Senado Federal aprovou nesta quarta-feira, dia 8, o Projeto de Lei 5.387 de 2019. O texto já havia sido apreciado pela Câmara em fevereiro deste ano e segue para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o projeto, agora poderão ser firmados contratos com pagamentos em moeda estrangeira no Brasil. A proposta é do Governo Federal. De acordo com texto aprovado, os bancos ficarão autorizados a atuar no mercado de câmbio e cumprirão ordens de pagamento em reais recebidas do exterior, assim como as enviadas para fora do País. Porém, é necessário que as instituições titulares das contas estejam sujeitas à supervisão financeira no país de origem. A proposta estabelece que o capital estrangeiro no Brasil tenha tratamento jurídico igual ao do capital nacional.

Anderson Souza Brito, especialista em câmbio, comenta a mudança: “A aprovação do Senado ao Projeto de Lei nº 5387/2019 é mais uma etapa conquistada para a modernização da legislação cambial brasileira. A proposta é desburocratizar o mercado de câmbio, delegando ao Banco Central Brasileiro – BACEN a concessão de mecanismos que objetivam facilitar e melhor, adequar o mercado de câmbio brasileiro às práticas já existentes no exterior. A proposta engloba a facilitação de empresas que realizam operações financeiras com o mercado internacional, para que possam reduzir seus custos com essas operações e, consequentemente, apoiar o desenvolvimento econômico do Brasil.”

De acordo com Brito, um dos pontos a ser comemorados ocorre no ajuste dos valores físicos que os viajantes poderão portar: atualmente a limitação do valor é de R$ 10.000,00 (dez mil reais), enquanto a proposta sobe esse valor para USD 10.000,00 (dez mil dólares) ou o equivalente em outra moeda estrangeira. “Há também a possibilidade de pessoas físicas e jurídicas manterem no Brasil contas correntes em moeda estrangeira, cabendo ao Banco Central a regulamentação do tema”, afirmou Anderson, que é CEO da Revhram, empresa de assessoria e intermediação de operações cambiais.

Anderson Souza Brito é especialista em câmbio, finanças e banking. Formado em Administração de Empresas, com MBA em Finanças e Banking, cursou International Business Management pela Massachusetts Institute of Business (MIB). Atualmente, ele é CEO da Revhram.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades