Medicamentos cardiovasculares têm queda nas compras, enquanto número de mortes por doenças do coração aumentam
Medicamentos cardiovasculares têm queda nas compras, enquanto número de mortes por doenças do coração aumentam
Medicamentos cardiovasculares têm queda nas compras, enquanto número de mortes por doenças do coração aumentam
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

De acordo com pesquisa feita pela Universidade Federal de Minas Gerais, mortes por doenças cardiovasculares no Brasil tem cerca de 132% de aumento na pandemia

No Brasil, cerca de 1.100 pessoas morrem por dia devido às doenças cardiovasculares. Somente este ano já são contabilizadas mais de 290 mil mortes em decorrência dessas doenças, porém o consumo de medicamentos para tratamento dessas enfermidades está em queda.

Segundo dados de transações dos beneficiários da base da epharma, plataforma líder em programas de benefícios em medicamentos no Brasil, as vendas de medicamentos para prevenção de AVC, uma doença que acomete muitos brasileiros,  diminuíram 35,04% em relação ao ano de 2021   mesmo com o aumento do número de casos de doenças do coração. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), a falta de adesão ao tratamento cardiológico pode desencadear novas enfermidades e agravar o quadro clínico.
Os pacientes interrompem as suas medicações por vários fatores como, por exemplo, a falta do acompanhamento médico e dos exames de rotina ou por vivenciarem uma pequena melhora do seu quadro clínico. Além disso, a pandemia dificultou o acesso aos medicamentos e o agendamento de consultas. Pesquisa feita pela UFMG, mostrou que  o número de mortes por doenças cardiovasculares cresceu 132% durante a pandemia.
A cardiologista Sueli Vieira, da Rede de Hospitais São Camilo, explica a importância de manter o acompanhamento clínico, independentemente da melhora do paciente “É para isso que servem os médicos, para reforçar se um medicamento deve ser mantido ou trocado. Quando receitamos um remédio, nós conhecemos o paciente e a doença, sabemos o que indicar em cada caso e pensamos sempre de forma individual.”

Tendo em vista a importância do tratamento contínuo, é essencial auxiliar os pacientes para que mantenham a adesão ao tratamento. “Entre 2021 e 2022, a economia gerada pelo mercado farmacêutico geral caiu de 2,5 bilhões de reais para 1,8 bilhões de reais, enquanto a epharma manteve suas vendas. É fundamental continuarmos oferecendo recursos que facilitem o acesso a medicamentos, como planos e programas de descontos, permitindo que as pessoas possam cuidar efetivamente da saúde e seu quadro clínico não seja agravado ou o tratamento interrompido”, esclarece Wilson de Oliveira Junior, diretor de Negócios e Operações da epharma.

A epharma é a plataforma líder de programas e planos de benefícios em medicamentos do país. Fundada há 23 anos, atua como um elo, unindo os ecossistemas de tecnologia e saúde criando conexões inteligentes entre os seus principais públicos: indústrias farmacêuticas, farmácias e drogarias, operadoras de saúde, corretoras, healthtechs e empresas privadas de diversos segmentos. Pioneira ao lançar o Programa de Benefícios em Medicamentos no Brasil em 1999, também é a 1ª operadora de planos de medicamentos com remédio grátis* para o mercado B2B e conta com deliveries e uma rede de 35 mil farmácias físicas e 2 mil laboratórios de diagnósticos credenciados em todo o país para atender seus 30 milhões de beneficiários e pacientes gerando economia nas compras de medicamentos de R$ 1,4 bilhão em 2021.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/
DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas