MC: 27 anos valorizando as Marcas de Sucesso de Minas Gerais
MC: 27 anos valorizando as Marcas de Sucesso de Minas Gerais
MC: 27 anos valorizando as Marcas de Sucesso de Minas Gerais*
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Agradeço a presença de todos que nos honram neste 27º Prêmio Top of Mind – Marcas de Sucesso – Minas Gerais – 2022. Quero lhes desejar as boas-vindas e o nosso muito cordial boa noite, esperando que possam desfrutar com prazer e satisfação dos momentos deste evento.

Nesta oportunidade, agradeço a todos os anunciantes que nos brindam com as suas publicidades, e desejo manifestar um agradecimento especial, aos nossos patrocinadores.

Muito obrigado à Drogaria Araujo, ao Supermercados BH e à Unimed-BH.

Também estes agradecimentos especiais se destinam a nossos apoiadores institucionais na realização deste evento: a ACMinas – Associação Comercial e Empresarial de Minas, a ASSEMG – Associação dos Economistas de Minas Gerais, o Fórum JK de Desenvolvimento Econômico, o IBEF-Minas Gerais, e a MinasPart Desenvolvimento Empresarial e Econômico Ltda.

Agradecimentos especiais destinamos também ao Instituto OLHAR – Pesquisa e Informação Estratégica, doravante passando a se chamar Jumppi Inteligência e Pesquisa e que realizou, mais uma vez, com enorme competência e qualidade, a pesquisa e o estudo que validam esta premiação.

A marca é um dos ativos mais valiosos de uma empresa e sempre é recomendável dela cuidar como um relevante patrimônio e um precioso ativo.

De acordo com o estudo intitulado “Ranking Best Global Brands” divulgado pela renomada consultoria de marketing/branding “Interbrand”, empresa fundada em 1974 na cidade de Londres, as 16 marcas mais valiosas do planeta representavam em 2021, no conjunto, um valor superior a todo o PIB – Produto Interno Bruto do Brasil daquele ano. As quatro mais valiosas marcas – Apple, Amazon, Microsoft e Google valem, juntas, US$ 1,07 trilhão, sendo que a maior delas – a Apple vale, individualmente, US$ 408 bilhões. Cabe destacar que o PIB-Produto Interno Bruto de Minas Gerais no ano passado – ou seja tudo o que o estado produziu em termos de bens e serviços – totalizou cerca de US$ 130 bilhões.

Em 2º lugar vem a marca Amazon, valendo US$ 249 bilhões. Logo a seguir, está a Microsoft – que vale US$ 210 bilhões e, depois o Google, com US$ 170 bilhões. Continuando as dez Marcas mais valiosas, em ordem de classificação, são: 5ª: Samsung; 6ª: Coca-Cola; 7ª: Toyota; 8ª: Mercedes-Benz; 9ª: McDonald’s e 10ª Disney.

Observem que entre as quatro marcas mais valiosas em 2021, em todas elas as suas respectivas empresas eram da área de tecnologia e nenhuma existia algumas poucas décadas atrás. Cabe, ainda destacar, que esses valores aqui mencionados se referem apenas ao valor da marca e, não necessariamente, ao valor patrimonial das empresas, o seu valor de mercado ou junto às bolsas de valores.

Neste importante estudo da Interbrand, em que aqui destacamos as 100 marcas mais valiosas do mundo, 53 estão sediadas nos Estados Unidos; 9 na Alemanha e outras 9 na França; 7 estão no Japão, 4 no Reino Unido, 3 na Coreia do Sul; 3 na Itália e outras 3 na Suécia. As demais estão em diferentes países valendo, ainda salientar, que não há sequer uma marca brasileira entre as mesmas.

Durante os 27 anos deste estudo foram realizadas 35.826 entrevistas em Minas Gerais, compreendendo 1.514 Segmentos pesquisados e, no total, foram premiadas 2.362 Marcas de diversas categorias.

Considerada uma das publicações mais antigas do Estado, a revista MercadoComum estará completando, agora em julho, o seu 29o ano de circulação levando, principalmente a Minas Gerais e a todo o país, as informações relevantes da nossa economia, das finanças e dos negócios em geral.

Tenho certeza que este Prêmio Top of Mind – MercadoComum – Marcas de Sucesso de Minas Gerais chega agora à sua 27ª edição por ter assumido, durante todo este tempo, uma posição transparente, de muita credibilidade e seriedade. A metodologia aplicada para a realização desta premiação, assim como em todas as demais vezes anteriores, sempre foi se aprimorando e buscou incorporar novos padrões de qualidade e de modernidade com o passar dos anos.

Assim, esta premiação entendemos é, antes de tudo, uma expressão de credibilidade, é uma certificação de idoneidade na qual se baseia toda a pesquisa e as suas respectivas metodologias nela aplicada.

Esta premiação já se tornou uma das mais antigas de nossa capital e de nosso estado, sendo considerada das mais amplas e completas de seu gênero. Pode-se contar as iniciativas similares em nosso estado que conseguiram se manter por tanto tempo.

MercadoComum estará circulando neste mês de julho, com uma edição impressa e outra eletrônica especial, contendo o descritivo da pesquisa e sua metodologia, além de matérias jornalísticas específicas sobre as empresas vencedoras, destacando-se a importância e o relevante papel exercido por esta iniciativa, que é também o de procurar ampliar a divulgação da imagem econômica e social de Minas, aumentando as chances de atração de novas empresas para o Estado e de amplificar os negócios daquelas aqui já presentes.

As edições eletrônicas em PDF de MercadoComum são encaminhadas, mensal e diretamente, via e-mail, a um público superior a 100 mil formadores de opinião em Minas e em todo o país. As suas páginas na internet, estão sendo acessadas e visualizadas por cerca de 1,6 milhão de pessoas todo mês, de acordo levantamento efetuado e divulgado pelo Google Search.

A exemplo das vezes anteriores não posso concluir esta apresentação sem, antes, enumerar algumas considerações pessoais sobre a presente situação econômica, política e social brasileira.

Acredito que o Brasil precisa, urgentemente, reconciliar-se com o desenvolvimento e retomar o crescimento econômico vigoroso, consistente, contínuo e sustentável.

Temos de buscar, incansavelmente, nos transformar em uma Nação Desenvolvida.

Entendo ser esta a saída, esta a solução!

País cuja economia não cresce é país condenado e os piores inimigos da democracia são a fome, a miséria, o desemprego e a desesperança. O subdesenvolvimento é uma doença grave, uma praga que combinada com a estagnação econômica, amplia as desigualdades sociais já existentes e violenta o convívio entre os seus cidadãos.

Não podemos compartilhar da onda de pessimismo que há muito paira sobre a economia nacional, como se ela estivesse destruída, incapacitada de se recuperar ou de prosperar.

Os problemas e entraves da nossa economia devem ser encarados como passageiros, não duradouros. Já há um certo tempo que uma das mais destacadas características do Brasil era a sua enorme capacidade de superar dificuldades e a de contornar crises, de maneira ágil e rápida. Mas, desta vez, a síndrome do raquitismo econômico e a esclerose política que nos assola e, na qual nos encontramos metidos, já dura muito

Urge desarmar esta perversa armadilha que nos aprisionou e nos mantém reféns de uma situação que fragiliza a sociedade e as nossas instituições. Não são justas para com o País as políticas que perseguem a estagnação da economia, fomentam o desemprego, impossibilitam os investimentos públicos e promovem um acintoso regime de concentração de renda e de baixa produtividade.

O desenvolvimento precisa voltar a ser a trilha natural do Brasil rumo a um futuro melhor, como já afirmava o presidente Juscelino Kubitschek há mais de 50 anos -quando ele realçava que a esperança era a bandeira de todas as bandeiras do Brasil.

Nesse sentido, entendo também, que precisamos resgatar, o quanto antes, a bandeira da esperança no nosso país e recuperar, aos brasileiros, a capacidade e a possibilidade de voltarem a poder sonhar.

É preciso despolitizar e desideologizar o debate econômico que se restringe e se limita nos dias atuais, meramente, às discussões conjunturais e passageiras, de baixo alcance e, por isso mesmo, sempre de resultados pífios e desprezíveis.

A busca de um futuro melhor para o Brasil passa, inexoravelmente, pela urgente decisão de deixarmos de ser emergentes para nos convolar em Nação Desenvolvida. Esta virada rumo a um novo e diferente amanhã precisa ser a nossa causa e missão maiores, decisão imprescindível e inadiável de ser tomada por mais tempo impondo-se, por consequência, uma segura determinação de caminhar nesse rumo e sentido – sem desvios, sejam à esquerda, à direita ou, muito menos, de pararmos e permecermos na condição de indecisos.

A direção correta para o Brasil é avançar, seguir e ir em frente, acelerando os passos rumo ao progresso e assumindo posturas novas, ousadas, pragmáticas, modernas e factíveis – buscando antecipar as perspectivas mais prováveis da realização de um futuro mais justo e próspero que ainda temos em mãos para ser construído.

O crescimento econômico vigoroso deve deixar de ser apenas uma casualidade, uma questão episódica, uma efemeridade ou um acontecimento meramente fortuito para se transformar, efetivamente, na grande meta econômica nacional, permeando a convolação do País para uma economia madura, mais igualitária e desenvolvida.

Nesta direção já tivemos, antes, vários exemplos bem sucedidos e que poderiam nos servir novamente de inspiração, como foi o caso do Plano de Metas, durante o Governo JK. Não se trata aqui de voltarmos ao passado, mas sim, de nos inspirarmos nele.

Urge resgatar a autoestima do brasileiro, recuperar a esperança em dias melhores e abraçar o otimismo como uma porta aberta a um novo e desafiador amanhã, que nos ofereça segurança e melhoria dos padrões civilizatórios.

Nesse momento, em que estamos cabisbaixos e apreensivos por essa crise que ainda desconhecemos o seu desfecho e, por isso impossibilitados de enxergar o amanhã que nos avizinha, também devemos ecoar um brado de fé e de esperança por medidas novas, ousadas, corajosas, criativas para a busca de um País mais moderno e dinâmico, justo e próspero.

Isso significará, enfim, a necessidade de uma mudança de mentalidade, a definição de uma estratégia de política nacional focada no crescimento e no desenvolvimento econômico, a favor de um Brasil melhor e mais generoso para todos os brasileiros!

Quero, por fim, cumprimentar e parabenizar todos os agraciados deste 27º Prêmio Top of Mind – Marcas de Sucesso de Minas Gerais.

Recebam todos vocês o nosso fraterno e especial abraço.

*Discurso de Carlos Alberto Teixeira de Oliveira, presidente/editor geral de MercadoComum, por ocasião da solenidade do 27º Prêmio Top of Mind – Marcas de Sucesso – Minas Gerais – 2022, realizado na ACMinas – Associação Comercial e Empresarial, no dia 28 de junho de 2022.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades