* Por Luís Paulo Rosenberg

O renomado economista Luis Paulo Rosenberg, sócio-diretor da Rosenberg & Associados, é um dos apresentadores da obra intitulada “Juscelino Kubitschek: Profeta do Desenvolvimento – Exemplos e Lições ao Brasil do Século XXI. Apresentamos, a seguir, o texto completo da apresentação, de sua autoria:

Obrigado, CATO!

Carlos Alberto Teixeira Oliveira –  nosso CATO – não produziu um simples livro sobre Juscelino. Trata-se, na verdade, de um tratado enciclopédico multimídia sobre a vida, paixão e obra de JK. Um divisor de águas na literatura sobre o tema: daqui para frente, quem escrever sobre o Peixe Vivo, recorrerá obrigatoriamente a esta referência.
Nada foi desconsiderado. Da infância humilde ‘a carreira de médico, os primeiros passos na política mineira e a construção da Pampulha; a provocante presidência do Brasil e a provação que foi para JK viver e morrer sob a ditadura. Tudo está esmiuçado em detalhe.

Louve-se sua objetividade: ainda que o espirito do Autor seja arrebatadoramente juscelinista, CATO não deixa de trazer para o leitor o contraponto da opinião dos adversários de Juscelino (e ele não teve poucos destes!).

Apesar de se qualificar como um autêntico catatau de informações, a Obra é seguramente user friendly. Assim, o primeiro volume, de mais de 500 páginas, em vez de ordenar os fatos, pronunciamentos e atos legais cronologicamente, inova, debulhando o tema JK por assunto. Criou-se, assim, um facilitador da busca e leitura de tópicos, que se beneficiou da taxonomia invejável do Autor para tornar amena a tarefa de encontrar um assunto ou período especifico da carreira de JK.

Prepare-se: é praticamente impossível terminar a leitura desta obra sem se tornar um admirador de JK. Quem, como eu, que observou a trajetória dele com a ótica de um economista paulista liberal, espantava-me com a gastança pública inflacionária da sua Presidência. Consequentemente, nosso veredicto simplista da época era considerá-lo um administrador inconsequente. Felizmente, o Tempo é senhor da Razão: quase 60 anos depois, a riqueza do legado de JK é inconteste, como comprova este trabalho: todos os nichos da economia e da sociedade brasileira ficaram marcados pela ação inovadora e efetiva de seu governo, seja em Minas, seja no Brasil.

A leitura dos pronunciamentos e atos de JK revelam a variedade de talentos que compunham sua personalidade. E nenhum destes escapou à argucia de Carlos Alberto, confira:

 -JK, o Democrata, está aqui retratado em toda sua grandeza e generosidade, em seus pronunciamentos em defesa do equilíbrio entre os Três Poderes e da soberania do voto popular. Somados, constituem-se em um compêndio de glorificação do governo do povo, pelo povo e para o povo. Mesmo tendo sido alvo de tentativas de golpes militares, antes e depois da posse como Presidente, sua resposta foi anistiar os insurgentes, no esforço de unir a nação. Anos depois, descobriríamos que seu empenho agregador foi em vão, os militares impuseram a Ditadura e jamais perdoaram JK pela ousadia de sua gestão. Como não ignoravam a impossibilidade de derrotá-lo numa eleição livre, dada a gratidão do povo pelos avanços de seu governo. Donde a perseguição implacável que sofreu, com o nítido proposito de impedir sua obvia eleição em 1965.

-JK, o Industrialista, é descrito em suas várias dimensões, ressaltando seu lugar único como promotor da simbiose entre setores público e privado para atrair multinacionais a se instalarem no País e desenvolver a inexistente indústria automobilística, naval e de base. Este foi o experimento ocidental mais bem sucedido de fomento à indústria infante, o ponto de descontinuidade na nossa história econômica, a fundação do período de crescimento que penetraria na década de 70.

-JK, o Modernizador do Setor Público, expresso com clareza na institucionalização do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e da SUDENE, esta responsável pelo primeiro surto induzido de crescimento da negligenciada Região Nordeste.

-JK, o Bandeirante, talvez o maior deles. A decisão de construir Brasília e a malha de infraestrutura que a viabilizou foi a mais importante intervenção integracionista de todas as Republicas, Velha, Esmagada e Nova. É a partir da construção da nova capital que nos vamos livrar do estigma do brasileiro-siri, que só vivia beliscando nossa Costa. Sem exagero, CATO mostra que a incorporação do Cerrado – hoje o maior celeiro do Mundo- só ocorre efetivamente depois do desbravamento juscelinista.

-JK, o Inspirador, o responsável pelo fim do complexo de vira-lata, a que se referia Nelson Rodrigues. A Obra detalha JK nos mostrando como acelerar o crescimento em termos de um projeto de nação, o que aguçou nossa autoestima, ensinou-nos a pensar grande, ousar, realizar 50 anos em apenas 5. Nosso primeiro campeonato mundial de futebol, ocorrido em seu mandato, é emblemático do país que passava de subdesenvolvido a emergente.

-JK, o Homem. Livrando-se das amarras de analisar detidamente apenas o homem público, Carlos Alberto, com muito carinho e reverência, apresenta-nos ao ser humano admirável que foi JK. Sua infância, sua carreira como médico solidário, os primeiros passos na política mineira e o experimento com Niemeyer na Pampulha, verdadeiro projeto-piloto de Brasília. Sua ação continuamente apaziguadora, seus laços de família, a religiosidade sempre presente. Até para suas aventuras amorosas há espaço neste livro. Atenção especial dá CATO ao episódio nebuloso do acidente automobilístico que matou JK, reunindo tanto as informações que corroboram a tese, como as que a destroem:  o ex-presidente sofreu um acidente rodoviário ou teria sido vítima de um atentado, ordenado pela Ditadura.

Para o admirador de JK, esta obra é leitura obrigatória, um verdadeiro mergulho na grandiosidade deste político insuperável. Aos seus adversários, recomendamos também que a leia: ele se deparará com Roberto Campos – decano dos economistas liberais brasileiros – desancando JK por sua responsabilidade ao detonar o processo inflacionário que desaguou na Ditadura. Como pode CATO produzir um compêndio que se torna indispensável para adoradores, detratores e meros curiosos da trajetória de JK?

A resposta se sustenta no rigor analítico que domina o DNA do Autor. Seu compromisso foi o de reunir o maior volume de material existente sobre JK, para que sua pesquisa desdobrasse-se em milhares de outras, de teses acadêmicas a ensinamentos práticos de como se fazer política no Brasil. Assim, já estaríamos bem servidos se CATO tivesse produzido apenas seu Primeiro Volume, organizando o que de mais relevante existe sobre o homem de Diamantina. Mas ele foi além, reunindo nos dois volumes seguintes todos os importantes pronunciamentos de JK e agregando vídeos, documentos, fotos, de um valor histórico inestimável.

Esta obra coloca Carlos Alberto Teixeira Oliveira no panteão seleto dos grandes pesquisadores da nossa história político-econômica. Ela tem a grandiosidade devida por nós todos a JK, o político que nos fazia tão orgulhosos de sermos brasileiros. Que contraste com o momento atual, quando tantos nos envergonham pelos malfeitos que cometem, da Esquerda á Direita!

 *Economista, Sócio-Diretor da Rosenberg & Associados