Juventude “Nem Nem” pode condenar o futuro do país
Juventude “Nem Nem” pode condenar o futuro do país
Juventude “Nem Nem” pode condenar o futuro do país
              Com 30% da população jovem parada, o atual quadro precisa ser revertido por meio de políticas públicas estimulantes e que criem oportunidades para o ingresso no mundo do trabalho

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

O Brasil vive, hoje, um cenário único, onde há uma geração de jovens formada por mais de 50 milhões de pessoas entre 15 e 29 anos. Em contrapartida, apesar deste bônus demográfico existe um alto índice de “Nem Nem”, ou seja, jovens que não trabalham e nem estudam. De acordo com o mestre em Educação e consultor da Fundação de Apoio à Tecnologia (FAT) em Gestão e Políticas Públicas voltadas ao Ensino, Francisco Borges, trata-se de um cenário preocupante e que precisa ser mudado. “Este é um problema muito sério. Hoje, no Brasil, chegamos a uma situação bastante delicada onde jovens de 18 a 24 anos, que deveriam estar estudando ou ingressando no ensino superior, estão parados. Ao todo, 30% desta população não realiza nenhuma atividade produtiva e, se o faz, faz de forma irregular”, explica.

Para o especialista, este problema merece atenção e gera preocupação, pois trata-se de um país em desenvolvimento e, se tudo continuar como está, teremos uma geração que daqui a alguns anos não será capaz de sustentar a população mais velha de um país, pois na fase que deveriam estar produzindo, estão afastados do estudo e do mundo do trabalho.

Para Borges, é urgente que toda a sociedade brasileira encare essa parcela da população e exija políticas públicas específicas para as juventudes. Além das dificuldades já conhecidas, como o alto índice de desemprego dos jovens, os efeitos da pandemia da Covid-19 agravaram a situação para essa parcela da população, que apresentou uma evasão escolar com altos índices.

Segundo Borges, o Brasil não dispõe de uma política nacional para as juventudes que estabeleça ações articuladas e que proporcione oportunidades de formação profissional para todos ou promova uma educação de qualidade que possibilite o prosseguimento dos estudos.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

“É preciso que o governo estabeleça uma política que estimule esses jovens a terem uma perspectiva de trabalho. Hoje, os jovens não se interessam pelos estudos, por não terem interesse pelas matérias aplicadas e por não enxergarem um futuro a partir delas. Existe uma reforma de educação que será implementada em 2023, onde o jovem poderá escolher uma trilha, um curso profissionalizante que é capaz de formá-lo e estimulá-lo. Dessa forma, a educação fica mais contextualizada, pois, por um lado, sabe-se por que o jovem está aprendendo aquilo e, por outro, se estimula as empresas a contratarem as juventudes, o que ajudará o Brasil a reverter este quadro onde as pessoas que deveriam estar gerando renda, se encontram sem perspectiva”, diz. Para o mestre em educação, é preciso que, além do governo, todos os setores se unam no sentido de criar oportunidades de futuro.

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/

DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas