Insolvência das empresas deve voltar a subir em 2022 e 2023
Insolvência das empresas deve voltar a subir em 2022 e 2023
Insolvência das empresas deve voltar a subir em 2022 e 2023
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Após queda do índice durante o período mais crítico da pandemia, Allianz Trade prevê aumento global de 10% em 2022 e 14% em 2023

A guerra na Ucrânia e os novos bloqueios na China têm prejudicado significativamente o equilíbrio das empresas ao redor do mundo.  Além disso, após o período mais crítico da pandemia, os governos estão deixando de oferecer o suporte que evitou que a inadimplência das empresas aumentasse rapidamente em 2020 e 2021. Com isso, as insolvências globais devem retornar a níveis similares ao período pré-pandemia: 10% em 2022 e 14% em 2023, de acordo com análise do time de economistas da Allianz Trade, empresa líder mundial em seguro de crédito.

Agentes que podem atrasar o aumento das insolvências

As companhias mais uma vez enfrentam diversas contrariedades na economia global. Tanto em relação a longas interrupções da cadeia de suprimentos e gargalos de transporte até altos custos de insumos e escassez, principalmente de energia, commodities e mão-de-obra.  Somam-se a isso os elevados custos de financiamento à medida que o aumento global da inflação restringe o poder monetário. No entanto, a Allianz Trade identificou três sinais-chave que podem minimizar o aumento da inadimplência das empresas. São eles:

Caixa das empresas

O saldo total das empresas listadas no relatório foi 30% maior no início de 2022 do que em 2019 em nível global.

Indicador de fragilidade das empresas

Os dados proprietários da Allianz Trade mostram também que o número de empresas frágeis (ou seja, aquelas que podem ficar inadimplentes nos próximos quatro anos, com base na rentabilidade, capitalização e cobertura de juros a partir de 2021) permaneceu controlado na Europa, particularmente na Itália (que saiu do patamar de 11%, em 2020, e foi para 7%, em 2021) e na França (que foi de 15% para 12%).

Repasse do aumento de custos para o preço final

Finalmente, a temporada de lucros do primeiro trimestre de 2022 confirmou que as empresas listadas têm conseguido repassar os altos custos de produção para o preço final.

“Esses fatores sugerem que a economia global deve ser capaz de evitar um grande aumento de insolvências – pelo menos no curto prazo. No entanto, as empresas terão que estar atentas: a normalização das insolvências globais já começou. Para alguns países, recuperar os números de 2019 levará alguns anos, mas voltamos a um alto nível de risco de não pagamento, tanto global quanto localmente”, explica Clarisse Kopff, CEO da Allianz Trade.

Pela primeira vez desde 2019, as insolvências globais retomarão os níveis regulares em 2022 e 2023

A Allianz Trade identificou ainda os pontos de fragilidade que podem resultar no aumento a níveis normais de insolvência em 2022 e 2023. Em primeiro lugar, em 2021, as exigências de capital de giro aumentaram particularmente na Ásia (+2 dias), Europa Central e Oriental (+2 dias) e América Latina (+2 dias), e para setores como equipamentos domésticos (+8 dias), eletrônicos (+3 dias) e equipamentos de máquinas (+2 dias). Além disso, a Zona do Euro registrou um aviso de deterioração de sua relação dívida/PIB NFC (+5,2pp em comparação com +3,5pp para os EUA). Por fim, o contexto internacional atual provocou um declínio no poder real de compra dos consumidores, o que pode criar outro risco negativo para as empresas na forma de desaceleração da demanda.

Em resposta a isso, os governos da França, Alemanha e Itália já estenderam os programas de desemprego existentes e introduziram novas formas de empréstimos garantidos pelo Estado, com possibilidade de novas medidas serem adotadas enquanto a crise durar. Nesse cenário, a Allianz Trade espera que as insolvências globais de negócios aumentem +10% em 2022 e +14% em 2023 (após -12% em 2021).

“Pela primeira vez desde 2019, esperamos que as insolvências globais voltem a subir em 2022 e 2023, aproximando-se de seus níveis pré-pandemia.  Na França e na Alemanha, as insolvências aumentarão em 2022 e 2023 (+15% e +33%, +4% e +10%, respectivamente), mas o número de casos permanecerá artificialmente baixo devido a fortes medidas de apoio estatal, o que pode atrasar a normalização das insolvências de negócios mais uma vez”, explica Maxime Lemerle, Chefe de Pesquisa de Insolvência da Allianz Trade.

Um em cada três países retornará aos seus níveis pré-pandêmicos de insolvências em 2022

Nos EUA (+8% em 2022 e +23% em 2023), as empresas devem se beneficiar dos fundos acumulados desde a pandemia, ajudada pelo Programa de Proteção a Contracheques sendo massivamente transformado em subsídios e a recuperação dos lucros.  A China também deve ser capaz de manter as insolvências em xeque (+1% em 2022, +1% em 2023), graças a um ponto de partida baixo e apesar de uma recuperação das dificuldades para as empresas mais expostas ao comércio internacional.  Nesses países, o número de insolvências não voltará aos níveis pré-pandemia em 2022 nem em 2023.

Nesta fase, esperamos que um em cada três países retorne aos seus níveis pré-pandêmicos de insolvências em 2022, e um em cada dois países em 2023. A Europa Ocidental, em particular, verá uma tendência divergente: No Reino Unido e na Espanha, o número de insolvências ultrapassará os níveis de 2019 até o final deste ano, enquanto na Itália, Portugal e países nórdicos, a normalização acontecerá apenas em 2023″, acrescenta Ana Boata, chefe de pesquisa econômica da Allianz Trade.

Brasil deve viver volta do fechamento de empresas

Até agora o Brasil conseguiu evitar a onda de insolvências que se temia devido ao surto de Covid-19. Em 2021, o Brasil registrou uma queda notável nas insolvências (-6%), estendendo a queda maciça já registrada em 2020 (-28%). Pelo segundo ano consecutivo, todos os tipos de empresas contribuíram para esta tendência descendente, com uma diminuição de -12% das insolvências de pequenas empresas (948 casos), uma diminuição de -20% das insolvências de médias empresas (268 casos) e uma queda de -33% nas insolvências de grandes empresas (129 casos) ao combinar falências e deferidas recuperações judiciais. A única exceção no upside veio das recuperações judiciais concedidas (+32%, 617 casos). No geral, o Brasil encerrou 2021 com 1.962 casos, ou seja, o menor número anual desde 2015.

Os primeiros números de 2022 já apontavam outro baixo nível de insolvências, com 450 processos representando um número trimestral quase estável em relação ao mesmo período de 2021 (453 processos) e 2020 (460 processos). No entanto, sabemos que no Brasil, assim como em muitos outros países, os números da insolvência foram parcialmente artificiais nos últimos dois anos e influenciados por diversos fatores, como o apoio estatal, o fechamento de tribunais, a paralisação sanitária e econômica. Ainda esperamos uma espécie de normalização no número de insolvências e os atuais ventos contrários resultantes da guerra na Ucrânia e os novos bloqueios nas maiores e economicamente mais importantes cidades chinesas para levar a alguma aceleração no número de insolvências durante a segunda metade do ano. Nesse cenário de linha de base, o Brasil poderia encerrar 2022 com 2.260 insolvências (ou seja, um aumento de +15%) com alto risco de atingir 2.600 casos em 2023 (+15%).

A Allianz Trade é líder global em seguros de crédito comercial e reconhecida especialista nas áreas de garantia, cobranças, crédito comercial estruturado e risco político. Nossa rede de inteligência proprietária analisa mudanças diárias em +80 milhões de solvência corporativa. Damos às companhias a confiança para negociar garantindo seus pagamentos. Compensamos sua empresa em caso de inadimplência, mas o mais importante, ajudamos você a evitar dívidas inadimplentes em primeiro lugar. Sempre que fornecemos seguro de crédito comercial ou outras soluções financeiras, nossa prioridade é a proteção preditiva. Mas, quando o inesperado chega, nossa classificação de crédito AA significa que temos os recursos, apoiados pela Allianz para fornecer compensação para manter seu negócio. Com sede em Paris, a Allianz Trade está presente em 52 países com 5,5 mil funcionários.  Em 2021, nosso volume de negócios consolidado foi de € 2,9 bilhões e as transações comerciais globais seguradas representaram € 931 bilhões em exposição.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades