Inflação nos EUA atinge 8,5% em março
Inflação nos EUA atinge 8,5% em março
Inflação nos EUA atinge 8,5% em março
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Entre os motivos, está o mercado de trabalho aquecido, que eleva o salário dos trabalhadores e aumento o custo das empresas

Os preços de bens e serviços nos Estados Unidos subiram 8,5%, em média, nos 12 meses terminados em março de 2022, divulgou nesta terça-feira (12) o Departamento do Trabalho do país. O aumento no custo do combustível, dos alimentos e dos aluguéis foram os que mais contribuíram para a inflação – a maior desde 1981. Na comparação com fevereiro, a alta foi de 1,2%.

Em fevereiro, a inflação havia registrado 7,9%, o que já chamava a atenção do governo federal, preocupado com os efeitos da escalada dos preços sobre a popularidade do presidente Joe Biden e nas eleições de novembro.

A gasolina foi o segundo item que mais contribuiu para a subida dos preços, encarecendo 18,3% em março na comparação com fevereiro. Na variação anual, o salto já é de 48%.

Já os alimentos subiram apenas 1% frente ao mês anterior, mas já estão 8,8% mais caros do que março de 2021. Manteiga (6%), frutas e legumes enlatados (3,8%), arroz (3,2%), batatas (3,2%) e carne moída (2,1%) foram alguns dos itens alimentícios que mais encareceram na variação mensal.

Para o administrador de empresas Rodrigo Costa, especialista em mercado de trabalho americano e CEO da AG Immigration, a inflação nos EUA pode ser explicada por conjunturas internacionais, como a guerra na Ucrânia e as alterações climáticas que impactaram culturas agrícolas ao redor do mundo, e também por questões domésticas.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades
Inflação nas principais economias
Fonte: Valor – 13.04
“Estamos vivendo um dos momentos mais aquecidos do mercado de trabalho nos EUA. São 11,3 milhões de vagas abertas e, ao mesmo tempo, um desemprego de apenas 3,6% – um dos menores do último meio século. Com isso, sem mão de obra disponível, as empresas começam a disputar mais ferozmente os profissionais que já estão empregados, em especial por meio de ofertas salariais mais vantajosas. A consequência disto é que o custo das empresas com a folha salarial aumenta e, assim, seus produtos e serviços ficam mais caros”, analisa o especialista.
Ele ressalta, porém, que a subida da inflação em um contexto de competição por mão de obra pode, curiosamente, corroer o poder de comprar destes salários maiores.
Em março, o governo dos EUA anunciou que foram criados 431 mil postos de trabalho nos EUA. Em 2021, foram 6,7 milhões de novas vagas – a maior quantidade já registrada. (Fonte: Thomaz Assessoria)