Luiz Rabi
Inadimplência bate recorde e atinge 66,1 milhões de brasileiros
Inadimplência bate recorde e atinge 66,1 milhões de brasileiros
Saque extraordinário do FGTS e antecipação do 13º podem ser usados para quitação de dívidas; Serasa e mais de 100 empresas parceiras disponibilizam condições especiais para começar o segundo semestre no azul
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

O Indicador de Inadimplência da Serasa Experian revelou que, desde o início deste ano, mais de 2 milhões de pessoas se tornaram inadimplentes. Em abril, o país alcançou o número recorde de consumidores com o nome no vermelho (66.132.670), atingindo a maior quantidade da série histórica do índice, iniciada em 2016. Além disso, no mesmo mês, a soma das dívidas chegou a R$ 271,6 bilhões. Confira os números absolutos no gráfico abaixo:

Indicador de Inadimplência da Serasa Experian
Indicador de Inadimplência da Serasa Experian

Para o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, o aumento da inadimplência ao decorrer de 2022 era uma movimentação esperada, mas existem fatores que podem auxiliar o consumidor nessa situação. “Sabemos que a instabilidade econômica do país vem afetando grande parte da população. No entanto, algumas ferramentas como o saque extraordinário do FGTS e a antecipação do pagamento do 13º salário para aposentados podem e devem ser utilizadas para reorganizar as finanças pessoais, amenizar dívidas e tentar tirar o nome do vermelho”.

Rabi também explica como a influência do Cadastro Positivo pode ser um fator determinante para a adimplência dos consumidores. “A possibilidade de ter acesso a um crédito de qualidade permite às pessoas mais fôlego e capacidade de colocar as contas em dia. Além disso, com análises mais assertivas, esses tomadores evitam linhas de crédito que podem ser prejudiciais, como o cheque especial, que possui juros muito altos, podendo comprometer a quitação de dívidas”.

Um estudo inédito da Serasa Experian revelou um salto de 22,1 milhões (14% da população adulta) sobre número de brasileiros que conquistaram a oportunidade de ter acesso a um crédito de qualidade. O montante foi de 59,1 milhões para 81,2 milhões. Além disso, o levantamento mostrou que esses 22,1 milhões de consumidores possuíam o Serasa Score abaixo de 500 e, por isso, poderiam não ser aprovados em análises de concessão feitas pelo mercado de crédito. No entanto, essa pontuação amena não era causada por negativações, mas pela insuficiência de informações que os credores tinham sobre os possíveis tomadores de crédito. Problema que foi solucionado com a implementação do Cadastro Positivo.

Com relação ao perfil das dívidas, os segmentos de Bancos e Cartões possui 28,1% dos débitos, enquanto contas básicas como água, luz e gás representam 22,9%. Feita a comparação com abril de 2021, o setor de Financeiras foi o que teve maior aumento na participação de inadimplência, indo de 9,6% para 12,4%. “As financeiras costumam oferecer crédito para perfis de risco, como os de consumidores inadimplentes. Por isso, quanto mais instável ficar o cenário econômico, mais a inadimplência desse setor tende a crescer”, explica Rabi.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades
Luiz Rabi
Luiz Rabi