Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

O governo de Minas Gerais divul­gou, no dia 7 de março, na página 3 do diário oficial do estado “Minas Gerais” matéria intitulada “Cidade Administrativa completa quatro anos com economia de R$ 121 milhões em 2013” (grifo nosso), destacando que o desempenho indica o alcance de 100% da meta do racionamento projetado a sede do executivo, que abriga 52 órgãos.

Desde quando foi inaugurada, to­dos os anos seguintes ao completar aniversário o governo mineiro vem divulgando, com ufanismo e como uma grande proeza o fato de aque­la iniciativa vir gerando substanciais economia para os cofres públicos estaduais.

Na reportagem deste ano o texto inicial diz: “A Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves comple­tou, na terça-feira (4), quatro anos de funcionamento com bons motivos para comemorar. Entre eles, a eco­nomia de R$ 121 milhões registrada em 2012, com a manutenção dos serviços da administração estadual.”

Anúncio

Sabe-se que tal empreendimento pú­blico custou ao tesouro estadual, à época de sua construção, cerca de R$ 1,2 bilhão que, somado a outras obras posteriores – como viaduto de acesso etc totalizaria em torno de R$1,5 bilhão – valores não corrigi­dos para os tempos atuais. Há de se acrescentar, ademais, que somente a correção de tal valor pela inflação medida pelo IPCA – de 26,44% nes­se período – levaria o preço da mega obra, nos dias atuais, para cerca de R$ 1,9 bilhão.

Minas Gerais detém a 2ª maior dívida junto à União, sobre a qual incidem anualmente juros de 7,5% mais a correção através do IGP-DI que, no passado, foi de 5,52%.

 

Portanto, se o governo mineiro ti­vesse tido a decisão de empregar o dinheiro aplicado na construção da Cidade Administrativa e o usasse na amortização de sua dívida com a União – somente nessa conta teria economizado no mínimo R$ 195,300 milhões – valor muito superior ao apregoado de R$ 121 milhões e, ain­da, não considerando o reajuste do valor patrimonial que seria corrigido pela inflação do período – o que am­pliaria significativamente ainda essa economia.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *