Fintechzação: Como esse movimento vai revolucionar o mercado e construir grandes players
Fintechzação: Como esse movimento vai revolucionar o mercado e construir grandes players
Fintechzação: Como esse movimento vai revolucionar o mercado e construir grandes players
Mercado Comum Publicação Nacional de Economia, Finanças e Negócios
Mercado Comum Publicação Nacional de Economia, Finanças e Negócios
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Empresas buscam revolucionar o mercado financeiro e apostam na transformação em fintechs

Mesmo após um ano totalmente atípico como o de 2020, foi possível observar um grande fortalecimento no setor de fintechs, que viveu o melhor período no que se refere a investimentos. Segundo o levantamento mensal Inside Fintech Report, realizado pelo Distrito Dataminer, as startups financeiras brasileiras captaram 1,9 bilhão de dólares ao longo do ano, superando os resultados de 2019, que foi de 1,1 bilhão. Diante disso, de acordo com os dados da pesquisa, é possível observar que esse mercado vem sendo considerado a ‘ponta de lança’ do ecossistema de startups no Brasil – já que o país conta, hoje, com 876 jovens negócios que se encaixam nessa categoria.

Diante disso, foi possível observar uma grande revolução nas empresas, muitas delas que nasceram como plataformas de gestão e agora estão vendo uma oportunidade, junto com uma demanda de mercado, para se transformarem em fintech. O inverso também é visto, as fintechs – muitas vezes – enxergam seus serviços se tornarem commodity, então buscam novas oportunidades no mercado. Diversos cases de sucesso, como o lançamento da 99Pay – pela 99 – que consiste em uma carteira digital que permite colocar crédito diretamente ao motorista e fazer recargas de celulares no valor de até R$ 100, abrem uma nova frente de faturamento para as companhias, capazes de aumentar o escopo do negócio.

Anúncio

Outro bom exemplo foi o lançamento do Magalu Pay, que processa suas próprias vendas e praticamente elimina os meios de pagamentos tradicionais. Com essa nova onda do mercado, é possível afirmar que empresas de diferentes setores entenderam que hoje já não é mais necessário encaminhar os clientes para fora de seu próprio domínio, pois explorar meios que facilitam e entregam processos mais rápidos aos clientes é o grande diferencial. Engana-se quem acredita que os benefícios terminam por aí. Fatores como aumento na receita, geração de leads e fidelização dos consumidores também são observados.

Pensando também em atender esse mercado, o VExpenses vem lutando pela democratização financeira no país. Com a promessa de entregar uma experiência inédita e muito simplificada para a gestão de despesas a trabalho, a plataforma passa a ingressar no universo de fintechs com o seu recente lançamento do Cartão VExpeses, que dá o pontapé inicial para essa mudança. “O mercado está totalmente interligado e tenho certeza que com nossa plataforma robusta e completa, a partir de agora, entregaremos – ainda mais – o melhor para cada um de nossos clientes, tanto em gestão quanto em serviços financeiros”, explica Thiago Campaz, CEO do VExpenses, plataforma que automatiza a gestão de despesas dos funcionários com segurança.

Mesmo com o aumento da concorrência, visto que todas as empresas disputam entre si, independente do setor que se encontram, se tornar uma fintech e trabalhar com todas as pontas de seu negócio integradas é uma grande revolução para o setor. “Além disso, tenho certeza que daqui para frente, cada vez mais, empresas se reformularão para atender essa demanda. A pandemia foi uma grande impulsionadora de tudo isso, mas antes dela um movimento significativo já havia começado”, finaliza Campaz,

Sobre o VExpenses

Fundada em 2016 pelos empreendedores Thiago Campaz, Bruno Pain, Leandro Martins e Káliman Borges, o VExpenses, plataforma que automatiza a gestão de despesas dos funcionários com segurança, tem como objetivo tornar o controle dos custos das viagens corporativas mais fácil, menos burocrático e sem falhas. Dessa forma, as empresas conseguem economizar tempo, ter mais organização e segurança com os dados dos usuários e reduzir os valores das despesas, assim como evitar possíveis desvios de conduta dos funcionários.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades
Mercado Comum Publicação Nacional de Economia, Finanças e Negócios
Mercado Comum Publicação Nacional de Economia, Finanças e Negócios