Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Investidores, corretores e gerentes de bancos precisam se convencer

de que o novo cenário de juros baixos veio para ficar, especialmente

para quem aplica o dinheiro. Esse posicionamento é indispensável

para que o mercado financeiro brasileiro possa operar menos destravado.

Anúncio

Investidores continuam buscando juros nominais altos no curto prazo.

Gerentes oferecem ativos de curto prazo com taxas de administração

elevadíssimas incompatíveis com o novo cenário de juros baixos. E as

grandes oscilações da Bolsa paulista e demais bolsas mundiais afastam

os pequenos e médios investidores do mercado acionário. Das

captações totais da indústria de fundos, somente 14% é proveniente

dos fundos de ações e demais fundos que possuem renda variável

em suas carteiras.

O governo precisa também deixar de estimular ostensivamente o oferecimento

de crédito através dos bancos públicos, no momento em

que o endividamento das famílias cresce proporcionalmente aos percentuais

da inadimplência (atrasos superiores a 90 dias na quitação

dos empréstimos). Somente assim é possível estimular a formação de

poupança pelas pessoas físicas.

Os estímulos ao consumo e ao endividamento das famílias não favorecem

mais o crescimento econômico do País que encerrou 2012

abaixo de 1% e começa 2013 em queda. O PIB (Produto Interno Bruto)

deste ano antes previsto para 4% já recuou para 3,2% segundo as

projeções do mercado.

Estímulos à poupança e ao menor consumo podem ajudar ao governo

a combater a inflação que inicia 2013 com projeção de quase

5,5% segundo o primeiro boletim Focus do ano, que foi divulgado

pelo Banco Central dia quatro de janeiro. A continuidade do registro

de IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acima da

meta de 4,5% neste ano associado à expectativa de que o BC mantenha

a taxa Selic (juros básicos da economia) no mesmo percentual

de 7,25% ao ano do final de dezembro passado derruba o juro real

brasileiro para 1,82%.

 

Dólar & ouro

Apesar de ser ainda o quarto maior do mundo, o juro real

brasileiro não estimula mais tanto a entrada do capital especulativo.

E o governo ao “administrar” o câmbio e adotar políticas

“erráticas” em relação aos ingressos do capital externo

não facilita o alcance de superávit no balanço de pagamentos

(todo o movimento com o exterior). O superávit na balança

comercial que terminou 2012 em R$ 19,2 bi, apesar do estímulos

à desvalorização do real frente ao dólar, deve recuar

para US$ 15 bilhões ao final de dezembro, segundo as projeções

do boletim Focus.

O dólar fechou o ano passado com valorização ligeiramente

abaixo de 10% frente ao real, graças a mudanças de rumo na

política de administração do câmbio pelo governo. Temendo

os efeitos da inflação elevada e diante da constatação de que

o câmbio valorizado não estimulou tanto a indústria, a equipe

econômica optou por deixar o dólar abaixo dos R$ 2,10. Para

as pessoas físicas que viajam ao exterior e fazem compras o

estrago foi maior. O dólar turismo ficou próximo dos R$ 2,20

desde o final de novembro/2012 até o início de 2013.

Diante das constantes mudanças de rumo no câmbio, apostar

na valorização do dólar e investir em fundos cambiais

torna-se opção de risco. O máximo que a pessoa deve fazer

é antecipar compras de dólar ou comprar aos poucos para

fazer um preço médio em caso de viagem ao exterior.

O grama do ouro negociado como ativo financeiro acumulou

valorização próxima dos 15% na BM&F/BOVESPA em 2012,

e pelos dois motivos clássicos: alta do metal em Nova York

e valorização do dólar frente ao real. As aplicações de metal

possuem componente de risco. Mesmo que o ouro continue

em alta no exterior, as oscilações do câmbio são difíceis de

serem previstas.

Renda fixa pequena

Diante da possibilidade da manutenção da taxa Selic em

7,25% nos próximos meses ou durante o ano todo, a remuneração

dos CDBs(Certificados de Depósitos Bancários)

e demais ativos de renda fixa está balizada. Esses ativos

devem oferecer rentabilidade anual próxima dos 7,25% dos

CDIs(Certificados de Depósitos Bancários).Esses papéis negociados

entre bancos acompanham de perto a taxa Selic.

Torna-se então difícil ganhar da inflação nessas aplicações, já

que é preciso descontar de sua rentabilidade bruta a pesada

tributação do Imposto de Renda – 22,5% nos seis meses e

20% em 12 meses.

Os detentores de recursos na poupança antiga têm garantidos

os 0,5% ao mês, e aplicadores na poupança segundo

sua rentabilidade vinculada à Selic, um pouco menos.

 

Só com risco

No mercado financeiro, duas premissas se consolidam. Para

se obter rentabilidade real (acima da inflação) maior é preciso

alongar o prazo das aplicações e o grau de risco.

Nos prazos acima de 24 meses, é possível obter taxas maiores

na renda fixa e com taxação menor do Imposto de Renda.

Quem busca formação de um capital para aposentadoria tem

que ficar cada vez mais atento às taxas de administração e

percentuais pagos em cada depósito nos PGBL e VGBL. É

preciso analisar com grande cuidado as políticas dos gestores

desses fundos e comparar o que cada um deles oferece

nos diversos bancos. A busca de um consultor independente

não deve ser descartada antes de escolher o fundo de pensão

aberto nos bancos.

O índice das 69 ações mais negociada na Bolsa paulista, o

Ibovespa, terminou 2012 com alta acumulada de 7,40%, depois

de muitas oscilações durante o ano. A crise europeia,

o baixo crescimento nos EUA, crescimento menor da China

foram alguns dos balizadores externos. Ações de alguns setores

de baixa capitalização (small caps) e negociadas fora do

Ibovespa bateram recordes de alta. O destaque foram ações

do setor educacional. Kroton ON (holding do Pitágoras) acumulou

alta de 151,5%; e Estácio ON, 134,2%. Os financiamentos

das bolsas de estudo pelo governo asseguraram a

rentabilidade elevada desses estabelecimentos de ensino. O

cenário favorável a esse setor continua neste ano.

A ação PNA da Vale acumulou alta de 14,52% em 2012,

apesar das oscilações dos preços do minério de ferro e dos

problemas fiscais da mineradora. Para este ano, a recuperação

do preço do minério favorece a ação da Vale. No mercado

à vista chinês, a tonelada do minério de ferro atingiu

US$149,80 no final do ano passado, correspondente a alta

de 72% desde setembro. Os tropeços da gestão da Petrobras,

anteriores à atual direção, derrubaram a ação da estatal.

Petrobras PN acumulou perda de 6,9% no ano passado.

A principal ação do maior banco privado, o Itaú Unibanco

também foi penalizada no ano passado, pois subiu apenas

1,69%. Já a do Bradesco acumulou valorização de 17,9%.

Neste início de ano, corretoras formam suas carteiras. Ações

dos setores de consumo Ambev, Pão de Açucar, Natura, Lojas

Renner que apresentaram bom desempenho em 2012

continuam listadas entre as preferidas dos analistas. A corretora

Solidus, de Porto Alegre, lista entre suas preferidas

ações de outros setores como Eternit, Eztec, Fertilizantes

Heringer, Marcopolo, Randon, e também da Vale. Antes de

qualquer aplicação em ações é bom comparar as opiniões

dos analistas e recorrer a consultorias especializadas.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *