• Por Leonardo Freitas

    Ao contrário do que se acredita, os EUA nunca precisaram de tantos imigrantes quanto nos dias atuais

Muitas pessoas têm planos de viver e trabalhar nos Estados Unidos, e de desenvolver suas carreiras e negócios no país que oferece as melhores oportunidades profissionais do mundo. Especialmente neste momento de incerteza política e econômica em muitos países, realocar sua família e seus negócios para países com uma economia em constante expansão como a dos EUA pode ser crucial para alcançar uma vida com qualidade e realizar um planejamento de negócios bem-sucedido.

Os EUA vivem um dos momentos mais prósperos de sua história, com um mercado de trabalho superaquecido, registrando uma taxa de desemprego que gira em torno de apenas 3%. Um raro momento onde, em muitos casos, existem mais cargos disponíveis do que pessoas qualificadas para exercê-los.

Um dos principais fatores que explicam esse mercado em constante expansão, e que fizeram dos Estados Unidos a maior economia do mundo é a política de atração e retenção de talentos de todo o planeta. Essa diversidade sempre foi e continua sendo fundamental para o desenvolvimento econômico e social dos Estados Unidos.

Existe uma falsa crença de que, devido a atual administração americana, os Estados Unidos estão menos receptíveis a chegada de imigrantes no país. Essa é uma percepção enganosa.

Para que se tenha uma ideia, os imigrantes são responsáveis pela abertura de aproximadamente 30% de todos os novos negócios nos EUA. Além disso, mais da metade das 500 maiores empresas do país foram fundadas por imigrantes ou descendentes de imigrantes.

Embora as leis de imigração estejam mais rígidas, os EUA estão e sempre continuarão de braços abertos para imigrantes qualificados que podem contribuir com o país, seja para fazer negócios ou para trabalhar em determinados segmentos profissionais que carecem de mão de obra especializada.

No entanto, muitas vezes há informações mínimas sobre como alcançar essa transição legalmente. Muitas pessoas acreditam erroneamente que, mesmo com um bom perfil acadêmico e profissional, não se qualificam para obter um visto de imigrante para os Estados Unidos. Essas pessoas simplesmente desconhecem o fato de que existem 187 tipos de vistos americanos, muitos dos quais permitem a aquisição de um Green Card e, consequentemente, o direito de imigrar para os EUA.

Entre as várias opções de imigração para obter residência permanente legal nos Estados Unidos está o visto EB-2 de Interesse Nacional. Trata-se de um visto que resultam em um Green Card e residência permanente nos Estados Unidos. A cada dia que passa, essa categoria de vistos se torna mais reconhecida e financeiramente acessíveis para pessoas qualificadas que desejam começar uma nova vida nos EUA.

A categoria de Isenção de Interesse Nacional EB-2 destinada a indivíduos qualificados com habilidades únicas em suas áreas de especialização ou treinamento, e cuja presença nos EUA contribuirá para um mercado de trabalho em que muitos profissionais chave estão em falta, apesar do excesso de vagas disponíveis no mercado. Profissionais com pelo menos um grau de bacharelado e mais de cinco anos de comprovada experiência de trabalho têm uma grande chance de se qualificar para este tipo de visto, especialmente aqueles com uma sólida formação profissional e acadêmica nas áreas de Saúde, Ciência, Engenharia, Tecnologia, Direito. Educação e muitos outros.

Outro equívoco comum é acredItar que para solicitar o visto EB-2 de interesse nacional, você já deve estar trabalhando nos Estados Unidos ou ter uma oferta de emprego de uma empresa americana. Na realidade, uma oferta de emprego nos EUA não é necessária para se qualificar para essa categoria de visto.

A boa noticia para o profissional ou empreendedor brasileiro que deseja solicitar o visto EB-2 de interesse nacional é que o Brasil é um centro de referência no que tange a formação de médicos, pesquisadores, administradores, economistas, engenheiros, aeronautas, especialistas de tecnologia e informação, fisioterapeutas, gestores e em muitas outras áreas profissionais e do conhecimento onde profissionais brasileiros se destacam e oferecem valorosas contribuições para os Estados Unidos.

Importante ressaltar que houve uma mudança significativa no perfil do brasileiro que hoje-em-dia decide se mudar em definitivo para os Estados Unidos. Se no passado era comum observar brasileiros com pouca escolaridade e baixa formação profissional tentarem uma vida melhor em território americano, na maioria das vezes para trabalharem em subempregos, hoje em dia temos um cenário que aponta cada vez mais para a imigração de brasileiros qualificados, ou até mesmo super qualificados, que dominam o idioma local e possuem um altíssimo nível profissional e acadêmico.

Portanto, a expatriação para os EUA é possível, financeiramente viável e pode ocorrer em menos tempo do que se imagina. Tudo, evidentemente, dentro das leis federais estabelecidas pelo Departamento de Estado e pelo Departamento de Imigração do país.

Nem sempre o caminho imigratório ou adaptação em um novo país será fácil, mas a recompensa é valiosa: Desenvolver negócios, evoluir como profissional, garantir um futuro melhor para sua família e buscar mais qualidade de vida são objetivos comuns para todos aqueles que desejam imigrar para os Estados Unidos, e acredito que seja também o desejo de muitos dos leitores dessa publicação.

Leonardo Freitas é Acionista e Sócio-gerente da HAYMAN-WOODWARD Law Firm, renomado escritório especializado em Imigração sediado em Washington DC e com escritórios em diversos países. Freitas é um empreendedor com mais de 25 anos de experiência em relações governamentais, comércio internacional e desenvolvimento de negócios, tanto nos EUA como em mercados emergentes, com foco na América Latina e na Ásia. Leonardo Freitas também é especialista em Ciências Comportamentais e músico graduado pelo Berklee College of Music.