“Há uma ampla perspectiva de aumento de investimentos no Brasil por conta do ajuste fiscal e da reforma administrativa”

Nesta última segunda-feira, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), divulgou dados sobre os investimentos estrangeiros no país, indicando um crescimento para US$ 75 bilhões. Segundo especialistas do mercado financeiro a melhora é um reflexo das reformas administrativas e fiscais praticadas pelo Governo no último ano, porém, esse valor pode crescer ainda mais, se seguirem as reformas planejadas para 2020. A busca por novos investimentos é um dos principais objetivos do Ministro da Economia, Paulo Guedes, que incluiu em sua agenda uma série de eventos internacionais, que anteriormente tinha o Presidente Jair Bolsonaro como representante.

Daniela Casabona, Sócia-Diretora da FB Wealth, atribui esse aumento à mudança na visão sobre a economia brasileira pelos investidores globais. “O plano de privatizações, o novo rating do Brasil e a boa relação com o mercado externo, principalmente Estados Unidos favoreceram a entrada de estrangeiros no mercado brasileiro. Espera-se que esses valores cresçam ainda mais com um otimismo da economia para esse ano”, afirma.

Segundo Jefferson Laatus, Estrategista-Chefe do Grupo Laatus, o dado é significativo, mas ainda é bem pouco perto do que a nossa economia precisa. “Esse aumento é importante, pois é um capital de longo prazo, mas ainda precisamos de mais, e por tudo que o Brasil vem fazendo, nos ajustes fiscais, diminuição da máquina, e preocupações com reformas deve sim vir mais, até por que teremos privatizações, concessões, tudo isso deve atrair sim mais investimentos”, ressalta.

Para Fernando Bergallo, Diretor de Câmbio da FB Capital, o aumento em muito se deve aos ajustes fiscais que estão sendo realizados, além disso, Bergallo frisa que as reformas também são peça fundamental para atrair os investimentos.  “Há uma ampla perspectiva de aumento de investimentos no Brasil por conta do ajuste fiscal e mais uma série de coisas como a reforma administrativa”. Bergallo pontua que a participação do Ministro da Economia, Paulo Guedes no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça é exatamente para apresentar o Brasil como um país aberto aos investimentos para melhorias. “O que o Ministro da Economia está vendendo agora em Davos é isso que o país está aberto aos investimentos estrangeiros, querendo melhorar o setor de infraestrutura, que necessita de aportes para crescer”, afirma. Para o Diretor de Câmbio, ainda é incerto o tempo que o fluxo cambial deve levar para ser de fato sentido no Brasil. “O que ainda não se sabe sobre isso é quanto tempo vai levar para impulsionar o fluxo cambial para cá”, completa.

Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura Investimentos, enfatiza que as concessões devem aumentar o capital externo circulando no país. “O investimento direto do estrangeiro vem subindo por causa da melhoria da perspectiva de investimentos para diversos setores. Como houve uma melhora do ambiente de investimento com as reformas, muitos investimentos que estava ‘engavetados’ foram enviados para cá ano passado, o que ajudou. Agora teremos uma série de rodadas de concessão que devem também ajudar a aumentar os investimentos”, finaliza.