Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global
Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global
Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

A variação do PIB nacional continua em nível inferior ao mundial, agora já completando 12 anos seguidos

Carlos Alberto Teixeira de Oliveira*

         “Pretender solucionar a crise brasileira com remédios prescritos para o único fim de estabilidade, como se fôssemos uma terra exausta e um povo cansado, necessitados de equilibrar as poucas forças que ainda nos restassem é semelhante, malgrado as deformações que acarretam todas as analogias, ao intento de se tratarem as crises da puberdade com medicamentos destinados a mitigar a senectude.

         Transportaram-se para o nosso País, mecânica e acriticamente, técnicas e instituições que, ou não correspondiam mais às condições de nossa época – como é o caso das correspondentes ao liberalismo europeu do século XXI, ou não se ajustaram à nossa realidade – como é o caso das que insistem em dar tratamento monetário a fenômenos que são basicamente econômicos.”  – Juscelino Kubitschek

O Relatório Focus, divulgado pelo Banco Central, no dia 19 de dezembro, aponta a expectativa do mercado financeiro de que o PIB – Produto Interno Bruto brasileiro apresentará uma expansão de 3,05% em 2022. Com isso, o desempenho da economia nacional registrará um crescimento médio, durante os quatro anos do mandato de Jair Bolsonaro (2019/2022,) de 1,50% e, no acumulado do período, atingirá 5,92%. De acordo com projeções do estudo World Economic Outlook/Oct 2022, divulgado pelo FMI – Fundo Monetário Internacional, a economia global deverá apresentar, no período de 2019 a 2022, um crescimento médio anual de 2,27% e, no acumulado, de 9,16%.

Em síntese, o Brasil continua apresentando um desempenho econômico que pode ser considerado medíocre comparado à média mundial – principalmente se levadas em consideração as suas enormes potencialidades e a dimensão de seu mercado interno.

Desde o ano de 2010 – quando a economia brasileira cresceu 7,53% e a mundial 5,44%, as taxas anuais de variação anual do PIB do país foram sempre inferiores à média alcançada pela economia global. No acumulado do período, porém, comparadas às economias emergentes ou em desenvolvimento, categoria da qual o Brasil faz parte, a distância que nos separa deles tem sido bastante significativa e chega a representar apenas menos de 20% (Brasil: 11,79% e países emergentes 65,55%). O pior é que a situação já persiste por quase quatro décadas contínuas e praticamente muito pouco tem sido feito para reverter esta verdadeira tragédia nacional, cabendo lembrar que, como já afirmava JK, “economia que não cresce é condenada ao subdesenvolvimento, à fome e à miséria – considerados os maiores inimigos da democracia”

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global a

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

TAXA DE VARIAÇÃO ANUAL DO PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO – MUNDO X BRASIL – 2001/2022 – Em %

Ano                 Mundo             Brasil        Emergentes

2011                4,28                 3,97                 6,36

2012                3,54                 1,92                 5,39

2013                3,43                 3,01                 5,02

2014                3,54                 0,50                 4,73

2015                3,44                  -3,55               4,34

2016                3,27                  -3,28               4,43

2017                3,77                 1,32                 4,78

2018                3,61                 1,78                 4,62

2019                2,81                 1,22                 3,61

2020                 -2,95                   -3,28                        -1,89

Média               2,87                 0,36                 4,14

Acumulada     32,48               3,33                49,67

 

2021                6,02                 4,99                 6,62

2022*               3,19                 3,05                 3,74

Média               4,61                 4,02                 5,18

Acumulada      9,60                 8,19                10,60

 

2011/2022

-Média anual    3,16                 0,97                 4,31

-Tx. Acumul.   44,94              11,79                 65,55

*Projeções

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022 – Banco Central/IBGE

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

MAIORES ECONOMIAS EM 2022 – PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO*

Ordem             País                                         US$ bilhões     % no total

01                    Estados Unidos                        25.035,16        24,65

02                    China                                       18.321,20        18,04

03                    Japão                                      4.300,62        4,24

04                    Alemanha                                4.031,15        3,97

05                    Índia                                         3.468,57        3,42

06                    Reino Unido                             3.198,47        3,15

07                    França                                     2.778,09        2,74

08                    Canadá                                   2.200,35        2,17

09                    Rússia                                     2.133,09        2,10

10                    Itália                                         1.996,93        1,97

11                    Iran                                          1.973,74        1,94

12                    Brasil                                      1.898,31        1,87

13                    Coreia do Sul                           1.734,21        1,71

14                    Austrália                                  1.724,79        1,70

15                    México                                     1.424,53        1,40

16                    Espanha                                  1.389,93        1,37

17                    Indonésia                                 1.289,43        1,27

18                    Arábia Saudita                                    1.010,59        1,00

19                    Holanda                                        990,58        0,98

20                    Turquia                                                     853,49        0,84

Total Mundial                                                  101.560,90       100,00

*Projeções

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022 – Bacen/IBGE          

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

EVOLUÇÃO DA PARTICIPAÇÃO % DOS PAÍSES DESENVOLVIDOS X EMERGENTES NO PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO MUNDIAL -2000/2022

Ano                 Desenvolvidos                     Emergentes

2000                78,99                                       21,01

2005                76,05                                       23,95

2010                65,37                                       34,63

2015                60,60                                       39,40

2020                59,44                                       40,56

2021                57,84                                       42,16

2022*               56,45                                       43,55

*Projeção

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

MUNDO X BRASIL – VARIAÇÃO DO PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO –

2011/2022* – (Em US$ bilhões correntes)

Ano                 Mundo                         Brasil               Participação %

Brasil/Mundo

2011                73.773,48                    2.614,03                      3,54

2012                75.196,67                    2.464,05                      3,10

2013                77.365,52                    2.471,72                      3,20

2014                79.429,15                    2.456,05                      3,09

2015                74.944,46                    1.800,05                      2,40

2016                76.211,25                    1.796,62                      2,36

2017                81.036,15                    2.063,52                      2,55

2018                86.209,63                    1.916,93                      2,22

2019                87.654,34                    1.873,29                      2,14

2020                85.440,67                    1.475,37                      1,73

2021                97.076,28                    1.649,98                      1,70

2022*              101.560,90                  1.898,31                      1,87

*Projeções

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022 e IBGE

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

De 2011 a 2022 a economia brasileira registra o mais longo período de retração e ficou muito mais pobre. As previsões para 2023 são ainda piores

Os países desenvolvidos que, em 2000, respondiam por 79,0% da produção mundial – terão as suas participações reduzidas para 56,45% em 2022. Já os emergentes ou em desenvolvidos, categoria do o Brasil se inclui, saltarão de uma participação de 21,0% em 2000 para 43,55% do total mundial neste ano. A tendência é de se continuar esta ampliação com a possibilidade de, mais alguns anos à frente, também assumirem a liderança na produção econômica mundial.

De acordo com dados do FMI e do Banco Mundial o Brasil, em 2022, detém a 6ª maior população, a 5ª maior superfície terrestre e a 12ª maior economia mundial.

Neste ano, a economia global deverá superar pela primeira vez a marca dos 100 trilhões de dólares norte-americanos e o Brasil encerra o ano de 2022 ocupando o 12º lugar no ranking das maiores economias, com um PIB totalizando o valor de R$ 9.819,12 bilhões – equivalente a US$ 1.898,31 bilhões e a uma participação relativa de 1,87% na economia global. Cabe salientar que, atualmente, essa participação significa, apenas, quase a metade do que representava no ano de 2011, quando alcançou 3,54% do total mundial. Vale ademais acrescentar que, no período de 2011 a 2022, enquanto o PIB-Produto Interno Bruto global – medido em dólares norte-americanos, registrou uma expansão de 37,67% – o brasileiro contabilizou uma retração de 27,51%.

A Renda Per Capita dos brasileiros de 2022 deverá alcançar, em valores correntes, US$ 8.839,72 – praticamente o mesmo valor verificado no ano de 2008, o que reforça de forma dramática o declínio significativo do ritmo da atividade econômica do país no período em referência. Já em valores constantes de 2014, a Renda Per Capita será de R$ 27.430,23 – praticamente no mesmo nível do ano de 2011.

O maior PIB do mundo em 2022 pertence, mais uma vez, aos Estados Unidos, com US$ 25,0 trilhões – representando 24,7% do total mundial. A China possui a segunda maior economia, com US$ 18,32 trilhões – 18,0% do total mundial, seguida pelo Japão, com US$ 4,3 trilhões – 4,2% do total mundial.

Comparativamente ao ano de 2011, quando o PIB brasileiro somou US$ 2,614 trilhões e representava 3,54% do total mundial, a economia brasileira neste ano atingirá US$ 1,898 trilhão (1,87% do total mundial) e estará produzindo menos US$ 716 bilhões.

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

BRASIL – EVOLUÇÃO DO PIB PER CAPITA – Período de 2001/2022 – Em US$ correntes

Ano                 US$                            Ano                 US$

2001               3.180,30                    2012                12.372,91

2002               2.849,27                    2013                12.275,43

2003               3.096,64                    2014                12.103,47

2004               3.658,64                    2015                8.783,77

2005               4.816,32                    2016                8.733,78

2006               5.907,77                    2017                9.935,62

2007               7.369,36                    2018                9.158,83

2008               8.842,48                    2019                8.888,80

2009                8.642,95                    2020                6.956,73

2010                11.276,39                    2021                7.730,40

2011                13.238,98                    2022*               8.839,72

*Projeção

Fonte: IBGE/LCA Consultores

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

BRASIL – EVOLUÇÃO DO PIB PER CAPITA – Período de 2001/2022 – Em R$ constantes de 2014

Ano                 Valor – R$

2011                27.746,20

2012                28.017,32

2013                28.602,19

2014                28.500,24

2015                27.263,52

2016                26.161,72

2017                26.306,18

2018                26.580,09

2019                26.716,54

2020                25.668,28

2021                26.776,73

2022*               27.430,23

*Previsão

Fonte: IBGE/LCA Consultores

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

EVOLUÇÃO DA RENDA PER CAPITA BRASIL X CHINA X ESTADOS UNIDOS

Preços Correntes – Período de 2000/2022 –Em US$

Ano              Brasil                   China         Estados Unidos

2000                3.772,05             951,16        36.316,78

2001                3.177,94        1.044,96        37.101,45

2002                2.856,03        1.141,14        37.945,76

2003                3.089,14        1.282,21        39.405,35

2004                3.660,02        1.499,71        41.641,62

2005                4.819,87        1.751,37        44.034,26

2006                5.921,18        2.095,24        46.216,85

2007                7.390,65        2.691,05        47.943,35

2008                8.878,36        3.446,70        48.470,55

2009                8.649,58        3.813,41        47.102,42

2010                11.333,02        4.499,80        48.586,29

2011                13.295,90        5.553,24        50.008,11

2012                12.424,95        6.282,71        51.736,74

2013                12.358,34        7.039,57        53.245,52

2014                12.175,68        7.645,88        55.083,50

2015                8.846,48        8.034,29        56.729,68

2016                8.757,30        8.063,45        57.839,99

2017                9.978,09        8.760,26        59.885,71

2018                9.194,15        9.848,95        62.769,66

2019                8.914,17        10.170,06        65.051,88

2020                6.956,73        10.525,00        63.078,47

2021                7.730,40        12.561,58        69.227,11

2022*               8.823,65        12.970,33        75.179,58

*Projeções

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Há 27 anos, a economia brasileira era maior do que a chinesa. Atualmente, a economia chinesa é cerca de 10 vezes maior que a brasileira

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

Em 1995, de acordo com o documento intitulado World Economic Outlook, divulgado em 11 de outubro último pelo FMI – Fundo Monetário Internacional, a economia brasileira era 5,5% maior do que a chinesa e representava 2,46% do total mundial. Atualmente, a economia brasileira detém 1,87% do total mundial e a da China é 9,7 vezes maior do que a brasileira e representa 18,04% do PIB-Produto Interno Bruto global.

EVOLUÇÃO DO PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO BRASIL X CHINA E RESPECTIVAS PARTICIPAÇÕES NA ECONOMIA MUNDIAL

Período de 1995 a 2022 – Em US$ bilhões correntes

Ano                 Brasil      Part. Mundial %                         China              Part. Mundial %

1995                770,86             2,46                                731,00          2,34

2000                655,45             1,92                             1.205,36          3,54

2005                891,63             1,87                             2.290,02          4,79

2010               2.208,70                       3,32                             6.033,83          9,08

2015               1.800,05                       2,40                            11.113,51           14,83

2020               1.448,55               1,73                                 14.862,56           17,40

2021               1.649,98               1,70                               17.744,64           17,74

2022*              1.894,85               1,83                                 20.256,41           19,57

*Projeções

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

EVOLUÇÃO DO PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO BRASIL X CHINA

Período de 1995 a 2022 – Em US$ bilhões correntes

Ano                 Brasil               Índice                           China               Índice

1995                770,86             100,00                            731,00          100,00

2000                655,45             85,03                             1.205,36          164,89

2005                891,63             115,67                           2.290,02          313,27

2010               2.208,70            286,53                         6.033,83          825,42

2015               1.800,05             233,51                        11.113,51         1.520,32

2020               1.475,37            191,39                         14.862,56         2.033,18

2021               1.649,98             214,04                       17.744,64       24.274,47

2022*              1.894,85           245,80                        20.256,41       27.710,55

*Projeções

Fonte: World Economic Outlook/FMI – Oct 2022

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

Perspectivas da Economia Mundial em 2023

Segundo o FMI – Fundo Monetário Internacional, a atividade econômica mundial está passando por uma desaceleração ampla e mais acentuada do que o esperado, com uma inflação mais alta do que a observada em várias décadas. A crise do custo de vida, o aperto das condições financeiras na maioria das regiões, a invasão da Ucrânia pela Rússia e a persistente pandemia de COVID-19 pesam muito sobre as perspectivas.

Prevê-se que o crescimento mundial desacelere de 6% em 2021 para 3,2% em 2022 e 2,7% em 2023. Tirando a crise financeira mundial e a fase aguda da pandemia da COVID-19, este é o perfil de crescimento mais fraco desde 2001. Prevê-se que a inflação mundial aumente de 4,7% em 2021 para 8,8% em 2022, mas diminua para 6,5% em 2023 e para 4,1% em 2024. A política monetária deve manter o rumo para restaurar a estabilidade dos preços, e a política fiscal deve visar aliviar as pressões sobre o custo de vida, mantendo uma postura suficientemente restritiva e alinhada com a política monetária. As reformas estruturais podem apoiar ainda mais a luta contra a inflação, melhorando a produtividade e aliviando as restrições do lado da oferta, enquanto a cooperação multilateral é necessária para acelerar a transição para a energia verde e evitar a fragmentação.

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

Central de 19 de dezembro, o PIB-Produto Interno Bruto brasileiro devera ter um crescimento de apenas 0,79% em 2023 – basicamente quase o mesmo percentual do aumento da sua população e muito inferior à média de expansão da economia global, estimada em 2,7% – configurando-se no 13º ano seguido em que o país segue no ritmo de rabo de cavalo, que cresce sempre para trás e para baixo.

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

Analisando o desempenho do PIB brasileiro por governo

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

Desde 1985 o melhor desempenho da economia brasileira ocorreu durante o governo Itamar Franco.

No consolidado de seus respectivos governos, apenas José Sarney e Itamar Franco conseguiram obter expansão real da economia brasileira, isto é, foram períodos em que o PIB brasileiro conseguiu superar a média mundial.

Itamar Franco lidera o ranking, registrando em seus dois anos de governo um crescimento médio anual de 2,36% superior à média mundial. O pior desempenho fica por conta de Fernando Collor, em cujo mandato registrou-se uma queda real média anual de 4,01% durante os seus três anos – quando comparada à média da economia mundial.

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

DESEMPENHO DA ECONOMIA BRASILEIRA X MUNDIAL – POR PERÍODO PRESIDENCIAL

Taxa real de crescimento do PIB – Produto Interno Bruto – 1985/2022

(Em pontos percentuais – Média da variação anual):

Governo                      Período                        Variação Média Real do Período em Pontos Percentuais

Fernando Collor           1999/1992                               -4,01

Dilma Rousseff              2011/2015                               -3,15

Michel Temer               2017/2018                               -2,13

Fernando Henrique     1995/2002                               -0,99

Jair Bolsonaro             2019/2022                               -0,77

Lula                             2003/2010                               -0,17

José Sarney                1995/1989                               +0,57

Itamar Franco              1993/1994                               +2,36

 

DESEMPENHO DA ECONOMIA BRASILEIRA X MUNDIAL – POR PERÍODO PRESIDENCIAL

Taxa real de crescimento do PIB – Produto Interno Bruto – 1985/2022

(Em pontos percentuais – Média da variação anual):

Período/Governo                     Brasil               Mundo             Diferença P.P.

José Sarney-1995/1989          4,50                3,93                 +0,57

Fernando Collor-1999/1992    -1,20                2,81                 -4,01

Itamar Franco-1993/1994        5,00                2,64                 +2,36

Fernando Henrique                 2,46                3,45                 -0,99

Lula-2003/2010                       4,08                4,25                 -0,17

Dilma Rousseff-2011/2016     0,43                3,58                 -3,15

Michel Temer-2017/2018         1,55                3,69                 -2,13

Jair Bolsonaro                         1,50                2,27                 -0,77

Fonte: World Economic Outlook – Oct 11,2022 – FMI/IBGE

Elaboração: MinasPart Desenvolvimento

Economia brasileira no governo Bolsonaro cresceu menos do que a média global

Há muito venho afirmando que o Brasil está acometido de uma doença que intitulo de “síndrome do raquitismo econômico” – devido ao declínio dos níveis da produtividade nacional e pela estagnação da atividade econômica, principalmente quando o PIB-Produto Interno Bruto nacional é comparado às médias positivas alcançadas pela economia global e dos países emergentes – categoria da qual fazemos parte.  A constatação é que desaprendemos a crescer, e a nossa máquina propulsora do crescimento econômico vigoroso e contínuo enferrujou-se ou está quebrada. País cuja economia não cresce está condenado ao ananismo, ao atraso e ao empobrecimento. Isso potencializa tensões e perspectivas sociais explosivas – podendo colocar em risco as instituições e a ainda incipiente democracia brasileira.

É indispensável ao País recuperar a sua capacidade de planejamento estratégico de longo prazo, que entendo, deve ter, como fundamento básico, a sua transformação em Nação Desenvolvida, Justa e Próspera. É preciso sintonizá-lo com as rápidas e importantes transformações por que passa a economia internacional, a sua estrutura produtiva e as novas dimensões trazidas por novos e potenciais mercados, como seria o caso bem ilustrativo da China e Índia, além de outros.

O Brasil não pode prescindir do crescimento econômico: o estoque de problemas sociais acumulados, eleva-se exponencialmente, apesar da desaceleração da taxa de crescimento da população. Entendo que só a expansão da economia preencherá as condições necessária para o enfretamento e atenuação dos mesmos.

O Brasil precisa se reconciliar com o crescimento econômico vigoroso, consistente, contínuo, sustentável e eleger o desenvolvimento como a nossa meta prioritária número 1!

*Administrador, Economista e Bacharel em Ciências Contábeis, com vários cursos de pós graduação no Brasil e exterior. Ex-Executive Vice-Presidente e CEO do Safra National Bank of New York, em Nova Iorque, Estados Unidos. Ex-Presidente do BDMG-Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais e do Banco de Crédito Real de Minas Gerais; Foi Secretário de Planejamento e Coordenação Geral do Governo de Minas Gerais e Diretor-Geral (Reitor) da Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte; Ex-Presidente do IBEF Nacional – Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças e da ABDE-Associação Brasileira de Desenvolvimento; Coordenador Geral do Fórum JK de Desenvolvimento Econômico; Presidente da ASSEMG-Associação dos Economistas de Minas Gerais.  Presidente da MinasPart Desenvolvimento Empresarial e Econômico, Ltda. Vice-Presidente da ACMinas – Associação Comercial e Empresarial de Minas. Presidente/Editor Geral de MercadoComum. Autor de vários livros, como a coletânea intitulada Juscelino Kubitschek: Profeta do Desenvolvimento.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/
DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas