Dos 20 anos do setembro
Dos 20 anos do setembro
Dos 20 anos do setembro – Stefan Bogdan Barenboim Salej*
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Para o Brasileiro, que Deus proteje, um ataque aéreo é coisa de filme. Ficçāo pura. Para europeus e asiáticos, que infelizmente experimentaram guerras, não é. E nem para os americanos dos Estados Unidos, que foram agredidos pelos japoneses em Pearl Harbor e no 11 de setembro 2001 em Nova Iorque e Washington, também não é ficção. Uma brutal realidade que nas duas ocasiões mudou o mundo. Na primeira, foi a entrada dos Estados Unidos numa guerra da qual tentavam se esquivar, e, no segundo caso, uma guerra com um inimigo previsível mas que apareceu com uma força aliada à invisibilidade: o terrorismo islâmico.

Os vinte anos que se seguiram, e que a nossa geração viveu, mudaram muito o mundo. Os Estados Unidos usaram a estratégia de que a melhor defesa é o ataque e, com alto custo humano e financeiro, conseguiram alguns resultados. A guerra no Iraque e Afeganistão e conflito no Oriente Médio, cuja face mais visível hoje é a Síria e a Líbia, podem ser totalmente inúteis do ponto de vista de quem não foi atacado, mas a lógica de quem sofreu um ataque como foi a destruição das torres gêmeas de Nova Iorque é totalmente diferente.

Essa concentração de esforço de defesa dos Estados Unidos em todas as suas políticas, não só a externa, se fez sentir num rearranjo do mundo. De um lado, houve uma tremenda mudança tecnológica nestes 20 anos e o surgimento de uma China e uma União Europeia bem mais fortes do que no início deste século. As mudanças tecnológicas e o crescimento da China são interligadas. O crescimento da China nesse ambiente de guerra também permitiu que osEstados Unidos se fortalecessem.

Anúncio

Agora, inclusive em função da epidemia de COVID 19, temos um mundo cujo desenho é bem diferente do que estávamos vendo no tempo após a Segunda Guerra Mundial. Em primeiro lugar, o terrorismo islâmico em formas e modos diferentes, continua sendo um inimigo da paz e da tranquilidade. Mesmo com a morte do líder dos atentados nos Estados Unidos, esse mal do nosso século não desapareceu, como foi o caso do nazismo (apesar do ressurgimento de extrema direita em várias partes do mundo) após 1945, mas aparece com violência e brutalidade em vários lugares do mundo. Será sem dúvida alguma a preocupação de segurança das mais promitentes da nossa época.

O Brasil se saiu menos ferido nessa guerra. Com total desprezo pela situação que passaram os Estados Unidos, o Brasil não se envolveu em nenhum conflito militar. E muito menos deu um basta à expansão de células terroristas na fronteira tríplice com a Argentina e o Paraguai. E mais, não consegue acabar com as alianças dos terroristas islâmicos com o narcotráfico. Essa nossa fragilidade, que também advém da falta de recursos financeiros exigidos para esse tipo de combate, pode custar muito, mas muito mesmo, para o futuro do país. Só uma pergunta simples: estamos preparados para evitar um ataque do tipo que aconteceu na França há dois anos na boate Bataclan, ou em Nice, ou na Espanha, ou Alemanha?

Aconteceu também um outro cenário, aparentemente econômico, mas de repercussões geo-políticas importantes. Nós trocamos a parceira econômica com Estados Unidos por uma parceira com a China. A China não só se tornou nosso principal parceiro no comércio exterior e nos nossos investimentos, mas falando de forma branda, salvou a pátria. Os saldos positivos obtidos nas trocas comerciais salvaram de todo o desdém de gestão pública dos governos Lula, Dilma, Temer e atual. Sem a China estaríamos falidos e a mercê das missões do FMI e credores externos.

Para podermos avaliar os próximos 20 anos, temos que entender bem os passados 20 anos. A presença do terrorismo no mundo, mesmo que por graça divina não aconteça aqui, deve ser a nossa preocupação. Essa ameaça, também tem consequências para uma economia estruturalmente frágil, como a nossa. Então não basta estar feliz porque aparentemente nada aconteceu. Aconteceu e não percebemos. E a felicidade dos poucos com os preços do minério e da soja, além do milho nas alturas, não substitui o perigo que nos ronda e que insistimos em ignorar.

*Empresário, ex-Presidente da FIEMG – Federação das Indústrias de Minas Gerais.

(Os artigos e comentários não representam, necessariamente, a opinião desta publicação; a responsabilidade é do autor do texto)

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades