Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

A Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa (ADCE-MG) realizou no dia 24/05, mais uma edição do seu tradicional Almoço-palestra. O convidado foi o Secretário de Desenvolvimento Econômico do Governo de Minas Gerais, Vitor de Mendonça, que falou sobre os desafios para o crescimento econômico e as ações para aumentar a capacidade produtiva do Estado.
Mineiro de Belo Horizonte e associado à ADCE-MG, o engenheiro Vitor de Mendonça assumiu a secretaria de desenvolvimento no início do ano, compondo a equipe do novo governador Romeu Zema e tem como missão promover, de forma articulada, a ciência, a tecnologia, a inovação e o ensino superior, visando ao desenvolvimento sustentável e à melhoria da qualidade de vida em Minas Gerais.

A palestra apresentada pelo secretário abordou o atual cenário econômico do Estado e o planejamento para Minas Gerais voltar a crescer, os resultados econômico-financeiros do Estado e os principais programas de desenvolvimento.

A missão apresentada é promover um ambiente atrativo, fortalecendo as cadeias produtivas e possibilitando a diversificação da economia. “Os programas estratégicos de governo passam também pela desestatização, integração de políticas de desenvolvimento e ações voltadas para a ciência, tecnologia e inovação”, disse o secretário.

Também, de acordo com o secretário, é meta prioritária desenvolver todas as regiões mineiras, atuando na busca por investimentos por meio das vocações regionais.

Dentre as diversas ações previstas, o governo buscará o incentivo ao consumo de gás natural, a geração de energia solar no norte e centro-oeste mineiro. Vitor vê como uma oportunidade para reduzir o preço do gás a medida anunciada pelo ministro Paulo Guedes, de quebrar o monopólio de produção, transporte e distribuição do gás exercido pela Petrobras. Ele também vê a possibilidade de ampliar os gasodutos da Gasmig para as regiões do Triângulo Mineiro, Norte e Nordeste do estado, que hoje não são atendidas.

Mesmo em cenário de crise, com uma dívida em torno de R$ 90 bilhões (R$ 70 bi com o Governo Federal e R$ 20 bilhões com os bancos) cuja solução passa pela adesão ao Programa de Recuperação Fiscal, ainda a ser submetido à Assembleia Legislativa, o Estado tem sido alvo de investimentos. De acordo com Vitor, até o final de maio o Estado receberá R$ 4,5 bilhões de investimentos, sem contar com os R$ 8,5 bilhões recentemente anunciados pela Fiat. Vitor vê os investidores animados com o governo Zema e com a forma que estão tratando essas questões, dando celeridade e simplificando processos.

“Temos um esperança enorme neste novo governo que se instalou em Minas, a partir das propostas anunciadas ainda no período eleitoral. Como empresários, acreditamos que os novos gestores públicos poderão partilhar e transpor muito da experiência empresarial na aplicação da responsabilidade social e na vivência das boas práticas administrativas para o setor público”, afirmou Sérgio Frade, presidente da ADCE-MG que recebeu o secretário, associados e convidados.

“Seguimos convictos que o Estado eficiente deve restringir-se às atividades que exclusivamente lhe competem e munir-se de instrumentos corretos para a regulação do mercado e assim abrir espaços e criar condições favoráveis à iniciativa privada, para que ela crie oportunidades para toda a população, promovendo o trabalho digno, de boa qualidade, com geração de riqueza econômica e social”,enfatizou Frade.

Realizado mensalmente, o evento é uma iniciativa da ADCE-MG, em parceria com o Sistema Fiemg, por meio do Serviço Social da Indústria.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades