Segundo a Abinee, apesar de arrefecimento, índice ainda aponta otimismo para 2019

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) do Setor Eletroeletrônico atingiu 53,4 pontos em maio de 2019, de acordo com dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), agregados pela Abinee. O resultado representa uma queda de 3,9 pontos em relação ao mês de abril. Essa foi a quarta retração consecutiva no indicador, que havia atingido 65,1 pontos em janeiro.

Ressalta-se, porém, que, mesmo com o esfriamento nos ânimos dos empresários observado nos últimos quatro meses, o indicador segue acima da linha dos 50 pontos pelo décimo mês consecutivo, mostrando que permanece a confiança do empresário, mas em patamar inferior ao observado no início do ano. O ICEI varia de 0 a 100 pontos, sendo que valores acima de 50 pontos indicam confiança do empresário industrial e abaixo de 50 pontos mostram falta de confiança.

Na área elétrica, a redução foi mais significativa, atingindo 5 pontos, passando de 55,1 para 50,1 pontos. No caso da eletrônica, o ICEI diminuiu 2,6 pontos, recuando de 59,6 para 57,0 pontos.

Para o presidente executivo da Abinee, Humberto Barbato, o resultado do indicador representa um alerta às autoridades. “A situação do mercado é muito difícil, faltam encomendas e os negócios estão rareando”, afirmou.

“Precisamos de maior rapidez na adoção de medidas que possam reverter este quadro de paralisia, pois, do contrário, o próximo índice já será negativo.” Entre as iniciativas que ele considera importantes estão as reformas, as parcerias público-privadas (PPPs) na área de infraestrutura e outras medidas de estímulo à economia. Barbato considera também que o momento atual, marcado pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, pode ser propício para ampliar oportunidades de exportação para o mercado norte-americano a partir do Brasil.

Sobre a Abinee
Fundada em setembro de 1963, a Abinee é uma sociedade civil sem fins lucrativos que representa a indústria elétrica e eletrônica, congregando cerca de 500 empresas nacionais. Fazem parte do quadro de associadas fabricantes das áreas de Automação Industrial; Componentes Elétricos e Eletrônicos; Dispositivos Móveis de Comunicação; Equipamentos Industriais; Equipamentos para Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica; Informática; Material Elétrico de Instalação e Telecomunicações. Com sede em São Paulo, a entidade tem sua atuação garantida em nível nacional através de diretorias e escritórios em Minas Gerais, Nordeste, Paraná, Rio Grande do Sul e Brasília