Cidades de Minas foram as campeãs do desmatamento na Mata Atlântica entre 2020 e 2021
Cidades de Minas foram as campeãs do desmatamento na Mata Atlântica entre 2020 e 2021
Cidades de Minas foram as campeãs do desmatamento na Mata Atlântica entre 2020 e 2021
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Baianópolis, na Bahia, desmatou 1.686 hectares, o correspondente a quatro campos de futebol por dia, mas Minas Gerais é o estado com mais municípios na lista

Cenário crítico levou a Fundação SOS Mata Atlântica a preparar documento com propostas urgentes para o meio ambiente, que têm sido apresentadas a candidaturas à presidência da República, ao Congresso Nacional, aos governos estaduais e às Assembleias Legislativas

Entre 2020 e 2021 houve desmatamento em 602 dos 3.429 municípios que compõem o bioma Mata Atlântica, 17% do total. Dez cidades, no entanto, concentraram 27% das derrubadas no período – todas elas situadas em quatro estados: Minas Gerais, Bahia, Paraná e Mato Grosso do Sul. As informações são do Atlas dos Municípios da Mata Atlântica, estudo realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Foram desmatados no período 21.642 hectares (ha), um crescimento de 66% em relação ao registrado entre 2019 e 2020 (13.053 ha).

Baianópolis, na Bahia, desmatou 1.685 hectares e aparece no topo da lista. Antes, entre 2019 e 2020, o município havia registrado 30 hectares desflorestados, o que representa um aumento de mais de 5.500% na área devastada entre as duas medições. As demais cidades entre as dez primeiras do ranking são São João do Paraíso (MG, 700 ha desmatados), Nova Laranjeiras (PR, 679 ha), Setubinha (MG, 506 ha), Cotegipe (BA, 445 ha), Wanderley (BA, 431 ha), Rio Vermelho (MG, 396 ha), Bodoquena (MS, 376 ha), Capitão Enéas (MG, 347 ha) e Jequitinhonha (MG, 324).

O volume chama atenção. Se no período anterior dez municípios somavam 2.483 hectares desmatados, agora esse número chega a 5.895 – mais que o dobro. Para Luís Fernando Guedes Pinto, diretor-executivo da SOS Mata Atlântica, o aumento do desmatamento em um ano preocupa tanto do ponto de vista local quanto nacional e até mesmo global.

“É muito grave que tenhamos um único município destruindo, todos os dias, uma área de Mata Atlântica equivalente a quatro campos de futebol. Trata-se de uma situação crítica para todos os habitantes de Baianópolis, pois afeta diretamente a qualidade do ar, a regulação do clima e a água que elas vão beber. E as consequências não são apenas locais. Além de mais de 70% da população e 80% da economia brasileira se concentrarem na região, a Mata Atlântica é um dos biomas que precisam ser restaurados com mais urgência para atingirmos a meta de redução de 1,5°C de aquecimento global estabelecida no Acordo de Paris. Mas não apenas estamos replantando muito pouco como voltamos a destruir cada vez mais”, alerta.

Os 50 municípios que mais desmataram se concentram em seis estados, com 11.275 hectares derrubados (52% do total). Mais da metade, 29, estão localizados em Minas Gerais. Os demais estão na Bahia (7), no Paraná (7), no Mato Grosso do Sul (3), no Piauí (3) e em Pernambuco (1). Bonito (MS), que encabeçou a lista de 2019/2020, reduziu a área derrubada de 416 para 193 hectares, porém a situação ainda é alarmante – principalmente para uma cidade cuja economia é voltada para o ecoturismo.

Luís Fernando reforça que as informações levantadas pelo Atlas são oferecidas às autoridades públicas para que verifiquem a legalidade dos desmatamentos detectados e tomem as devidas medidas de fiscalização e punição. Ele reforça, no entanto, que quase a totalidade dessa devastação é ilegal: o bioma é protegido pela Lei da Mata Atlântica, que proíbe o desmatamento a não ser em raras situações – como a realização de obras, projetos ou atividades de utilidade pública. “O respeito à Lei da Mata Atlântica e ao Código Florestal são os primeiros passos para começarmos a reverter essa situação. E mesmo os desmatamentos com licença ambiental são imorais num bioma já tão degradado”, completa.

Diretora de políticas públicas da SOS Mata Atlântica, Malu Ribeiro ressalta que a Mata Atlântica é um dos biomas nos quais a contribuição dos futuros governantes pode ser mais efetiva para o avanço na agenda climática e de desenvolvimento mundial. Com isso em vista, a organização preparou o documento Retomar o Desenvolvimento, carta com propostas urgentes para o meio ambiente, que tem sido apresentada a candidaturas à presidência da República, ao Congresso Nacional, aos governos estaduais e às Assembleias Legislativas. “Os compromissos apresentados no documento podem ser plenamente atendidos até 2030 e precisam constar dos programas de governo dos futuros mandatários”, completa Malu.

O Atlas dos Municípios da Mata Atlântica traz informações de todos os remanescentes de vegetação nativa e áreas naturais do bioma acima de três hectares. Para as cidades do estados do Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo é possível obter dados acima de um hectare. Todas as informações estão disponíveis no site www.aquitemmata.org.br que, de forma prática e lúdica, apresenta mapas interativos e gráficos com as informações atualizadas sobre o desmatamento e o estado de conservação de florestas, mangues e restingas nos 3.429 municípios da Mata Atlântica.

Restauração da Mata Atlântica

A Fundação SOS Mata Atlântica promove iniciativas que estão entre as que mais contribuem para a restauração do bioma no país, contabilizando cerca de 42 milhões de mudas de árvores nativas plantadas e cerca de 23 mil hectares restaurados em nove estados – uma área equivalente ao território de Recife (PE). E a Fundação acaba de integrar o grupo de atores pela Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas (2021-2030). O movimento é um apelo para a proteção e revitalização dos ecossistemas em todo o mundo, em benefício das pessoas e da natureza, visando deter a degradação dos ecossistemas e restaurá-los para atingir objetivos globais. O objetivo é construir um movimento global forte e amplo para acelerar a restauração e colocar o mundo no caminho de um futuro sustentável.

O trabalho de restauração florestal desenvolvido pela SOS Mata Atlântica combina o monitoramento da cobertura de florestas e vegetação natural, produção e plantio de mudas de espécies nativas, estudos e apoio à pesquisa e incidência em políticas públicas. É um trabalho de médio prazo, que só se encerra quando as mudas se transformam em uma floresta jovem com potencial para fornecimento de serviços ecossistêmicos, como a água e regulação climática, e com o retorno da biodiversidade local.

A Fundação SOS Mata Atlântica é uma ONG ambiental brasileira que tem como missão inspirar a sociedade na defesa da Mata Atlântica. Atua na promoção de políticas públicas para a conservação do bioma mais ameaçado do Brasil por meio do monitoramento da floresta, produção de estudos, projetos demonstrativos, diálogo com setores públicos e privados, aprimoramento da legislação ambiental, comunicação e engajamento da sociedade.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) foi criado em 1961 com o objetivo de capacitar o país nas pesquisas científicas e nas tecnologias espaciais. Ao longo dos anos, suas atividades se ampliaram e a importância dos estudos vão desde assuntos complexos sobre a origem do Universo a aplicações de ciências como nas questões de desflorestamento das nossas matas.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades