CBMM obteve lucro recorde em 2021, equivalente a 2,13 vezes o seu patrimônio líquido

CBMM obteve lucro recorde em 2021, equivalente a 2,13 vezes o seu patrimônio líquido

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

XXVI RANKING MERCADOCOMUM DE EMPRESAS DE MINAS GERAIS – 2022

CBMM obteve lucro recorde em 2021, equivalente a 2,13 vezes o seu patrimônio líquido

O aumento de 10% no preço do nióbio refletiu no extraodinário lucro da empresa no ano passado

A CBMM – Cia. Brasileira de Metalurgia e Mineração publicou o seu balanço e demonstração de resultados do exercício de 2021 no dia 04 de março último. Em um ano considerado de retomada de produção na siderurgia e de aumento da demanda do setor aeroespacial, a empresa relatou crescimento de 64% na receita líquida operacional em 2021 ante o ano anterior, somando R$ 11,4 bilhões. Com esse excepcional desempenho positivo, o lucro líquido da empresa, que tem sede em Araxá, no Alto Paranaíba, atingiu R$ 4,5 bilhões, equivalente a uma expansão de 78% na mesma base de comparação. O lucro líquido apurado é equivalente a 2,13 vezes o valor do patrimônio líquido da empresa registrado no final de 2020.

Os resultados do ano passado são considerados recordes e foram distribuídos aos acionistas. Dos resultados do ano passado, 25% do lucro líquido da companhia, no valor de R$ 1,5 bilhão, foram repassados para a Codemig, com a qual a CBMM tem uma parceria estabelecida. Esse valor é auditado trimestralmente por auditoria independente contratada pela CODEMIG. Em 2020, o valor repassado foi de R$773,8 milhões

As exportações representaram quase a totalidade das vendas da CBMM e representaram 95,2% do total. O Imposto de Renda pago em decorrência do lucro apurado totalizou R$ 3,218 bilhões.

O desempenho de 2021 pode ser considerado o melhor já alcançado do ponto de vista financeiro da empresa, que desde 1960 atua com a extração de nióbio e a produção de insumos advindos desse tipo de minério, como ressaltou o CEO da empresa, Eduardo Ribeiro. O executivo acrescentou que o ano de 2021 não superou apenas os números do mercado, já que o pico do nióbio ocorreu em 2019, ano anterior à pandemia da Covid-19.

A excelente performance da empresa também está devidamente demonstrada por meio do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização da empresa – conhecida por (Lajida) ou Ebitda, que somou R$ 7,6 bilhões no ano passado, valor 47% superior ao registrado em 2020.

A empresa não publica nem conta com auditores externos para a elaboração de pareceres sobre o seu balanço e demonstração de resultados, bem como não divulga o demonstrativo do Valor Adicionado e outras questões mais amplas comuns às empresas de porte similar, cabendo destacar que não está obrigada legalmente a fazê-los.

Fatores

A CBMM atribui os resultados positivos do ano passado, além da questão da retomada e forte crescimento da economia mundial a fatores como o aumento do preço do nióbio, em cerca de 10% em 2021 e os esforços pela descarbonização que pautam a agenda de empresas. O fator surpresa, segundo Eduardo Ribeiro, foi a demanda mais aquecida do que o esperado do mercado de aeronaves, já que o mesmo se manteve com a frota fortemente parada no primeiro ano de pandemia e teve uma recuperação além daquela projetada pela CBMM em seu planejamento.

“O preço do nióbio é determinado pela oferta e demanda. E, no ano passado, foi observado esse aumento. Mas todo esse movimento para diminuir a pegada de carbono e que envolve a geração de energia elétrica limpa ou verde passa pelo armazenamento. Para se utilizar bem a energia elétrica, é preciso armazenar quando não há consumo. O nióbio e os produtos dele têm papel fundamental para o desenvolvimento de baterias cada vez melhores”, afirmou Ribeiro.

Vale ressaltar, porém, que 90% do nióbio e produtos comercializados pela CBMM são destinados à indústria siderúrgica, sendo que os 10% restantes são incorporados às indústrias aeroespaciais, de mobilidade, elétrica e de tecnologia para equipamentos hospitalares.

Produção física e futuro

A CBMM vendeu 85 mil toneladas de nióbio no ano passado. O incremento foi de 17% quando comparado ao exercício anterior. Segundo dados da empresa, a China continua sendo o principal mercado e responsável pela absorção de 40% do volume de vendas e do material produzido. Japão, Coreia do Sul e Índia representaram uma fatia de 22% do mercado, acompanhados pelos países europeus (19%). No somatório, as Américas, principalmente EUA e Brasil, totalizaram 14% do mercado da empresa. Por fim, o Oriente Médio e a África representaram os 5% restantes.

A CBMM almeja, para 2030, que a empresa obtenha o dobro dos resultados de 2021. Para este ano, as expectativas também podem ser consideradas otimistas. “O nosso crescimento em 2022 deve ser de 20% a 30% e o projetamos principalmente na siderurgia, em aço para a construção civil. Produtos na área médica e também espaciais devem ter crescimento. E o que a gente vê é que vamos crescer em todos os segmentos nos próximos anos, mas o que vai crescer mais é em relação às bateria elétricas”, apontou Eduardo Ribeiro.

Pesquisa e tecnologia

Em busca de suprir as necessidades do mercado de baterias, o CEO da CBMM afirmou que, hoje, a empresa está concentrando esforços no desenvolvimento de óxidos e na mistura de nióbio, componentes fundamentais para as baterias elétricas. Neste momento, a empresa segue em fases de testes para avançar na cadeia de suprimentos do mercado de baterias, movimento que, segundo Ribeiro, é uma forma de também agregar mais valor a Minas Gerais. Ele descartou, no entanto, a produção direta de baterias pela empresa.

Para que o mercado possa tornar as baterias cada vez mais seguras, produtivas e rápidas, a empresa investe em startups para a aceleração do desenvolvimento de tecnologias para o equipamento. Em 2021, o volume de vendas de produtos de nióbio destinado ao atendimento ao mercado de baterias foi de 50 toneladas. Já para 2022, a expectativa é que o número seja 10 vezes maior, alcançando 500 toneladas.

A empresa

A Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) é uma empresa privada brasileira de mineração, metalurgia e tecnologia líder mundial em seu campo de atuação, com sede em Araxá, no estado de Minas Gerais, que tem como foco o desenvolvimento de tecnologias e produtos do nióbio. Fundada em 1955, é controlada desde 1965 pela família Moreira Salles, ex-proprietária do antigo conglomerado Unibanco, e principais acionistas individuais do atual Itau-Unibanco. Desde 2011 a companhia tem também participação acionária de investidores chineses (15%) e de um consórcio de empresas japonesas e sul-coreanas (15%).

A família Moreira Salles é acionista majoritária e controladora da CBMM desde 1965. O controle da companhia se dá 30% através do Grupo Moreira Salles e 40% através do family office Brasil Warrant Gestão de Investimentos (BWGI), que pertence integralmente aos quatro irmãos FernandoPedroJoão e Walter, totalizando 70% do controle da CBMM em posse da família.

Em 2011 um consórcio de empresas, privadas e governamentais, do Japão e da Coreia do Sul adquiriram 15% de participação da CBMM. Sendo constituída uma empresa para fins especiais (SPC) sul-coreana com 5%, formada pela POSCO e National Pension Service (NPS). E duas empresas para fins especiais (SPC) japonesas com 10%, formadas pela JFE Steel Corporation (JFE), Nippon Steel Corporation (NSC)Sojitz Corporation (Sojitz) e Japan Oil, Gas and Metals National Corporation (JOGMEC).

Ainda em 2011, um grupo de empresas chinesas formadas pela Citic Group, Anshan Iron & Steel Group Corporation, Baosteel Group Corporation, Shougang Corporation e Taiyuan Iron & Steel Group adquiriram também 15% de participação da CBMM.

A Codemig, empresa estatal mineira que detém um direito mineral de pirocloro em Araxá, recebe 25% do lucro líquido de toda a operação de comercialização do nióbio já industrializado, incluindo 25% do lucro líquido das subsidiárias na Suíça, nos Estados Unidos, nos Países Baixos e em Singapura.

Os produtos de nióbio da CBMM são vendidos para mais de 50 países. A companhia tem a sede administrativa e corporativa de vendas, finanças, tecnologia, comunicação e marketing em São Paulosubsidiárias e escritórios de vendas na região de Pittsburgh (principal centro da siderurgia norte-americana), Amsterdã, Shanghai, Pequim e Singapura, além de centros logísticos e distribuidores na Suécia, Espanha, Itália, Canadá, Índia e Japão. A CBMM também tem uma subsidiária de tecnologia em Genebra, a CBMM Technology Suisse.

A Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) participa da exploração do nióbio, por meio da parceria com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM). A Codemig e a CBMM são sócias na Companhia Mineradora do Pirocloro de Araxá (Comipa) para lavrar o minério das minas do Barreiro, no município mineiro de Araxá, formada pelos direitos minerários das duas acionistas.

Ambas as empresas (Codemig e CBMM) também são sócias em uma Sociedade em Conta de Participação (SCP), em que a CBMM é a sócia ostensiva. A Codemig é remunerada na SCP em 25% do resultado gerado na operação da cadeia de valor do nióbio. No âmbito da parceria, a Codemig e a CBMM arrendam suas minas à Comipa, responsável pela extração mineral e por gerenciar as minas. A Comipa vende o minério à CBMM, que industrializa e comercializa o nióbio, repassando à Codemig 25% do lucro líquido obtido.

A parceria da CODEMIG com a CBMM foi iniciada em 1972, confirmada em 2002 – sendo válida até 2032. A Codemge é acionista majoritária da Codemig, usufruindo da participação desta na SCP — a Codemge tem 51% de participação na Codemig, e o Estado de Minas Gerais tem 49%.  Esta parceria, vigente até os dias de hoje, conferiu à CBMM a missão de dar o melhor aproveitamento possível ao minério (pirocloro) oriundo das minas de Araxá, de titularidade da CBMM e da CODEMIG.

O contrato de parceria prevê que a CBMM tenha exclusiva responsabilidade por beneficiar, industrializar e comercializar os produtos de Nióbio, extraído pela COMIPA, em quantidades iguais de minério (pirocloro) lavrados de cada uma das minas da CBMM e da CODEMIG.

O nióbio

Usado principalmente em ligas metálicas e em aços especiais, o nióbio confere aos compostos importantes propriedades, permitindo seu emprego na fabricação de turbinas de aeronaves, automóveis, de tubulações de gás sob alta pressão, placas para plataformas marítimas, pontes, viadutos e edifícios.

Outras aplicações incluem a fabricação de vidros e de cerâmicas especiais, usadas em receptores de televisão e outros equipamentos; a produção de catalisadores químicos; usos em aparelhos de medicina diagnóstica, e até mesmo em aceleradores de partículas de alta energia. Novas ligas e compostos que utilizam o nióbio seguem sendo desenvolvidas, o que deve ampliar o leque de aplicações do elemento e aumentar a demanda por sua extração.

O nióbio produzido em Araxá responde, aproximadamente, por 75% de toda a produção mundial – são cerca de 70 mil toneladas/ano de ferronióbio, principal liga do metal. Mantidos os ritmos atuais de produção, as reservas minerais serão suficientes por mais de cem anos.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades