Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) desembolsou no dia 18 de dezembro último um empréstimo de US$ 750 milhões, o equivalente a R$ 4 bilhões, para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Com um aporte de US$ 150 milhões em contrapartida por parte do banco brasileiro, serão oferecidos o equivalente a quase R$ 5 bilhões a micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) brasileiras.

Os recursos viabilizarão financiamento a mais de 20 mil empreendedores que poderão acessar os recursos por meio das linhas disponíveis no BNDES, até via plataformas digitais. Este é o caso do Canal MPME, que conecta as solicitações e os agentes credenciados ao BNDES. O crédito também apoiará o Banco no fomento a soluções inovadoras de fintechs (empresas que oferecem serviços financeiros de baixo custo, normalmente por meios digitais como internet e maquininhas) para facilitar o crédito a micro, pequenas e médias empresas.

A operação ganha especial relevância diante dos impactos trazidos pela Covid-19 e a necessidade de proteger os empreendedores nacionais. As MPMEs representam de 41% a 53% das vagas de emprego no país, dependendo do critério escolhido.

Anúncio

BNDES e BID têm uma longa parceria no apoio às MPMEs no Brasil, destaca Gustavo Montezano, presidente do BNDES. A operação com o BID também reforça as iniciativas de digitalização em curso no BNDES, como o PEAC Maquininhas e um fundo de crédito para fintechs, que oferece apoio mais ágil para as empresas, principalmente as menores. “Esse apoio vai ajudar a levar a pequenas e médias empresas ganhos de produtividade, sustentabilidade e solidez financeira, apoiando esses que são os nossos heróis nacionais”, disse Montezano.

“Diante deste cenário, é preciso combinar forças para preservar o emprego, a renda e a capacidade produtiva, em especial num contexto em que abrir uma empresa custa tempo e dinheiro que não podemos nos permitir desperdiçar. Nesse sentido, contar com a solidez e a presença nacional do BNDES é fundamental”, diz Morgan Doyle, representante do BID no Brasil.

A operação integra um montante de US$ 1,88 bilhão (quase R$ 10 bilhões) que o BID destinou, somente em 2020, para recuperação econômica de micro, pequenas e médias empresas no Brasil, diante da crise causada pela Covid-19.

Fundado em 1952 e atualmente vinculado ao Ministério da Economia, o BNDES é o principal instrumento do Governo Federal para promover investimentos de longo prazo na economia brasileira. Suas ações têm foco no impacto socioambiental e econômico no Brasil. O Banco oferece condições especiais para micro, pequenas e médias empresas, além de linhas de investimentos sociais, direcionadas para educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e transporte urbano. Em situações de crise, o Banco atua de forma anticíclica e auxilia na formulação das soluções para a retomada do crescimento da economia.

O BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Criado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e o Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisas de vanguarda e oferece assessoria sobre políticas, assistência técnica e capacitação a clientes públicos e privados em toda a região.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades