Atual situação econômica do mundo pode se tornar a maior recessão global em 22 anos
Atual situação econômica do mundo pode se tornar a maior recessão global em 22 anos
Atual situação econômica do mundo pode se tornar a maior recessão global em 22 anos
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Estefano Debernardi*

Na virada do milênio, muitos previram os dias finais do mundo. Mesmo que o planeta não tenha sido atingido por um asteroide, os investidores americanos realmente enfrentaram o “Fim do Mundo” em um certo sentido em março de 2000. Uma enorme quantidade de especulação e otimismo excessivo levaram os investidores a perdas totalizando cerca de US$ 5 trilhões.

Todos nos lembramos de um dos maiores colapsos econômicos de duas décadas atrás, quando o mercado de ações dos EUA caiu devido a uma bolha de avaliação de ativos de startups de Internet inviáveis. Não apenas as startups não lucrativas faliram naquela época, mas esse estouro da bolha atingiu até empresas bem-sucedidas que haviam estabelecido processos de negócios e eram boas em gerar lucros.

Atualmente, com a dívida corporativa pairando sobre a economia global em um nível recorde, totalizando mais de US$300 trilhões, muitos especialistas estão encontrando algumas semelhanças com a situação atual.

A Internet dos anos 90: Tecnologia Beta

De acordo com a Investopedia, em 1999, cerca de 39% do capital de risco dos EUA estava concentrado em empresas de Internet com capitalização significativamente inflacionada. Essas empresas surgiram quase todos os dias.

Com a bolha inflando cada vez mais, em algum momento ela explodiria e alguns eventos cruciais prenunciaram isso, como a notícia de que o Japão estava entrando em recessão. O que levou ao pânico na venda de ações de tecnologia, que eram particularmente vulneráveis, não importa como o clima econômico global piorasse. Além do Fed aumentar a taxa básica dos empréstimos, o que reduziu o capital de investimento. Em meio a esses eventos, muitos investidores começaram a perceber que a maioria das startups pontocom não havia aprendido a ter lucro.

Apenas 14 anos depois o mercado conseguiu se recuperar do colapso. Ou seja, quem comprou ações em março de 2000 só alcançou lucro líquido zero em 2014.

Estamos em outra bolha?

Em junho de 2022, a dívida total do governo dos EUA atingiu US$ 30,56 trilhões, enquanto as participações intragovernamentais eram de pouco mais de US$ 6 trilhões.

Bancos centrais em todo o mundo começaram a imprimir trilhões de dólares, na esperança de impulsionar a economia por meio da compra de títulos, colocando enormes somas nas mãos de grandes investidores. Esses investidores deveriam gastar o dinheiro e estimular a economia de consumo, o que, por sua vez, ajudaria a criar empregos. No entanto, não funcionou porque os investidores que receberam esse dinheiro não quiseram gastá-lo e preferiram reinvesti-lo. Enquanto os salários na economia real estavam estagnados, as ações atingiram máximas de todos os tempos antes da pandemia de coronavírus.

Para isso, os movimentos atuais do mercado dependem das expectativas dos investidores dos bancos centrais (como o Fed) de fazer injeções significativas de caixa. Há tanto dinheiro no mercado de títulos que os investidores estão dispostos a ter menos lucro. Como resultado, muitos rendimentos de títulos do governo caíram para zero ou até mesmo mais baixos. Existem muitos casos de taxas de juro negativas na UE, o que significa que o mutuante dá dinheiro e paga juros ao mutuário. Os investidores são empurrados para taxas de juros negativas, obtendo menos retornos e ainda mantendo muito dinheiro. Portanto, temos um esquema em que o capital circula dos bancos para os grandes investidores e volta pelas pessoas comuns.

Na América Latina, por exemplo, as projeções para a inflação não são as mais positivas, o que deve aumentar o atual hiato entre ricos e pobres. De acordo com a última projeção da CEPAL para a região, espera-se que o crescimento econômico seja inferior aos níveis alcançados em 2021.

Pelo terceiro ano consecutivo, a economia mundial está passando por um verdadeiro teste de estresse. Em janeiro de 2020, o Covid-19 paralisou muitos setores da economia e obrigou bilhões de pessoas a se ajustarem às novas condições de vida. Devido à pandemia, a atividade econômica em muitos estados caiu há mais de dois anos, o que afetou a atividade de investimento, a dinâmica do emprego e o bem-estar da população.

E assim a inflação se tornou uma das principais ameaças para muitos países ao redor do mundo. Mesmo antes do conflito em grande escala na Ucrânia, a inflação era uma bola de neve no contexto de um desequilíbrio entre oferta e demanda e o aumento do custo das matérias-primas.

Isso significa que temos que nos acostumar com a inflação e todos os problemas que ela causa, porque ela continuará aumentando. Nos EUA, a inflação atingiu seu nível mais alto desde 1982.

Para isso, Alejando Werner, ex-diretor para o Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI) e atual diretor fundador do Instituto das Américas de Georgetown, disse recentemente que a América Latina enfrenta sérios desafios. Por um lado, a economia mundial se recuperou mais rapidamente da recessão da covid-19 do que se previa, o que trouxe outro problema: a inflação. Esse fenômeno está ocorrendo em países da região como Colômbia, Chile, México e Brasil. Estamos vendo agora taxas de 8 e 11 por cento que haviam sido no passado. E para controlar esta situação temos assistido a um aumento significativo das taxas internacionais, o que por sua vez irá gerar dificuldades para o financiamento da dívida pública e privada.

Além da crise alimentar e energética, podemos enfrentar uma redistribuição completa dos mercados no nível geopolítico. Uma mudança dessa magnitude leva a uma maior volatilidade e perdas de eficiência no longo prazo. Ele quebra radicalmente as cadeias de suprimentos e as regras da economia global que existem nos últimos 77 anos.

Uma oportunidade na crise

Enfrentamos uma situação semelhante à de 22 anos atrás, no entanto, a crise de hoje é muito mais grave do que a ocorrida em 2000. No curto prazo, o mercado de criptomoedas seguirá o movimento das ações. Ainda assim, à medida que a indústria evolui e novos usos aparecem, ela tem a chance de se tornar um player independente. Em qualquer crise, o capital busca um “porto seguro” seja ele metais preciosos, alimentos ou até mesmo criptomoedas.

A CoinsPaid, empresa responsável pelo processamento de aproximadamente 8% das transações on-chain de Bitcoin no mundo

Esse movimento foi observado pelo volume de transações de criptomoedas nos últimos anos. A CoinsPaid, empresa responsável pelo processamento de aproximadamente 8% das transações on-chain de Bitcoin no mundo, registrou um aumento no volume de transações desses ativos no primeiro semestre deste ano próximo a 10 milhões, volume 34,5% superior ao segundo semestre de 2021.

Muitos encontram nas criptomoedas uma medida de proteção contra a inflação durante a pandemia, época em que as bolsas de valores despencaram enquanto o Bitcoin, por exemplo, atingiu seu recorde histórico, levando cada vez mais pessoas a procurar por ativos.

Mesmo durante o “inverno cripto”, com a queda repentina no valor das criptomoedas, a Coinspaid se surpreende ao se dissociar da desvalorização das criptomoedas e do fraco desempenho do mercado de ações. Isso significa que o interesse por criptomoedas continua crescendo e está se tornando parte do dia a dia de mais pessoas e mudando sua relação com o dinheiro e se tornando um novo porto seguro.

Apesar da volatilidade que os principais ativos criptográficos apresentam em cenários de crise e com queda nos mercados financeiros, a valorização das criptomoedas mostra-se maior do que as ações ou em relação ao desempenho de moedas fiduciárias como o euro, moeda que sofreu uma forte desvalorização em relação a outras moedas.

*Gerente de Desenvolvimento de Negócios para Latam da CoinsPaid

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Mercado Comum: Jornal on-line BH - Cultura - Economia - Política e Variedades

Rua Padre Odorico, 128 – Sobreloja São Pedro
Belo Horizonte, Minas Gerais 30330-040
Brasil
Telefone: (0xx31) 3281-6474
Fax: (0xx31) 3223-1559
Email: revistamc@uol.com.br
URL: https://www.mercadocomum.com/
DomingoAberto 24 horas
SegundaAberto 24 horas
TerçaAberto 24 horas
QuartaAberto 24 horas
QuintaAberto 24 horas
SextaAberto 24 horas
SábadoAberto 24 horas