Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

 Por: Raimundo Couto

Já faz sete anos que o Sandero está entre nós. E pode ser apenas uma coincidência, mas sua primeira geração, lançada em 2007, usou o mesmo cenário, em Florianópolis, para promover sua estreia. Na época de sua apresentação foi bastante divulgado que este foi o primeiro projeto da Renault feito fora dos domínios franceses, por esta razão o carro chegou ao mercado cercado de responsabilidade. E de uma forma geral ele não decepcionou. Cumpre bem seu papel e mantém vendas mensais em uma média favorável, contribuindo para nos fim das contas, ajudar a montadora do losango a ganhar pontos em participação de mercado. O modelo representa 40% das vendas totais da Renault no Brasil. Do alto de quase meio milhão de unidades vendidas ele reaparece totalmente renovado, afinal, mudar é preciso. E era chegado o momento. Assim como aconteceu com seu irmão de três volumes, Logan, o Sandero também passou por uma ampla cirurgia plástica que lhe rendeu um visual mais encorpado e contemporâneo. Com o Logan, a Renault ousou na campanha publicitária, reconhecendo, publicamente, que sua antiga aparência não era um de seus maiores atributos. Não é este, definitivamente, o caso do Sandero. Desde que começou a ser vendido o modelo não sofreu estigma de “feiura”. Se não era um modelo de beleza, também não comprometia em sua estética.
Um novo carro
Em sua segunda geração, mostrada à imprensa especializada, o Novo Sandero manteve os predicados de seu projeto inicial, como a oferta de amplo espaço interno e o diferenciado porta-malas com capacidade de 320 litros, fotos divulgação volume expressivo para um compacto. Mas foi além e recebeu profundas modificações, tanto na dianteira, como na parte traseira e também em seu interior, que ficou mais sofisticado com melhores matérias no acabamento. São quatro as versões: Authentique 1.0, Expression 1.0 (80 cv) e 1.6 e Dynamique 1.6 (106 cv). A básica vem de série com direção hidráulica, abertura interna do porta-malas e do tanque de combustível, desembaçador traseiro e os airbags frontais e freios ABS obrigatórios. A Expression acrescenta vidros dianteiros elétricos, computador de bordo, alarme, CD player com entrada USB e Bluetooth, além dos retrovisores e maçanetas pintados na cor do carro. Já a Dynamique adiciona rodas de liga, faróis de neblina, retrovisores com seta, volante revestido de couro, banco traseiro bipartido e comando elétrico para os vidros traseiros e retrovisores, além do piloto automático (herdado do Fluence). A central multimídia será oferecida num pacote opcional que incluirá o ar-condicionado automático e sensores de ré. Outra novidade é o novo motor 1.0 16V Hi-Power, que estreou no Clio e é oferecido também no Novo Logan. Com quatro válvulas por cilindro e potência máxima de 80 cv (abastecido com etanol), o fabricante garante que é mais econômico, principalmente respaldada pela nota A que recebeu no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, que classifica os automóveis produzidos no país de acordo com o consumo.
Impacto visual 
No primeiro olhar já se percebe o quanto o carro mudou externamente. Um dos destaques da nova identidade é o grande logo da Renault na parte central da grade frontal, com os frisos cromados que se estendem até os faróis. Da mesma forma que foi feito com seu irmão sedã. Na versão Dynamique, a grade inferior tem desenho tipo colmeia e molduras cromadas nos faróis de neblina. Nas laterais a silhueta é marcada pela linha superior contínua que parte do capô, passa pelo para-brisa e segue até a traseira do carro, mantendo harmonia no visual. A parte traseira recebeu lanternas mais largas que não sobem mais rumo às colunas. As rodas de liga trazem desenho inédito, mas mantêm a medida de 15 polegadas com pneus 185/65 no modelo topo de linha. Mas nem só de mudanças externas vive a segunda geração do compacto francês, um novo desenho interno e o emprego de materiais com melhor textura e acabamentos aperfeiçoados, ajudam na maior percepção de qualidade no Sandero versão 2015. Totalmente novo, o painel ficou mais moderno e mais agradável ao tato. O volante de três raios traz a logomarca da Renault cromada no centro. Na versão Dynamique, ele vem com os comandos do piloto automático (limitador e controlador de velocidade). O quadro de instrumentos tem iluminação branca com três mostradores redondos: o conta-giros e o velocímetro, analógicos, e um mostrador digital, com indicador do nível de combustível e computador de bordo multifuncional. Ele permite ao motorista verificar o consumo médio e instantâneo de combustível, a autonomia, volume de combustível consumido, a velocidade média e a quilometragem total e parcial na viagem. O indicador de trocas de marchas auxilia o motorista a dirigir de forma mais econômica.
Espaço e conteúdo
Um novo sub-chassi na suspensão dianteira amplia o conforto em pisos irregulares. Além disso, houve recalibração da direção hidráulica e os freios foram retrabalhados. Esta mesma plataforma é compartilhada com o Logan e segundo a Renault 80% dos componentes da nova versão do Sandero foram, de fato, renovadas. O sistema de multiplexagem foi instalado nesta geração e responde por melhores respostas nas aplicações cada vez com maior demanda dos equipamentos elétricos. O interior do Novo Sandero pode oferecer de 8 a 11 porta-objetos, conforme a versão. As laterais das portas dianteiras e traseiras dispõem de porta-mapas e porta-garrafas – na frente, é possível levar recipientes de até 1,5 litros. O grande porta-luvas tem capacidade de 5,7 litros. Latas de refrigerante e copos têm espaços específicos no console central, à frente da alavanca do câmbio, e atrás do freio de mão. Cada vez é maior a concorrência nesta categoria que ainda responde por quase a metade das vendas de veículos no país, por isto é importante agregar ao produto o máximo possível de conteúdo. E foi o que a Renault fez ao dotar o Sandero com ar-condicionado automático, inédito no segmento. O ajuste do ar-condicionado é feito por um computador, utilizando sensores que regulam a temperatura do fluxo através do circuito de climatização da cabine. Dentro deste raciocínio quanto mais oferta de equipamento em tecnologia, melhor.
Herdado do Logan também está disponível no novo Renault o Media NAV 1.2. Com tela touchscreen de sete polegadas integrada ao painel, o Media Nav 1.2 dispõe das funções Eco-Coaching, que orienta o condutor para dirigir de modo mais econômico e Eco-Scoring, que avalia a condução do motorista ao final do percurso além de GPS, Bluetooth, rádio e visualização da temperatura externa e “pop-up” com informações do ar-condicionado automático. O Novo Sandero está disponível está disponível na rede de concessionários da marca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *