Assis – uma história de fé na Itália
Assis – uma história de fé na Itália
Assis – uma história de fé na Itália
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Paulo Queiroga

 

São Francisco de Assis, seguramente, é um dos líderes religiosos mais icônicos da igreja católica. Filho de comerciante rico, ele desfez de todos seus pertences como protesto à opulência dos padres da Igreja católica e se dedicou à pobreza. S. Francisco se compara aos grandes espiritualistas da história. Sua fé, até hoje, inspira normas morais e comportamentais em todo o mundo.

 

Hoje visitamos a pequena Assis, na província de Perúgia, região da Umbria, berço de São Francisco e também de Santa Clara, fundadora da Ordem das Claríssas.

 

Assis fica a cerca de 200 km de Roma. Ainda na estrada, a vista da colina salientando a torre, a Basílica de S. Francisco e o mosteiro entrecortados por ruelas, arcadas, tudo isso ao longe já nos prepara para uma incrível experiência medieval de fé.

 

A cidade é pequena. Um tour de um dia é o suficiente para conhecê-la e se encantar nos detalhes, no entanto, no fim do dia, quando a maior parte dos turistas vão embora, é que se amplia a magia de estar na cidade de Assis. Portanto, se puder se hospedar, vale a pena. O ideal é ter um guia, que tornará seu roteiro mais proveitoso.

 

Anda-se a pé em Assis. Subidas e descidas são uma constante nessa cidade cravada na colina, mas tem escadas rolantes que levam o viajante ao centro da cidade. Carros e ônibus ficam estacionados próximos a estação de trem e as ruas principais são livres de carros, exceto para moradores credenciados.

 

O primeiro lugar a se visitar é a Igreja de Santa Maria degli Angeli e logo se purificar espiritualmente ali. Considerada a sétima maior igreja cristã do mundo, a construção demorou 110 anos para ser concluída (1569-1679) e fica em cima da capela da Porciúncula, como que, para proteger o local onde S. Francisco recebeu a inspiração divina, as chagas de Cristo e ali faleceu em 3 de outubro de 1226.

 

A capela Porciúncula é o lugar mais sagrado da Ordem dos Franciscanos. Era uma capelinha construída no século IV por eremitas que vinham da Palestina, depois, assumida pelos monges beneditinos em 576.

 

Depois de ter um sonho no qual S. Francisco ouviu o chamado de Deus para reconstruir sua igreja, a capela Porciúncula foi a terceira igreja restaurada por Francisco, que levou a sério sua missão divina.

 

A tradição cristã sustenta o mítico “perdão de Assis”, que consiste no recado de Jesus e Maria a Francisco, que aquele que reza ali recebe o perdão de todos os pecados.

Na parte alta da cidade vamos em direção à Basílica de Santa Clara.

 

Uma curiosidade: Basílica é um tipo de construção católica, como igreja, catedral etc que goza de certos privilégios no direito canônico, como, por exemplo, altar reservado a bispos e ao Papa.

 

Externamente, uma arquitetura simples e robusta. No seu interior, de um lado, a capela de São Jorge (San Giorgio) abriga da cruz de São Damião, com afrescos de artistas famosos da escola de Giotto e, de outro, o altar de Santa Agnes, com o Santíssimo Sacramento. Sobre o altar o painel em estilo bizantino revela a influência mulçumana.

 

Fervorosa discípula de São Francisco, Santa Clara também se absteve de sua riqueza e da condição de nobre para se dedicar aos pobres.

 

São registrados vários milagres de Santa Clara, entre eles, durante uma invasão mulçumana, em que não havia alimentos, a cozinheira do convento de Santa Clara anuncia que havia apena um pão para alimentar toda a comunidade. Após Santa Clara pedir à cozinheira que partisse o pão em 50 pedaços, surpreendentemente surgiram mais e mais pães na cozinha para alimentá-los.

 

O corpo de Santa Clara está perfeitamente intacto numa redoma de vidro no interior da igreja.

 

A Basílica de São Francisco é um dos locais sagrados mais visitados da Europa. Patrimônio da Humanidade desde 2000, ela abriga os restos mortais de seu patrono e é considerada igreja mãe da Ordem Franciscana.

 

Os afrescos do famoso pintor Giotto e a riqueza de detalhes, de certa forma, contradizem com a pobreza pregada pela filosofia franciscana, mas não deixa de ser um grande monumento religioso, de extrema beleza.

 

Em Assis, ainda se pode visitar o Templo de Minerva, a Igreja de São Rufino e tantas atrações de vinhos e gastronomia, nesta cidade de fé e de poder da Igreja Católica.

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades