Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Por: José Aparecido Ribeiro
Consultor em Assuntos Urbanos
Presidente do Conselho de Política Urbana da ACMinas
 
Bastou o padrão Copa acabar para que a sensação de insegurança voltasse a rondar os lares de Belo Horizonte. Sensação ou realidade? As notícias de sequestros relâmpago, assaltos, roubos e furtos estão estampadas no noticiário para provar que não é só sensação, é fato inconteste. A bandidagem, que já era atrevida e estava sumida durante o Mundial, voltou com força total e perdeu de vez o medo da polícia, sabe que fora a burocracia dos flagrantes e os riscos das abordagens, em poucos dias estarão livres novamente para cometer crimes. Com um contingente próximo de 14 mil homens nas ruas durante a Copa, poucas vezes na história de Belo Horizonte, viu-se tantos policiais e a sensação de tranquilidade objetiva. A “festa” durou só um mês. O que deveria fazer parte do cotidiano da cidade e ser a prática das forças de segurança foi apenas uma mostra de que muita coisa está errada na segurança pública. Desculpas à parte e índices pouco confiáveis, o fato é que se quisesse, o governo poderia oferecer proteção de qualidade, livrando a população da violência a qual ela está exposta. Sempre ouvi dizer que bandido é bandido e polícia é polícia e onde o segundo está, o primeiro não aparece. A ausência da PM nas ruas é flagrante e explícita, basta analisar os números e usar a lógica, para os que não se contentam com o bom senso. O contingente da tropa vem diminuindo ano após ano, sem que a população se dê conta e relacione ao efeito causal. A título de comparativo, lembro-me de quando fui presidente do CONSEP da 4ª CIA do 1º Batalhão em 2002 e participava da elaboração das estratégias de segurança, tendo acesso às estatísticas. Naquela época o efetivo da 6ª Cia, responsável pela segurança do Hipercentro era de 535 homens. Hoje, a 6ª Cia. possui apenas 187 policiais. Ou seja, não precisa ser especialista para concluir que a insegurança não é por acaso. Com efeito, se você ainda não foi molestado por algum bandido, não cochile, é apenas uma questão de sorte e tempo, para sê-lo. Reze, ore ou torça para seu anjo da guarda não vacilar, pois a bandidagem está cada vez mais perto, livre, leve e solta.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *