A advogada Anna Krolikowska: esboços esperançosos em 2021
A advogada Anna Krolikowska: esboços esperançosos em 2021
A advogada Anna Krolikowska: esboços esperançosos em 2021 – Jayme Vita Roso
Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades

Dá-me prazer, gratificação e alegria quando o Illinois Bar Journal, ou a revista da Associação (Illinois Bar Journal, vol. 109, n. 7 de julho de 2021, p. 19-23), n a escolha dos artigos e sua síntese, o extrato (prático) defere ao advogado (sem melífluas coberturas), pela sua saúde, vida privada, pela ética, pela igualdade social, pelo enfrentamento das legalidades, pelas novas plataformas em que a profissão se renova, pelas escaladas dos degraus para subir no órgão que represente a classe que prima pela decência em não ter mandato além de um ano.

Todo este introito é coerente com o título, porque, como tenho o prazer de exibir. “não se escolhe quem quiser bem… É o coração que o indica”, rege o ditado popular italiano.

Como nos Estados Unidos, advogados podem, com minúsculas exceções, apenas, advogar no Estado após prestarem exame, não abdico de afirmar que os Departamentos de Ética dos “bar” fiscalizam a prática extra-territorial e não deixo de enfatizar a responsabilidade do seu filiado: para valer mesmo (para Charles Northrup, em Lawyers without Borders (p. 52-3): como aponta um guia ético da jurisdição local, com ênfase no subtítulo: “onde quer que se pratique a lei, a jurisdição local a controla”. Do artigo, destaco a esclarecedora conclusão: “como com qualquer guia ético, questões permanecerão. Os fatos nunca são estáticos. Mas as autoridades vão até as últimas consequências para confirmar a propriedade daquilo que muitos advogados vêm praticando, ainda que em menor escala, por muitos anos: abraçar o potencial das novas tecnologias, servir melhor os clientes e assegurar que a qualidade e competência dos serviços de natureza jurídica não sejam deixados de lado nas fronteiras físicas de sua jurisdição legal”).

Anúncio

Antes de fazer o panegírico da advogada Anna Krolikowska, tento retratar o mundo jurídico dos advogados pátrios, com informações colhidas no site da OAB Federal (acessado em 9 de setembro de 2021. Disponível em: < https://www.oab.org.br/ >).

Publicizo:

Temos inscritos 614.094 do sexo feminino e 611.047 do masculino e, somados ao número que há de estagiários e suplementares, atingimos o total de 1.298.290.

A eleição é mediante cédula única e votação direta dos advogados regularmente inscritos, há a chapa para o Conselho Regional que deve ser composta dos candidatos ao Conselho e à sua diretoria e, ainda, “à delegação (sic) ao Conselho Federal” e à Diretoria da Caixa de Assistência dos Advogados para a eleição conjunta.

O Presidente do Conselho Federal não é indicado nas chapas, sendo eleito por votação indireta, pelos Conselheiros Federais, que elegem a diretoria do Conselho Federal da OAB.

O mandato em qualquer órgão da OAB é de 3 anos.

Presidentes mulheres apenas duas: advogada Grace Anny Benayon Zamperlini, em 2015, do Amazonas e a advogada Fernanda Marinela, de Alagoas.

Por que eu faço o panegírico da Presidente Anna Krolikowska?

Embarco no escrito de Ed Finkel e, com orgulho, reproduzo alguns trechos de sua penosa vida, como filha de imigrante e assim por diante que, como eu, passou pela Loyola University e adquiriu o espírito e a vontade de liderança em Roma, além de, nas férias de verão, em locais de prática de advocacia, como sucedeu sendo auxiliar na elaboração da Loyola Consumer Law Review:

A nova Presidente da ISBA, Anna Krolikowska, começou sua jornada à idade de 13 anos, quando sua família veio para os EUA da Polônia e ela entrou na Chicago Public School. “Estávamos estudando para um teste da Constituição. Eu me fiei na ideia de uma norma de lei e como a Constituição funciona nos EUA,’ ela diz. “Este interesse permaneceu comigo. Não havia ninguém em minha família que fosse advogada. Não conhecíamos nenhum advogado”.

“Ela era parte essencial na liderança da Assembleia, quando veio com a resolução sobre a questão racial e discriminação de gênero e um conjunto de enunciados públicos para o que era esperado, no Bar, de seus membros. Esta foi uma demonstração importante e forte indicativo de suas prioridades” (a Resolução está disponível em: law.isba.org/3ixiJ3s).

Nós vamos oferecer programas acerca da pouca representação feminina enquanto candidatas concorrentes à cadeira dentro da ISBA”, ela afirma. “O programa Count me In retornará”. Ao mesmo tempo, a ISBA vai promover um work-life-balance para as famílias e para seus membros. Segundo Anna Krolikowska: “nós precisamos ajudar nossos advogados para que eles não se sintam abandonados e que sua escolha da carreira e vida sigam bem” e complementa: “nosso objetivo é o de incluir famílias, esposas, e outros mais em nossos programas”.

Sua vida: para Anna Krolikowska, o ponto culminante do trabalho de sua vida começa com seu marido, Eric Hanis, geólogo e consultor ambiental que dirige sua própria empresa, e com sua filha Lily. “Ela definitivamente me dá coragem para trabalhar e melhorar o mundo, não apenas para todos nós, mas por ela também”, diz a mãe Krolikowska, completando: “Hanis será um grande pai. Os membros da ISBA o conhecem ele e sabem que ele é ótimo em me apoiar”.

E que vida de mulher atuante, em uma área tão pedregosa e em uma época tão difícil com o novo governo vacilante: Krolikowska dá exemplo ao preferir colaborar para a superação dos atuais e breves momentos de crises nacionais e universais.

A Presidente Anna Krolikowska, para o leitor nacional, de modo particular os profissionais e os que vivem no meio do universo do direito, resulte sincero apelo às advogadas, com todas as características que as distinguem, como espelho a se envolverem nas lides das agremiações que as acolhem e descortinar as razões de sua escolha e os motivos que entendem ser pertinentes na difícil profissão.

Eis o meu desejo, depois de inscrito na OAB/SP desde 1954 e com inscrição legalizável no Amazonas, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e Paraná e para as mulheres advogadas permanecerem forçando a ascensão nos cargos das Seccionais do Conselho Federal, até sua Presidência, com a consciência de que ubi mel, ihi fel (onde há mel, há fel).

*Advogado e escritor – (vitaroso@vitaroso.com.br)

(Os artigos e comentários não representam, necessariamente, a opinião desta publicação; a responsabilidade é do autor do texto)

Mercado Comum Jornal on line BH Cultura Economia Política e Variedades