RSVP

Pesquisa do Sebrae mostra perfil de MEI que encerraram as atividades ou estão inativos

01 Julho 2017

Cerca de 28% dos entrevistados disseram estar nessas situações, mas a maior parte pretende retomar a atividade

Um em cada quatro brasileiros que encerraram as atividades como Microempreendedor Individual (MEI) alegaram a falta de retorno financeiro como o principal motivo para a decisão. Já em Minas, a maioria dos formalizados (25%) deixaram de ser MEI pode por ter conseguido um novo emprego. Isso é o que mostra uma pesquisa divulgada pelo Sebrae sobre o Perfil do MEI, feita com mais de 10 mil formalizados em todo o país nos primeiros meses de 2017.

De acordo com o estudo, dos 22% dos empreendedores que disseram ter encerrado o negócio, 47% afirmaram que pretendem retomar a atividade. Porém, a falta de dinheiro foi o principal motivo alegado pela maior parte dos entrevistados no país (42%) para ter voltado a trabalhar com carteira assinada.

Já os MEI inativos, ou seja, aqueles que se formalizaram, mas não exerceram a atividade, representam 6% dos entrevistados em todo o país. Segundo o levantamento, 69% dos inativos ainda pretendem ter seu próprio negócio. Em relação a esse perfil de empreendedor, o estudo mostrou que 51% são homens, 31% têm entre 30 e 39 anos e 32% possuem o Ensino Médio Completo.

Vale lembrar que até abril deste ano, foram registrados mais de 7 milhões formalizações de Norte a Sul do Brasil. Os estados com maior número de formalizados continuam sendo São Paulo (1,8 milhões de MEI), Rio de Janeiro (857 mil) e Minas Gerais (774 mil).  Já as atividades com maior número de MEI são: cabelereiro, comércio varejista de vestuário e acessórios, obras de alvenaria, serviços de estética e fornecimento de alimentos para consumo domiciliar.

Em Minas Gerais, 37% dos formalizados estão na região Centro, com mais de 291 mil MEI. No ranking das cidades mineiras com maior número de formalizados estão: Belo Horizonte (137 mil), Contagem (32 mil), Uberlândia (29 mil), Juiz de Fora (22 mil), Betim (19 mil), Montes Claros (14 mil), Ribeirão das Neves (12,5 mil), Divinópolis (12,3 mil), Ipatinga (11,6 mil) e Governador Valadares (11,5 mil).

 

Siga o Mercado Comum