Eventos

Indústria mineira debate rumos para o Brasil

01 Julho 2017

FIEMG comemora o Dia da Indústria 2017

O empresariado mineiro tem um compromisso com o futuro da economia e precisa exercer seu papel de liderança, contribuindo para a superação da atual crise e a retomada do crescimento econômico e social do país. Essa é a síntese do pensamento dos líderes industriais do estado, reunidos em diversas atividades relacionadas ao Dia da Indústria 2017, comemorado em 25 de maio.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), Olavo Machado Junior, a data foi celebrada com orgulho e confiança no Brasil, ainda que com grave preocupação diante da crise institucional do país.

“Celebramos o Dia da Indústria 2017 em um cenário que não é exatamente o que gostaríamos de ver. Felizmente, o industrial segue adiante, com esperança de que em breve, com a sociedade unida e consciente, tudo vai mudar para melhor”, afirmou.

A solenidade de comemoração ocorreu no Minascentro, em Belo Horizonte, com a presença de centenas de convidados, entre representantes do setor produtivo, do poder público e da sociedade.

Para refletir sobre os rumos da conjuntura nacional e oferecer soluções para o enfrentamento dos desafios e gargalos da economia, a FIEMG realizou também, na Semana da Indústria, de 22 a 24 de maio, um Ciclo de Debates que reuniu especialistas, autoridades, industriais e convidados.

Além do Ciclo de Debates, a FIEMG recebeu, na programação da Semana da Indústria, a visita do secretário de Estado de Fazenda de Minas Gerais, José Afonso Bicalho, no dia 24 de maio, e do professor e sociólogo Paulo Delgado, em 25 de maio.

Bicalho orientou os industriais sobre o Plano de Regularização de Créditos Tributários do Governo do Estado de Minas Gerais, o Projeto de Lei nº 4.136/17. Já Delgado debateu com o empresariado formas de su-peração da crise vivida pelo país, discutindo o cenário político e econômico até 2018.

Homenagens especiais marcam o Dia da Indústria

A solenidade de comemoração do Dia da In-dústria 2017 foi marcada por homenagens especiais e por discursos ressaltando o compromisso dos industriais e da sociedade com a busca de saídas para a crise. Os empresários destacaram a necessidade da retomada da normalidade institucional, da estabilida-de política e do desenvolvimento econômico e social.

O evento contou com a presença do presidente da FIEMG, Olavo Machado Junior, do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e de centenas de convidados, entre representantes do setor produtivo, do poder público e da sociedade.

Na ocasião, o presidente do Conselho de Administração da MRV Engenharia e Participações, Rubens Menin Teixeira de Souza, foi condecorado como Industrial do Ano 2017. O vice-presidente da FIEMG, Aguinaldo Diniz Filho, recebeu a Medalha da Ordem do Mérito Industrial da CNI. Outros 14 empresários foram agraciados com a Medalha do Mérito Industrial da FIEMG.

‘Punir só os culpados’

Em seu pronunciamento, Machado Junior enfatizou que a data estava sendo comemorada “com orgulho e confiança no futuro do Brasil e de Minas Gerais”. Ele analisou o cenário político do país e fez uma firme defe-sa do empresariado nacional diante dos escândalos que surgem a cada dia.

“Desejamos que a operação Lava Jato cumpra os objetivos para os quais foi criada, mas é importante que seus efeitos se limitem a punir aqueles que, efe-tivamente, tenham contas a acertar com a Justiça”, ressaltou.

Ainda segundo o presidente da FIEMG, não é jus-to, e nem é correto, “carimbar” milhares de empresas e de empresários pelos erros e crimes cometidos por um grupo reduzido de pessoas e organizações que se locupletam com o assalto cometido contra o erário público.

Machado Junior cobrou rapidez na apuração das acusações. “Hoje, no Dia da Indústria, vamos soltar a voz e gritar, com toda a força da nossa indignação, que esperamos celeridade do Judiciário, desde a primeira instância até a Suprema Corte!”, disse.

‘Guerra sem quartel’

Por sua vez, o vice-presidente da FIEMG, Aguinaldo Diniz Filho, disse se sentir profundamente honrado, como ex-aluno do SENAI, em receber a mais alta Comenda da CNI. Ele ressaltou a importância da indústria têxtil para Minas Gerais e para o país.

Diniz Filho também se referiu ao momento de muita indefinição e de grandes dificuldades pelo qual passa o país, mas se mostrou otimista. “O Brasil precisa - e muito - de nosso trabalho e de nossa firmeza para que se construa um futuro melhor. Os graves acontecimentos dos últimos dias nos exigem serenidade. Combater a corrupção, em uma guerra sem quartel, é o marco zero de um projeto consistente de construção de um novo país”, afirmou.

Para ele, a saída da atual crise depende de uma ampla reforma política, que pode passar pela convocação de uma Constituinte exclusiva. “Em um esforço de cidadania, devemos acabar com o foro privilegiado, criar cláusulas de barreira, eliminar o excesso de partidos e proibir a coligação partidária. Assim, já daremos um passo imenso, com resultados efetivos para o país voltar ao tão essencial crescimento”, propôs.

‘Judicialização excessiva’

Em seu discurso, o Industrial do Ano 2017, Rubens Menin, defendeu a necessidade de união nesse momento de crise vivida pelo país. Segundo ele, não existe economia forte sem indústria forte. E, para que o Brasil retome seu rumo, é preciso considerar três aspectos em particular.

O primeiro deles é o alto índice de judicialização do país, o que emperra o crescimento. “O Brasil tem, hoje, mais casos de justiça do trabalho do que todos os outros países do mundo somados. Isso inviabiliza qualquer esforço,” advertiu. Segundo ele, os outros dois fatores que prejudicam o desenvolvimento brasileiro são a alta carga tributária e os altos juros praticados no país.

‘Trabalho e serenidade’

No encerramento da solenidade, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, enfatizou que duas iniciativas são essenciais para o país enfrentar o atual momento: trabalho e serenidade.

“O compromisso com o trabalho surge, por exemplo, dos homenageados no Dia da Indústria, que enchem os mineiros de orgulho. Falamos deste trabalho que temos em Minas e em todos os segmentos repre-sentados pela FIEMG. É ele que celebramos hoje, para chegarmos a dias melhores”, ressaltou.

Segundo Pimentel, a serenidade é essencial, no momento, para avançarmos sem atropelos e para construirmos um novo modelo político, que não seja carcomido pelos vícios de hoje.

Siga o Mercado Comum