Artigo

Impostos demais signifcam compliance e liquidez de menos

28 Novembro 2018

A complexidade do sistema tributário no Brasil para atender às obrigações fiscaiscada vez mais impacta na saúde financeirae na competitividade das empresas brasi-leiras. O total de impostos, contribuição e taxas referentes a 27 estados e mais de cinco mil municípios com legisla-ções diferentes somam mais de 80 obrigações a cumprir.

Uma pesquisa do Banco Mundial aponta que o Brasil é o que mais gasta horas para atender as obrigações fiscaisentre 184 países analisados. São 1.958 horas/ano no total. Ainda assim, ao finalde cinco anos, caso esteja pagando algum tributo de forma errada, a empresa será autuada pelo Fisco.

Esse é um dos fatores que faz com que as empre-sas adotem como rotina o pagamento de impostos a mais do que deveriam. Porém, pagar impostos de forma correta chega a ser um desafio e uma ótima oportunidade

É possível pagar tributos com compliance, minimi-zando os riscos. A oportunidade está na gestão tributária, como prevenção para organizar, avaliar e pagar o que efeti-vamente é devido. Um processo de revisão das apurações reduz inconsistências por meio de conceitos atualizados de tributação.

Sem dúvida, as empresas precisam ser conser-vadoras nos pagamentos de tributos e manter-se longe das ‘aventuras tributárias’. Contudo, pagar mais do que se deve não é certificadode “bom contribuinte”. Deve-se refletirquando o conservadorismo extremo se torna má gestão tributária.

Administrar de forma correta o pagamento de tri-butos é a melhor forma de evitar empréstimos em banco para obter capital de giro com a finalidadede financiaro negócio.

Para empresas que nunca erram o ‘passo’ e não têm nenhum questionamento pendente frente ao Fisco, a legislação prevê o bônus de Adimplência Fiscal, que reduz em 1% a contribuição social sobre o lucro. Porém, o desa-fio é encontrar empesas que conquistam esse benefício.

Uma gestão séria é o caminho mais saudável, para obter o melhor diagnóstico, usufruir da maior liquidez, com compliance, menor exposição e melhor competitividade. Nesse caso, mais é de menos!

 

Siga o Mercado Comum