23º Prêmio Top of Mind

Em alta, os gastos dos brasileiros chegarão a R$ 4,4 trilhões em 2018

12 Julho 2018

Pesquisa IPC Maps prevê um crescimento significativo d consumo per capita em relação aos últimos três anos

Após um longo período de estagnação, as famílias brasileiras retomam os hábitos de consumo e devem movimentar R$ 4,4 trilhões na economia até o finaldeste ano, o que significaum aumento real de 3% (variação de R$ 240,7 milhões) em relação a 2017. Com os recursos de volta ao bolso do consumidor, o empreendedorismo desacelera. A abertura de novas empresas passa a manter um padrão de crescimento, sobretudo sadio, compatível com a realidade atual. Esses são os principais destaques do estudo IPC Maps 2018, especializado no cálculo de índices de potencial de consumo nacional, com base em dados oficiais.

O trabalho conclui, ainda, que, o fenômeno da interiorização, em ascensão desde 2015, começa a perder sua participação no cenário do consumo (de 55% em 2017, cai para 54% neste ano), cedendo espaço ao restante do Estado, representado pelas capitais e, principalmente, suas regiões metropolitanas, cuja evolução é da ordem de 45% para 45,8%. Para Marcos Pazzini, responsável pela pesquisa, esse novo cenário “deve-se muito mais pelas cidades próximas das capitais, também conhecidas como cidades-dormitório, do que pelas capitais propriamente ditas, que também sofreram uma pequena redução”. De acordo com o levantamento, o perfildos gastos nas capitais de 29,8% caiu para 29,6%.

PERFIL BÁSICO

O potencial de consumo das famílias brasileiras em 2018 é de R$ 4,45 trilhões, estimando-se um índice de inflaçãoIPCA de 3,70%. A população total registra 209,2 milhões de habitantes, com 84,7% (177,2 milhões) residindo na área urbana. O consumo per capita urbano soma R$ 23.365,89, enquanto o rural, R$ 9.511,79.

PRIMEIROS REFLEXOS

O IPC Maps registra um total de 20.785.786 empresas instaladas no Brasil — um crescimento de apenas 0,15% em relação ao ano passado, o que para Marcos Pazzini, é positivo. “O aumento significativ de empresas instaladas nos anos anteriores, mesmo com a crise, não representava um crescimento real, nem saudável, pois muitas eram abertas como ME na tentativa de pagar menos impostos”, considera.

Em 2018, o destaque ficapara as MEIs, que incrementou em 44,4% seu patamar em relação a 2017, somando 4.745.577 unidades no País. As empresas com mais de 500 funcionários também se expandiram em 36,5%, registrando 8.891 unidades, e aquelas com até nove funcionários ampliaram somente 0,25%, totalizando 20.200.187. Nas demais faixas, entre 10 e 99 funcionários, houve uma retração de 4,3%, representando atualmente 537.774 unidades.

BASE CONSUMIDORA

O perfildo consumo urbano por extratos sociais apresenta pequenas variações, mantendo em geral as características dos últimos anos. A classe B, presente em 22,3% dos domicílios, lidera o ranking, respondendo por 40,4% (cerca de 1,67 trilhão) do desembolso dos recursos. Em seguida vem a classe média (C), predominando em 48,2% das residências e movimentando 36,5% (R$ 1,51 trilhão). No topo da pirâmide, a classe alta (A), com 2,6% dos domicílios, recupera os 13,4% (ou R$ 555,3 bilhões) registrados em 2016, contra os 12,9% de 2017. Em contrapartida, a classe D/E, reduz seus gastos de 10,3% em 2017, para 9,6 % (ou R$ 396,5 bilhões) neste ano, em 27% dos domicílios. Já, na área rural do País, os gastos evoluem para R$ 304,8 bilhões, ante os R$ 300 bilhões registrados em 2017.

CENÁRIO REGIONAL

Em termos regionais, o Sudeste segue liderando o consumo com 48,81% (ante 48,78% de 2017), seguido pelo Nordeste que mantém os 18,84% anteriores, e pela região Sul que, com praticamente um terço da população do Nordeste, amplia sua participação para 18,07% (contra 17,94%). Já, a região Centro-Oeste cai de 8,51% para 8,39%, bem como a Norte que, de 5,93% chega a 5,89%.

MERCADOS POTENCIAIS

Embora com uma pequena retração em relação ao ano passado, os 50 maiores municípios são responsáveis por 39,73%, o que equivale a R$ 1,7 trilhão de tudo o que é consumido no País. 

No ranking dos municípios, permanecem como maiores mercados, por ordem decrescente, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Curiti-ba, Fortaleza, Porto Alegre e Goiânia. Conquistando o 10º lugar, está Campinas que, assim como Recife, em 11º, subiram uma posição, ultrapassando Manaus. Cidades como Guarulhos, Santo André, São Bernardo do Campo, Ribeirão Preto, Sorocaba, São José dos Campos e Osasco, no Estado de São Paulo, além de São Gonçalo, Niterói e Nova Iguaçu (RJ), Joiville (SC), Caxias do Sul (RS) Con-tagem, Uberlândia e Juiz de Fora (MG) também ganham evidência nessa lista.

GEOGRAFIA DA ECONOMIA

O setor de Serviços, ainda que com sua fatia reduzida em 1,2%, concentra quase metade (48,3%) das atividades empresariais do País. Em seguida, vem Comércio se mantendo estável em 32,8%, Indústrias com 15,8% — um incremento de 4,9%, e, por fim, Agronegócio, respondendo por cerca de 2,9%. A maior parte desses estabelecimentos situa-se na região Sudeste, cerca de 50,5%, equivalendo 10.512.860 unidades. Na sequência, aparece o Nordeste com 3.724.000 (17,91%) sendo quase alcançado pelo Sul, que conta com 3.722.291 (17,90%). Já as regiões Centro-Oeste e Norte abrigam, respectivamente, 1.754.935 (8,44%) e 1.071.700 (5,15%) das empresas.  

Já, na análise quantitativa das empresas para cada mil habitantes nota-se resultados interessantes. As regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste encabeçam a lista com, respectivamente, 124,73, 120,12 e 109,09 empresas por mil habitantes; enquanto que, bem abaixo da média, estão as regiões Nordeste, com 64,68, e Norte, contando com apenas 58,91 empresas/mil habitantes.

HÁBITOS DE CONSUMO

O IPC Maps também revela onde os consumidores gastam sua renda, trazendo um comparativo, inclusive, por classes sociais. A manutenção do lar (incluindo aluguéis, impostos, luz, água e gás) lidera a lista de consumo, absorvendo 26,8% do mercado. Os demais itens também são básicos, como: alimentação (17,2% no domicílio e fora), transportes e veículo próprio (7,5%), vestuário e cal-çados (4,8%), materiais de construção (4,4%), recreação, cultura e viagens (3,3%), medicamentos (3,2%), eletrodo-mésticos e equipamentos (2,4%), educação (2,2%), higie-ne pessoal (2,2%), móveis e artigos do lar (1,9%), bebidas (1,2%) e artigos de limpeza (0,7%), entre outros. 

FAIXAS ETÁRIAS

A exemplo dos últimos anos, a população segue envelhecendo em 2018. Os idosos (a partir de 60 anos) já são mais de 26,9 milhões, o que significa12,9% dos bra-sileiros, sendo a maioria formada por mulheres (55,7%). A faixa etária economicamente ativa, de 18 a 59 anos, equi-vale a 126,4 milhões, ou 60,4% do total dos habitantes. Os jovens e adolescentes, entre 10 e 17 anos, somam 26,5 milhões, sendo superados pelas crianças de até 9 anos, que representam 29,3 milhões.

SOBRE O IPC MAPS

Publicado anualmente pela IPC Marketing Editora, empresa que utiliza metodologias exclusivas para cálculos de potencial de consumo nacional, o IPC Maps destaca-se como o único estudo que apresenta em números absolutos o detalhamento do potencial de consumo por categorias de produtos para cada um dos 5.570 municípios do País, com base em dados oficiais, através de ve-sões em softwares de geoprocessamento. Este trabalho traz múltiplos indicativos dos 22 itens da economia, por classes sociais, focados em cada cidade, sua população, áreas urbana e rural, setores de produção e serviços etc., possibilitando inúmeros comparativos entre os municípios, seu entorno, Estado, regiões e áreas metropolitanas, inclusive em relação a períodos anteriores. Além disso, o IPC Maps traz, também, um detalhamento de setores específicos a partir de difeentes categorias.

Siga o Mercado Comum