Turismo

Dilma libera vistos para estrangeiros durante os Jogos Olímpicos

29 Janeiro 2016

por Paulo Queiroga
 
Dilma Rousseff sancionou a lei aprovada pelo Congresso que prevê a dispensa de visto para estrangeiros durante quatro meses, entre junho e setembro do ano que vem, para facilitar a entrada dos atletas e turistas no Brasil para acompanhar os Jogos Olímpicos de 2016.
 
A presidente entendeu que a liberação não afetará a segurança do Brasil, apesar de o rigor nas fiscalizações em todo o mundo ter aumentado em decorrência dos ataques terroristas feitos pelo Estado Islâmico em diversos países.
 
O foco do governo com essa medida é atrair turistas, especialmente dos Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália e China. O entendimento do governo foi que existem outros mecanismos de controle e que o visto serve, principalmente, para verificação do fluxo migratório.
 
Na contramão da aprovação da lei, o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardis, disse ao jornal “O Estado de S. Paulo” que esta proposta “deveria ser revista, face a nova situação e conjuntura”.
 
Aplicativos tem sido uma boa solução para organizar sua viagem e encontrar as melhores ofertas.
 
Veja algumas ferramentas e dicas para economizar em viagens.
 
Esteja aberto a conhecer novos destinos. Uma maneira simples de encontrar de bilhetes aéreos e hotéis é abrir mão dos destinos badalados e estar disposto a conhecer novos locais.
Buscadores como o Skyscanner e o Kayak permitem identificar trechos mais baratos e incluem todos os destinos disponíveis.
 
A ferramenta Explore, do Kayak mostra o preço mínimo de passagens em cada cidade, no Brasil e no exterior. As ofertas podem ser filtradas por preço, tipo de clima local e continente.
Já o Skyscanner oferece a pesquisa “Qualquer lugar” dentro da busca por passagens aéreas do site. É possível listar cidades de cada país ordenadas por passagens mais baratas.
No site Fareness basta incluir o aeroporto de partida e verificar para qual destino as passagens estão mais baratas. 
 
Flexibilidade de datas
Para quem não abre mão de um destino específico, uma saída pode ser ter mais opções de datas para viajar e a possibilidade de reduzir ou aumentar em alguns dias o tempo da viagem.
 
O Skyscanner tem um serviço de calendário de preços que mostra os dias em que as passagens são mais baratas. Dessa forma, é possível visualizar o menor valor cobrado pelas passagens em cada dia do mês.
 
Monitorar preços e ofertas
A maioria dos buscadores oferece alertas de preços, que podem informar o viajante sobre alterações no valor de passagens até a data da viagem. Também é possível criar alertas de preços para hotéis no buscador. Os avisos funcionam do mesmo modo que os de bilhetes aéreos.
 
Utilizar Aplicativos especializados em ofertas de última hora
Quem busca diárias de hotéis mais acessíveis a poucos dias da viagem conta com a ajuda de aplicativos especializados em promoções de última hora.
Um deles é o HotelTonight, que oferece descontos para reservas de quartos em hotéis bem avaliados desde que a data de início da hospedagem seja no mesmo dia, após às 15h, ou nos próximos sete dias. 
 
Já o aplicativo Roomer oferece descontos em reservas de hotéis que não poderão ser utilizadas por viajantes, por cancelamento da viagem. Para recuperar parte do prejuízo, nesses casos os viajantes buscam o site para revender a reserva por um valor menor.
 
No Hotwire, não é possível saber qual hotel está sendo feita a reserva. No entanto, é exatamente esta característica que permite obter bons descontos no site. Quanto mais próximo da data da viagem, maiores os descontos.
 
Aproveitar ofertas de hotéis especializados em viajantes corporativos. Buscar hotéis com perfil corporativo pode ser uma boa forma de economizar em viagens. Hotéis que costumam receber viajantes corporativos podem atrair clientes que viajam a lazer.
 
Optar por pacotes que incluam passagens e estada
Faltando pouco tempo para a viagem, pode ser mais difícil encontrar lugares em voos nas datas mais concorridas. O ideal, neste caso, é optar pelos pacotes comprados por agências de viagens.
 
Com a contribuição de Marilia Almeida, da exame.com
 

Siga o Mercado Comum