Especial

Dia do Economista e IX Prêmio Minas Gerais de Desenvolvimento Econômico Assemg/MercadoComum 2015

03 Setembro 2015

“O objetivo maior da premiação é o de enaltecer e valorizar a ação de todos aqueles que contribuem, de forma direta ou indireta (...), para o progresso econômico mineiro e brasileiro.”

O IX Prêmio Minas Gerais de Desenvolvimento Econômico, uma realização conjunta da ASSEMG-Associação dos Economistas de Minas Gerais e de MercadoComum – Publicação Nacional de Economia, Finanças e Negócios ocorreu no dia 13 de agosto, no auditório e salão de recepções da FIEMG – Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, com a presença de um público de 250 participantes. Na mesma ocasião foi comemorado o “Dia do Economista”.

O evento contou com o apoio especial do Banco Mercantil do Brasil S.A., da Cenibra – Celulose Nipo-Brasileira S.A., do DOT Group, do Conselho Regional de Economia de Minas Gerais, do IBEF-Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de Minas Gerais e da Rosenberg & Associados.

Atuaram como patrocinadores do evento o Grupo Fiat-Chrysler, a FIEMG-Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais e a MinasPart – Desenvolvimento Empresarial e Econômico Ltda. 

A solenidade de premiação esteve dividida em duas partes distintas. Na primeira delas, houve o discurso do presidente da ASSEMG, uma saudação aos agraciados, a premiação dos Desenvolvimentistas Mineiro e Nacional e do Econo- mista Destaque de Minas Gerais de 2015, além dos seus respectivos pronunciamentos. Após, foram en- tregues as medalhas a todos os agraciados. Antes, todos eles já haviam recebido um diploma especial.

A segunda parte, logo a seguir, foi a realização do tradicional Jantar de Confraternização.

O objetivo maior da premiação é o de enaltecer e valorizar a ação de todos aqueles que contribuem, de forma direta ou indireta, através dos seus trabalhos, ações e posturas, com as suas pesquisas e as suas idéias, para o progresso econômico mineiro e brasileiro. Trata-se, portanto, do reconhecimento aos esforços dessas pessoas em prol do desenvolvimento, ressaltando, de outro lado, também, ser esta uma premiação exclusivamente destinada às pessoas físicas que mais se destacaram em diferentes áreas do segmento e do conhecimento econômico de nosso Estado e País. 

Foram em número de 50 os agraciados da premiação e alguns deles, evidentemente, são economistas. No entanto, cabe aqui des- tacar que a parcela mais expressiva dos premiados era constituída por advogados, engenheiros, empresários, jornalistas, o que mostra, de outro lado, o  reconhecimento e valorização às demais profissões, que complementam as ideias e enriquecem o trabalho de seus ideali- zadores com as suas contribuições dissociando-os, assim,  das posturas meramente corporativistas. 

Onze foram as condecorações e as medalhas de cada categoria levam nomes de ilustres personagens históricos mineiros. Todos aqueles que  emprestam os nomes às meda- lhas dispõem e possuem uma identidade comum: a luta inconteste em defesa do desenvolvimento econômico de Minas Gerais e do Brasil. 

A mais elevada de todas as condecorações visa, ademais, home- nagear aquele que é considerado o maior desenvolvimentista que o  país já teve. E é, exatamente em nome do saudoso presidente JK que se procura enaltecer a relevância do crescimento econômico vigoroso,  consistente, contínuo e sustentável, além do compartilhamento das ideias inovadoras para a construção de uma Nação fraterna e mais próspera.

Os agraciados foram saudados pelo economista Sérgio Bruno Zech Coelho, diretor da ASSEMG-Associação dos Economistas de Minas Gerais. Antes dele houve pronunciamento do economista Carlos Alberto Teixeira de Oliveira que fez uma rápida análise sobre a conjuntura e as perspectivas econômicas brasilei- ras, as quais são reproduzidas nesta edição.

O Economista Destaque de 2015 foi Mauro Borges Lemos que, atualmente, ocupa a presidência da CEMIG-Cia Energética de Minas Gerais. Já o escolhido da Categoria Desenvolvimentista de Minas Gerais de 2015 – Medalha Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira – Artífice do Desenvolvimento Brasileiro foi deputado Adalclever Ribeiro Lopes, presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Robson Braga de Andrade, presidente da CNI-Confederação Nacional da Indústria e Sebrae Nacional recebeu o troféu de Desenvolvimentista Nacional. Todos eles também recebem o livro intitulado “Celso Furtado – Obra autobiográfica”, uma gentileza da viúva de Celso Furtado, Rosa Freire d’Aguiar.

A relação completa dos agraciados da premiação estão a seguir.

Patronos

- Lindolfo Paoliello

- Olavo Machado Jr

 

1 – Medalha Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira – Artífice do Desenvolvimento Brasileiro

- Desenvolvimentista Mineiro de 2015: 

   Adalclever Ribeiro Lopes

- Desenvolvimentista Nacional de 2015: 

   Robson Braga de Andrade

- Economista Destaque de Minas Gerais de 2015: 

   Mauro Borges Lemos

 

2 – Medalha Joaquim José da Silva Xavier - Tiradentes

- Pedro Carlos Bitencourt Marcondes

- Sebastião Helvécio Ramos de Castro

- Stefan Bogdan Salej

 

3 – Medalha Presidente Tancredo de Almeida Neves - Liberdade, Democracia e Desenvolvimento:

- Braulio José Tanuz Braz

- Eduardo Guimarães Andrade

- Gustavo Fraga Brandão Paulus

 

4 – Medalha Presidente Itamar Augusto Cautiero Franco  - Estabilidade e Crescimento Econômico:

- Apolo Heringer Lisboa

- Helvécio Miranda Magalhães Júnior

- José Fernando Aparecido de Oliveira

- Marcelo Piancastelli de Siqueira 

- Paulo Roberto Lamac Júnior

 

5 – Medalha José Alencar Gomes da Silva - Dinamizadores do Progresso:

- Antônio José Vieira

- Armando Gonçalves Costa

- Henrique Luz

- Leonardo Lemos Barros Quintão

 

6 – Medalha Bernardo Mascarenhas - Construtores do Desenvolvimento:

- Alexandre Moreira M. de Almeida

- Altamir Roso de Araújo Filho

- Fábio Mascarenhas Alves

- Luiz Henrique Andrade Araújo

- Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco

- Maria Lúcia Clementino Nunes

 

7 – Medalha Economista Paulo Camilo de Oliveira Penna - Reconhecimento pelo Desempenho da Atividade Econômica:

- Adair Evangelista Marques

- Flávia Mourão Parreira do Amaral

- Lúcio José de Figueiredo Sampaio

- Luiz Gustavo Miranda Lage

- Paulo Ângelo Carvalho de Souza

 

8 – Medalha Darcy Ribeiro - Destaques da Educação e Cultura:

- Afonso Borges

- Carlos Bernardo Bracher

- Fábio Mechetti 

- Maria Helena Gontijo Álvares

- Noemi Macedo Gontijo

- Paulo Hugo Morais Sobrinho 

 

9 – Medalha Governador Israel Pinheiro -  Destaques do Empreendedorismo de Minas Gerais:

- Elson Rocha Justino

- Helder Couto de Mendonça

- João Pinto Ribeiro

- Marcus Telles

- Samuel Flam

 

10 – Medalha Economista Élcio Costa Couto - Destaques do Setor Público de Minas Gerais:

- Luiz Fernando Rolla

- Marco Aurélio Crocco Afonso

- Ralph de Araújo Justino

 

11 – Medalha Fernando Antônio Roquete Reis - Destaques da Comunicação de Minas Gerais:

- Acir Antão

- Antônio Claret Guerra

- César Vanucci

- Eduardo Costa

- Humberto Alves Pereira

- Paulo Navarro

 

Patronos

Lindolfo Paoliello

Natural de Ubá, Lindolfo Coe-lho Paoliello é jornalista, graduado em Direito pela Universidade Fede-ral de Minas Gerais, com especiali- zação em Marketing pelo programa Fundação João Pinheiro/Columbia University. É presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), diretor da Companhia Brasileira de Lítio (CBL), sócio administrador da Lindolfo Paoliello Consultoria de Comunicação, associado da Fundação Dom Cabral e responsável pela implementação dos programas da FDC na região centro-oeste de Minas Gerais.


Iniciou sua carreira profissio- nal como repórter de economia do Estado de Minas. Foi coordenador da Área de Comunicação do Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) na Fundação João Pinheiro, dirigiu a área de marketing do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), criou e dirigiu por 12 anos a área de Comunicação Empresarial da Fiat Automóveis S/A, tornando-se corresponsável pela implantação da imagem institucional da empresa no Brasil.
No campo do magistério, foi professor de Comunicação Social e de Marketing na PUC Minas e de Gestão da Comunicação no Instituto de Edu-cação Continuada (IEC) da PUC Minas. Também já atuou como presi- dente do Capítulo Brasileira da International Public Relations Association (IPRA) e foi o primeiro executivo da América do Sul a receber o diploma da instituição por serviços prestados às Relações Públicas Mundiais.


Além disso, já recebeu prêmios como: Aberje-MG; Prêmio Opinião Pública, concedido pelo Conselho Regional de Relações Públicas do Rio de Janeiro; e o Prêmio Ideias, do Conse-lho Regional de Relações Públicas do Rio de Janeiro.


No campo da literatura, tem se dedicado à crônica, pela relevância desse gênero na expressão do contexto, modo de viver e de falar de uma sociedade. Em 2003, foi homenageado pelo Ministério da Cultura “pela contribuição do conjunto de sua obra para divulgação e consolidação da crônica no Brasil”.
 

Olavo Machado Jr

Olavo Machado Junior é natural de Belo Horizonte (MG) e tem um vasto currículo em atuações como líder empresarial. Engenheiro de formação, firmou carreira como empresário do setor industrial.


Seu trabalho teve início com a fundação, em 1974, da Machado Correa Engenharia (Macorin), empresa fabricante de painéis elétricos. É também sócio da IG Construções Elétricas, de equipamentos elétricos, e é ainda diretor da Orteng MCT Transformadores Ltda.


Atualmente, Machado Júnior é presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), presidente do conselho regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), além de diretor e presidente do Conselho Regional do Serviço Social da Indústria (SESI). É também presidente do Conselho Temático da Confederação Nacional da Indústria (Coinfra) e do Sebrae-MG.


Este é o segundo mandato do empresário à frente da FIEMG. Entre outras ações, sua gestão tem foco na tecnologia na busca de condições de investimento em recursos humanos, capacitação e aumento da representatividade política da entidade. A eleição foi marcada por um fato inédito na história da FIEMG: pela primeira vez, um presidente foi escolhido por unanimidade.


À frente do Sebrae até 2018, Olavo tem como meta dar continuidade ao trabalho até então realizado na instituição, levando em conta o desenvolvimento e o crescimento das empresas. “Falo isso porque indústria que não cresce, morre. A maioria dos negócios recém-abertos no país não sobrevive. De acordo com as estatísticas, 27% das micro e pequenas empresas fecham em seu primeiro ano de funcionamento e 50% não ultrapassam os cinco anos. O Sebrae tem o desafio e também competência para diminuir essas estatísticas, fazendo com que essas empresas cresçam e transformem a economia do país”, afirmou em seu discurso de posse.


Machado Júnior presidiu o Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Estado de Minas Gerais (Sinaees), foi diretor da Associação Brasilei- ra da Indústria Eletro-Eletrônica (Abinee/MG e Abinee/SP), diretor e vice-presidente do Centro das Indústrias das Cidades Industriais de Minas Gerais (CICI/MG), vice-presidente da Sociedade Mineira de Engenheiros (SME) e presidente do Centro Industrial e Empresarial de Minas Gerais (CIEMG).
Já no setor público, o empresário foi presidente da Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (CETEC/MG), secretário-adjunto da Indústria e Comércio do Estado de Minas Gerais e membro do Conselho Curador da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG).

 

1 – Medalha Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira
Artífice do Desenvolvimento Brasileiro

Desenvolvimentista Mineiro de 2015
Adalclever Ribeiro Lopes

O deputado estadual Adalclever Ribeiro Lopes está em seu quarto mandato consecutivo e em 2015 foi eleito por unanimidade presidente da Assembleia de Minas, para o biênio 2015-2016.


É empresário, natural de Belo Horizonte, casado e pai de dois filhos. Já foi chefe de gabinete da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Minas Gerais e membro titular do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia.


Na Assembleia Legislativa presidiu as comissões de Transporte, Comunicação e Obras Públicas, de Defesa do Consumidor e Contribuinte e de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia.


Foi também coordenador da Frente Parlamentar Municipalista de Minas Gerais e representante da Assembleia na Coordenação do Programa de Controle de Homicídios de Minas Gerais - Fica Vivo.


Em 2015, o deputado Adalclever Lopes recebeu a distinção de Soldado Ilustre do 12º Batalhão de Infantaria, que tem como objetivo reconhecer o desempenho de ex-soldados integrantes do batalhão que tenham se destacado no cenário regional ou nacional, e foi agraciado com a Grande Medalha da Inconfidência e com a medalha comemorativa do Dia de Minas.


Já recebeu também as seguintes condecorações: Medalha de Honra Presidente Juscelino Kubitschek; Medalha Santos Dumont; Ordem do Mérito Legislativo do Estado de Minas Gerais; Colar do Mérito da Corte de Contas Ministro José Maria de Alkmim, do Tribunal de Contas; Grande Colar do Mérito Legislativo Municipal Affonso Augusto Moreira Penna, da Câmara Municipal de Belo Horizonte; Medalha do Mérito Municipalista, da Associação Mineira de Municípios; Medalha Alferes Tiradentes, da Polícia Militar; e Comenda Ambiental da Estância Hidromineral de São Lourenço.


O deputado Adalclever Lopes é cidadão honorário dos municípios mineiros de Entre Folhas, Santa Rita de Minas, Piedade de Caratinga, Córrego Novo, São Sebastião do Anta, Caratinga, Pouso Alegre e Cachoeira de Pajeú.
 

Desenvolvimentista Nacional de 2015
Robson Braga de Andrade

O nome de Robson Braga de Andrade é sinônimo de competência para quem está por dentro do setor industrial brasileiro.


Atualmente, é presidente da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), tendo sido reeleito por unanimidade para o mandato 2014-2018. Mas, alguns anos antes, o nome de Andrade já esteve diretamente relacionado à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), quando presidiu a instituição também por dois mandatos.


Sua competência profissional lhe rendeu reconhecimentos e significantes participações em outras instituições voltadas para a produção industrial.
Robson Braga de Andrade foi diretor do conselho de Empresários da América Latina entre 2004 e 2006; membro do Conselho de Estratégia da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), entre 2001 e 2003; e membro do Conselho Superior da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), de 2001 a 2004.


Andrade também é membro ti- tular do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República, bem como vice-presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.


É engenheiro mecânico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e sua experiência profissional é fortemente ligada à área de equipamentos industriais.


Braga também é empresário e dirige a Orteng Equipamentos e Sistemas Ltda, empresa sediada em Contagem.


A companhia é especializada na produção de equipamentos para diversos segmentos da indústria - tais como energia, petróleo, gás, mine-ração, siderurgia, saneamento, telecomunicações e transportes.
 

Economista Destaque de Minas Gerais de 2015
Mauro Borges Lemos

Mauro Borges Lemos é professor titular do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), doutor em Economia pela Universidade de Londres na Inglaterra, com pós-doutorado na Universidade de Illinois nos Estados Unidos e na Universidade de Paris na França. Foi pesquisador sênior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


Natural de Cássia (MG), é, atualmente, presidente da Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG). Borges exerceu nos últimos anos as funções de Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e presidente dos Conselhos de Administração do BNDES e do BNDES PAR.


Durante sua longa carreira aca- dêmica desempenhou ainda vários cargos de direção na UFMG, dentre os quais chefe do Departamento de Ciências Econômicas, coordenador do Programa de Pós-Graduação de Economia e diretor do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da UFMG (Cedeplar).


Ocupou também a presidência da associação científica brasileira de economia como secretário executivo da Associação Nacional de Centros de Pós-Graduação em Economia (Anpec).


Possui vasta experiência nas áreas de Teoria do Desenvolvimento Econômico, Economia Industrial e Tecnológica, Economia Urbana e Regional, com diversos trabalhos científicos publicados em livros e periódicos especializados no Brasil e no exterior.


Orientou dezenas de estudantes em diversos níveis do ensino superior, graduação, mestrado e doutorado, possuindo vários prêmios de reconhecimento científico.

2 – Medalha Joaquim José da Silva Xavier Tiradentes


Pedro Carlos Bitencourt Marcondes

O advogado Pedro Carlos Bitencourt Marcondes é presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Sua carreira profissional começou cedo, aos 24 anos, quando se tornou promotor de Justiça na comarca da Silvianópolis (MG). Assumiu a presidência do Tribunal de Justiça em junho de 2014, mas sua trajetória na instituição começou em 2006, quando se tornou desembargador. Ainda no órgão, foi presidente de diversas Comissões: Licitação e Contratos, Divisão e Organização Judiciária, Tecnologia da Informação e Comunicação e até mesmo da Comissão Especial do Novo Regimento Interno da instituição.


Pela Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce, em São Paulo, teve duas passagens: graduação em Direito e especialização em Direito Público. Poucos anos depois, também se tornou mestre em Direito Público pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Desde 2000, atua como professor dos cursos de Direito Administrativo II e Teoria Geral do Processo no Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH).


Entre as medalhas e títulos com as quais já foi agraciado estão a de Cidadão Honorário de Belo Horizonte (Câmara Municipal de Belo Horizonte), Ordem do Mérito Legislativo (ALMG), Grande Colar do Mérito Legislativo Municipal (Câmara Municipal de Belo Horizonte); Medalha da Inconfidência (Governo Estadual) – somente para citar as mais recentes; todas estas honrarias foram entregues em 2014.


Durante sua posse como presidente do TJMG, firmou o compromisso de realizar sua gestão a partir do cumprimento de três metas: implantar o processo eletrônico, gestão otimizada e investimento no aperfeiçoamento dos recursos humanos.

Sebastião Helvécio Ramos de Castro

Sebastião Helvécio é o atual representante oficial de três importantes órgãos que norteiam a realidade econômica do estado de Minas Gerais: ele é presidente do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais e ocupa o mesmo cargo no Instituto Rui Barbosa (IRB). Além disso, é membro do Comitê Executivo de Saúde do Estado de Minas Gerais.


Sua formação acadêmica é diversificada, sinalizando seu interesse no cuidado com a vida e o bem viver da comunidade. É médico graduado pela Universidade Fede-ral de Juiz de Fora (UFJF). Ainda na área clínica, é especializado em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria e doutor em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).


Em sua atuação voltada para práticas administrativas, é bacharel em Direito pela Faculdade de Ciências Contábeis e Jurídicas Vianna Júnior, também em Juiz de Fora. Na mesma instituição de ensino, especializou-se em Didática e, pela Pontifícia Universidade Católica do Estado de Minas Gerais (PUC/MG), é especializado em Controle Externo e Avaliação da Gestão Pública.


Na vida política, atuou como deputado estadual, vice-prefeito de Juiz de Fora e secretário de Estado de Saúde, somente para citar algumas experiências. As maneiras de reconhecimento do valor do seu trabalho são várias, demonstradas pelas condecorações e troféus que recebeu.


Entre as mais recentes, destacam-se o Diploma de “Enccellenza Legale”, entregue durante o XI Encontro Internacional de Juristas (Itália-Roma, 2014); a Medalha da Inconfidência, no mesmo ano; e, em 2015, o Troféu Tancredo Neves e o Troféu Profeta de Aleijadinho.
 

Stefan Bogdan Salej

Empresário que adquiriu expertise com muita prática e a famosa “mão na massa”, Stefan Salef ajudou a criar empresas e iniciativas de sucesso em todo o país. O esloveno chegou ao Brasil em 1960, junto com a família, e estabeleceu residência em Belo Ho- rizonte, cidade onde realizou algumas das suas principais conquistas.


Em 1994, fundou a Escola Técnica de Formação Profissional do Sebrae-MG, utilizando-se de um modelo de ensino inédito no país – baseado na educação de profissionais para atuar em pequenas e médias empresas, de forma a desenvolver companhias desse porte.


Ainda dentro desse modelo, Salej defende também que, quanto mais jovem se der o início da vida profissional, melhor. O empresário constatou que, graças a esse sistema de educação, a vida útil das empresas foi ampliada e outros ganhos também surgiram – como o aumento da eficácia em processos de sucessão. De forma direta, isso impactou positivamente na competitividade das empresas.


Ainda no Brasil, fundou as empresas Selpe e Tecnowatt. Embora hoje não tenha mais participação nessas organizações, o fato de continuarem ativas no mercado é um indicativo de sucesso, possivelmente proveniente de fortes bases firmadas na fase estrutural da empresa.


No período em que esteve fora do país, acompanhando a jornada diplomática de sua esposa, Salej foi convidado pelo governo da Eslovênia a se tornar embaixador para a América Latina e Caribe. Posteriormente, assumiu o cargo de diretor geral de um centro voltado para apoio a empresas públicas, fundado pelas Nações Unidas. Atualmente, Salej preside a empresa Salej Desenvolvimento Empresarial, que atua a partir do lema: “a nossa experiência para o seu sucesso”.
 

3 – Medalha Presidente Tancredo de Almeida Neves
Liberdade, Democracia e Desenvolvimento

Braulio José Tanuz Braz

Natural de Muriaé, município de Minas Gerais, Braulio José Tanus Braz, possui uma história de vida voltada para o trabalho, perseve- rança e crença absoluta em sua capacidade pessoal.


Nascido em 21 de setembro de 1948, filho de José Braz e Lédia Tanus Braz, iniciou sua carreira profissional em 1967, aos 18 anos, na Líder Comércio e Indústria, Concessionária Chevrolet, em sua cidade natal. Desde então, desenvolveu-se em suas atividades administrativas até assumir o cargo de presidente do Conselho Deliberativo do Grupo Líder. Casou-se com Elizabeth Mendonça Braz e tem três filhos.


Braulio Braz participou da criação das empresas de sua família e foi se aperfeiçoando como um empresário do ramo automotivo. Mesmo logrando êxitos frente às empresas, em 2007, ingressou na vida política. Elegeu-se, com 92.072 votos, pelo Partido Trabalhista Brasileiro, para deputado Estadual de Minas Gerais.


No ano de 2010, foi reeleito, com 102.530 votos. Braulio Braz foi o parlamentar mais bem votado da história da Zona da Mata e o sexto em todo o Estado.
De 3 de janeiro de 2011 a 25 de outubro de 2012, assumiu o cargo de Secretário de Estado de Esportes e da Juventude. Sua gestão foi de grande destaque, com a ampliação e elaboração de diversos programas e projetos. Em 2014, foi reeleito para exercer seu terceiro mandato consecutivo, com mais de 93 mil votos. Na cerimônia de instalação da 18ª Legislatura, foi eleito 3º vice-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.


Desde o seu primeiro ano de mandato, o trabalho do deputado é voltado para o compromisso de desenvolver uma nova mentalidade no legislativo mineiro, com uma política que visa atender aos anseios da população por meio de ações concretas, que geram resultados. Com uma atuação eficiente, Braulio Braz tem cumprido os seus planos e projetos direcionados aos interesses dos municípios de sua base de atuação.

Eduardo Guimarães Andrade

Atuante na arte do Direito desde a década de 1970, Eduardo Guimarães Andrade é desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) desde 2001. Antes de chegar ao cargo de desembargador do TJMG – hoje é o sétimo mais antigo dos atuais 130 membros –, atuou como advogado por 29 anos e foi nomeado juiz do hoje extinto Tribunal de Alçada, em 1996.


Belo-horizontino, nascido no dia 5 de março de 1945, filho de Odilon de Azevedo Andrade e Rosalina Leda Guimarães Andrade e casado com Rosany Dolabella Machado Andrade, Eduardo Andrade graduou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais, em 1969. Começou a trabalhar ainda jovem, no ano de 1959, como mensageiro do Instituto de Resseguros do Brasil. Dois anos mais tarde, passou a escriturário do Banco de Crédito Pessoal do Brasil S/A, onde estagiou e iniciou sua carreira como advogado.


Ao longo de sua trajetória, desempenhou diversas funções, tais como: chefe de Gabinete e Assessor Jurídico do Secretário de Estado do Interior e Justiça de Minas Gerais, assessor de Planejamento e Coordenação - Secretaria de Estado do Interior e Justiça de Minas Gerais (1971/76) e diretor da Penitenciária de Mulheres “Estevão Pinto” - Belo Horizonte/MG (1971/76).


No magistério, lecionou na cadeira de Direito Processual Civil da Faculdade de Direito – Fundação de Ensino Superior de Itaúna/MG, de 1975 a 1982; foi professor da Escola de Advocacia da OAB/MG, em 1992; e professor do curso Judicare (1999). No exercício da magistratura, atuou ainda como presidente da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Alçada de Minas Gerais e como presidente da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais até a aposentadoria, em 04 de março de 2015.


Entre as menções honrosas recebidas estão o Prêmio Erasmo Barros de Figueiredo - OAB/MG (1982), a medalha da Inconfidência - grau Medalha de Honra - Ouro Preto/MG (2008) e a medalha de Mérito Eleitoral Des. Vaz de Mello -  Outorgada pelo TRE/MG - BH/MG. Proferiu inúmeras palestras sobre temas jurídicos em Congressos e Faculdades de Direito e é autor de vários artigos publicados em Revistas Jurídicas Especializadas.

Gustavo Fraga Brandão Paulus

Gustavo Paulus é bacharel em Administração com ênfase em Marketing pela Universidade Paulista. Desde agosto de 2013, é diretor exe- cutivo da Record Minas, dando continuidade à gestão de Fabiano Freitas.


Sua carreira nos meios de comunicação teve início em 2005, na Rádio Riviera, em Goiás. Já dentro da Rede Record, acumulou experiência atuando como executivo na TV Cabrália, na Bahia, e em seguida, na TV Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Atuou também como diretor de Projetos Interativos da Rede Record, em 2008.


Aplicou seus conhecimentos de gestão na empresa paulista Brasiltec, entre 2009 e 2012, onde exerceu as funções de CEO e de sócio diretor. Ainda em São Paulo, desenvolveu atividades no segmento de consultoria, como sócio diretor na LM Empresarial e na TGD Consultoria Estratégica Ltda.


De volta a Rede Record, assu- miu a presidência do Grupo Record do Rio Grande do Sul, em 2013, e foi também membro do Conselho Consultivo da emissora, em São Paulo, até receber o convite para trabalhar em Minas Gerais como diretor exe- cutivo empresa de comunicação.


Por sua experiência como profissional de destaque no segmento de comunicação social foi homenageado pela Câmara de Vereadores de Belo Horizonte, em novembro de 2014, com o Grande Colar do Mérito Legislativo, maior honraria concedida pelo Parlamento Municipal.


A gestão de Paulus na Record Minas é marcada pela proximidade da emissora com o telespectador, associada a uma programação de qualidade. Como resultado, o crescimento dos índices de audiência e o aumento da importância da emissora no cenário nacional, além da inauguração da Afiliada Record na cidade de Varginha, no sul de Minas Gerais.

4 – Medalha Presidente Itamar Augusto Cautiero Franco
Estabilidade e Crescimento Econômico


Apolo Heringer Lisboa

Apolo Heringer Lisboa graduou-se em Medicina, em 1967, pela UFMG, possui Mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993), na área de Epidemiologia, e doutorado em Educação pela FAE/UFMG, área de Conhecimento e Inclusão Social.
É idealizador e fundador (1990) do Projeto Manuelzão, que mobiliza a sociedade para a recuperação hidro ambiental do Rio das Velhas (MG), com o objetivo geral de transformar a mentalidade cultural na população desta bacia hidrográfica.


É professor no Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da Universidade Fe- deral de Minas Gerais, como preceptor do Internato em Saúde Coletiva (antigo Internato Rural). Ambientalista, mobilizador e formulador político, escritor, com livros e artigos de divulgação am-pla na área literária, médica e política. Foi membro fundador do CBH SF e presidente do CBH Rio das Velhas.


Desde junho de 1980 é membro da coordenação e supervisor do Internato Rural, lecionando esta disciplina em seu conteúdo curricular teórico e no trabalho de campo. Nesta função, foi responsável por inúmeros cursos de formação de auxiliares de saúde dos “minipostos em áreas não-urbanas”. Além disso, é idealizador e organizador da Comissão Popular de Saúde do Nordeste Mineiro, criada em 1984, que reúne periodicamente as Comissões de Saúde da região.


Possui diversos trabalhos publicados, além de atuação em comissões, palestras e produções técnicas, científicas e culturais apresentadas em congressos, simpósios e seminários. Médico com responsabilidades clínicas e encargos docentes, em enfermarias, lecionou também pneumologia, de 1974 a 1978, no “Centre Hospitalier Universitaire Issad Hassani”, da Universidade de Argel - Argélia.


Atuou ainda como coordenador do Setor Leste da estrutura ambulatorial de luta anti-tuberculose e anti-hidatidose do município de Argel, capital da Argélia, de 1977 a 1978, atividade coordenada entre o Ministério da Saúde e o Hospital Universitário Issad Hassani.

Helvécio Miranda Magalhães Júnior



Helvécio Magalhães é médico graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), especialista em Clínica Médica e em Epidemiologia e doutor em Planejamento de Saúde pela UNICAMP.


Atual secretário de Estado de Planejamento e Gestão, exerce atividades em saúde pública e administração pública desde 1989. Já ocupou diversos cargos, entre os quais diretor do Departamento de Planejamento e Coordenação de Ações de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, de 1991 a 1993; coordenador do Núcleo de Epidemiologia da SMSA, de 1993 a de 1994; representante da SMSA no Grupo Executivo das Áreas de Risco da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, de 1993 a 1998; coordenador de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, de 1999 a 2000.


Helvécio Magalhães foi secretário Municipal de Saúde de Belo Horizonte, durante a gestão de Fernando Pimentel (PT), entre 2003 e 2008. Já no primeiro mandato de Marcio Lacerda (PSB), assumiu o posto de Secretário Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação, de 2009 a 2010.


No governo federal, exerceu a função de Secretário Nacional de Atenção à Saúde na gestão da presi- dente Dilma Rousseff, entre 2011 a 2014. Como profissional de saúde, trabalhou no Centro de Saúde do bairro Tirol, entre 1987 e 1989; no setor de Clínica Médica e Tisiopneumologia do Hospital Eduardo de Menezes, de 1987 a 1992; integrou a equipe de Clínica Médica do Hospital do Advogado Mineiro (Hospital Santo Ivo) de 1987 até 2000; foi médico voluntário do Ambulatório Periférico Carmo-Sion e Professor Colaborador de Clínica Médica de Urgência da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, de 1991 a de 1993, entre outros lugares.
 

José Fernando Aparecido de Oliveira

José Fernando Aparecido de Oliveira é bacharel em Direito e pós-graduando em Direito Ambiental Minerário pela PUC-MG. Sua dedicação para atuar na vida pública pela defesa de nossas riquezas naturais e culturais vem de berço. É filho de José Aparecido de Oliveira, que foi secretário de Estado, Ministro, Embaixador e Governador do Distrito Federal.


José Fernando foi prefeito do município de Conceição do Mato Dentro por dois mandatos: de 2001 a 2005, sendo reeleito em 2005. Deixou a prefeitura do município mineiro, e o PMDB para se candidatar a Deputado Federal pelo Partido Verde, mandato que assumiu em 2007. Deixou de concorrer à reeleição em 2010, para candidatar-se à governador de Minas Gerais pelo Partido Verde, ficando em 3º lugar no pleito.


No Congresso Nacional, foi pre- sidente da Frente Parlamentar em Defesa da Cultura; secretário geral da Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Têxtil; presidente da Comissão Especial dos Países de Língua Portuguesa, tendo participado como membro fundador da criação do Parlamento dos Países de Língua Portuguesa, e foi um dos seus seis primeiros membros representantes do Brasil na entidade. Foi também membro titular nas Comissões de Minas e Energia e de Relações Exteriores e Defesa Nacio- nal. Relatou o Acordo Internacional do Café, o que contribuiu para que o Brasil assumisse a Presidência da Organização Internacional do Café (OIC).


Atualmente, é membro do Conselho de Administração da Fundação Oscar Niemeyer, conselheiro da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte e presidente do Conselho Diretor do Programa Mineiro de Incentivo à Produção de Aguardente - PRÓ-CACHAÇA.
 

Marcelo Piancastelli de Siqueira

Marcelo Piancastelli de Siquei-ra é natural de Belo Horizonte, formado em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pós-graduado em Economia pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica da Universidade de São Paulo, mestre em Economia pela Universidade de Manchester e PhD em Economia pela Unidade de Kent (Inglaterra). Cursou pós-doutorado na University of Kent - Keynes College.


Siqueira possui uma longa trajetória na carreira de docente. Já foi professor de Macroeconomia no curso de pós-graduação em Economia na Universidade do Ceará; professor de Macroeconomia no Centro de Planejamento e Desenvolvimento Regional (Cedeplar), na UFMG; e professor adjunto de Macroeconomia e Comércio Internacional do Departamento de Economia da mesma instituição.


Além disso, já trabalhou como assessor do gabinete do Ministro da Fazenda, no setor de política monetária; foi assessor-chefe da Assessoria Econômica e Tributária da Secretaria da Fazenda de Minas Gerais; atuou como coordenador-chefe da Assessoria Econômica do Ministério da Indústria e do Comércio.
No setor privado, foi diretor da Brasteel (Bélgica), onde atuou como diretor da contraparte brasileira de projeto para instalação de centro de serviços de processamento de aço para exportar para a comunidade europeia; diretor do Grupo Bom Dia, onde era o responsável pelas importações do grupo para distribuição no mercado interno e também pelas negociações de importações da Argentina, Estados Unidos, Taiwan, China e Dinamarca.


Entre os cargos exercidos mais recentemente estão o de secretário da Fazenda do Distrito Federal, secretário de finanças da Prefeitura de Belo Horizonte e presidente da PBH Ativos, empresa imobiliária da Prefeitura da capital mineira. Entre os livros publicados estão “Aspectos da Política Econômica Recente no Brasil”, em Teoria Econômica – Análise e Prática, da Zahar Editores.
 

Paulo Roberto Lamac Júnior

Os princípios que norteiam a atuação do deputado Paulo Lamac (PT) são Educação, Cidadania e Paz. Mas é fácil perceber que, desde antes de iniciar sua trajetória política, o deputado tem envolvimento com assuntos referentes a estas pautas. Ele é um dos fundadores da Associação Pré-UFMG – institui- ção sem fins lucrativos que facilita o acesso de estudantes de baixa renda às universidades públicas.


Em 2004, deu início à sua carreira política, sendo eleito vereador de Belo Horizonte. No mesmo ano, foi vice-líder de governo. Em 2008, colheu os frutos de seus esforços: foi reeleito, alcançando a terceira maior votação daquela legislatura, e foi escolhido secretário-geral do Conselho Municipal de Educação.
De 2009 a janeiro de 2011, foi líder do prefeito Márcio Lacerda na Câmara. As principais regiões de atuação política são a Central e a Zona da Mata. Os municípios de maior votação foram Belo Hori- zonte, Ribeirão das Neves, Ibirité, Viçosa e Contagem.


Ainda como membro da Câmara Municipal, Lamac encabeçou projetos inovadores que buscavam solução para questões diretamente relacionadas ao cotidiano da população de Belo Horizonte. Destacam-se, entre eles, a lei de incentivo ao reaprovei- tamento do óleo de cozinha, o meio passe para os estudantes e o reuso da água.


Atualmente, Lamac exerce seu segundo mandato como deputado da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), onde preside a Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia. Mais uma vez, assuntos diretamente relacionados ao bem-estar e desenvolvimento da comunidade são grande parte da sua área de atuação: na sua legislatura anterior na ALMG, foi presidente das comissões Especial para o Enfrentamento do Crack e de Assuntos Municipais e Regionali- zação, além de vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos.


Entre os reconhecimentos que obteve do seu trabalho destacam-se a Medalha do Mérito Legislativo e Medalha Alferes Tiradentes, entre- gue pela ALMG.
 

5 – Medalha José Alencar Gomes da Silva
Dinamizadores do Progresso

Antônio José Vieira

Formado em Física e Matemática pela Universidade de Mogi das Cruzes, em São Paulo, Antônio José Vieira é diretor presidente da Higident do Brasil, sediada em Itajubá, Minas Gerais, desde 1976. A empresa é pioneira na fabricação de sabonetes infantis, cosméticos e de higiene pessoal, e atua no mercado há 43 anos, 30 deles em Minas Gerais.


O homenageado também está à frente da Água Mineral Serra da Mantiqueira, instalada em Delfim Moreira, Minas Gerais, desde 2009, e da AJV Empreendimentos, desde 2010, além de ser produtor rural na produção de café, leite, hortifrutigranjeiros e criador de gado de corte desde 1980. Sua vasta trajetória profissional inclui a atuação como diretor geral da Wamper Indústria de Máquinas Gráficas e Ferramental, da Jacinto Zimbardi, da Associação Brasileira das Indústrias de Sabão (ABISA), da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Itajubá e da Câmara de Dirigentes Lojistas da mesma cidade.


Foi também vice-presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Pedralva, membro da Associação Brasileira dos Criadores de Gado Girolando, membro colaborador da Santa Casa de Misericórdia de Itajubá e do Hospital Escola de Itajubá, além de professor de Física e Matemática ao longo de 12 anos.
Já foi agraciado com diversas condecorações e homenagens. A mais recente delas foi concedida pelo Governo do Estado de Minas Gerais e pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais, que deram a ele o título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte. Recebeu também, em 2014, a comenda Industrial do Ano pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg).


É casado com Maria de Lourdes Gleriano Vieira e pai de Fabiana Vieira, Lincon Antônio Vieira, Roggers Antônio Vieira e Robson Antônio Vieira.
 

Armando Gonçalves Costa

Mineiro de Felixlândia (MG), Armando Gonçalves da Costa é um médico cuja trajetória é marcada pelo espírito político e pela defesa dos interesses públicos em episódios importantes da vida política de Minas e do país.


Foi deputado estadual de Minas Gerais durante duas legislaturas consecutivas (1983-1987 e 1988-1991), liderando a Bancada Esta- dual do PMDB como membro das Comissões de Saúde, Constituição e Justiça e Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).
Foi também deputado federal por Minas Gerais, por duas legislaturas consecutivas (1991-1995 e 1995-1999), trabalhando como pre- sidente da CPI da Fome da Câmara Federal. De 1993 a 2001, presidiu o PMDB mineiro, participando de importantes decisões para o estado. Nascido no ano de 1940, é filho de Manoel Clarindo Costa e Maria Gonçalves da Fonseca e pai de Rodrigo de Toledo Alves Costa, Lorena Vasconcelos Caxito Costa e Armando Gonçalves Costa Júnior.


Formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 1969, desenvolveu suas aptidões como médico atuando em diversas instituições, como o Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS), o Sindicado dos Fluviários do Rio São Francisco e na União Auxiliadora dos Cegos. Em 1999, aliou seus conhecimentos e experiências como secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais.
Sua trajetória na vida política, assim como fatos polêmicos em que foi um dos protagonistas, estão des- critos em seu livro, “Um médico nos bastidores da política”, lançado em 2013.


Entre as dezenas de honrarias já recebidas por Costa, estão a Meda- lhas do Mérito Especial (ALMG-1985), a Medalha da Inconfidência, o Grande Colar do Mérito Legislativo Municipal (2013), as homenagens prestadas pela Universidade de Minas Gerais (1999) pela estimável contribuição ao desenvolvimento do SUS e a formação de professores na área da saúde, a homenagem prestada pela FIEMG pelos relevantes serviços prestados à classe industrial de Minas Gerais e os títulos de Cidadão Honorário de Pirapora, Jequitaí, Morada Nova de Minas Buritizeiro e Três Marias.

 

Henrique Luz
 

Henrique Luz é bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade Cândido Mendes/RJ. É sócio e membro do Comitê Executivo de Liderança da PwC Brasil. Desde 2001 atua como líder da área de Clientes & Mercados no Brasil. Possui 40 anos de experiência em auditoria e consultoria a grandes empresas nacionais e internacionais. Iniciou sua carreira na PwC no Rio de Janeiro, como trainee em 1975, tornando-se sócio em 1988. Trabalhou no escritório de Londres no período de 1979 a 1981.


Há muitos anos, atua como conselheiro de instituições como o MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo e MAM do Rio de Janeiro, além da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). É ex-presidente do Conselho da Junior Achievement São Paulo (JASP) e do Clube de Campo de São Paulo (CCSP). Ex-vice-presidente da Federação Paulista de Golfe e atual vice-presidente da Confederação Brasileira de Golfe. Também foi Conselheiro da Fundação Margaret Mee.


É membro do Instituto Brasi- leiro de Governança Corporativa – IBGC e do Instituto dos Audi-tores Independentes do Brasil – IBRACON. Atualmente, exerce a função de presidente do Conselho do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças - IBEF SP, onde também atuou como presidente nacional.
Henrique Luz é ex-presidente do Conselho da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Admi-nistração e Contabilidade – ANEFAC; ex-conselheiro e vice-presidente do Conselho Regional de Conta- bilidade do Estado do Rio de Janeiro, e ex-vice-presidente do Instituto Brasileiro de Auditores Independentes (RJ) - IBRACON.


É coautor do livro “Capital e Trabalho no Brasil”. Por sua atuação profissional foi agraciado com a Medalha Pedro Ernesto pela Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro e com a cidadania honorária da cidade de São Paulo. É casado com Celia de Souza Fernandes Luz, pai de Nicholas, Clarissa, Marcela e Maria Isabel.
 

Leonardo Lemos Barros Quintão

Leonardo Lemos Barros Quin-tão nasceu em Taguatinga (DF) e é filho de Sebastião de Barros Quintão e Helena Lemos Quintão. Até os nove anos, viveu em Ipatinga (MG) e logo em seguida a família mudou-se para Belo Horizonte, onde cursou o ensino fundamental no Pitágoras.


Aos 16 anos, foi para os Estados Unidos, onde estudou na Winter Park High School, passou os dois primeiros anos na faculdade de Economia na Valencia Community College e formou-se na Universidade Central da Flórida. Também fez intercâmbio na Universidade Pública da Suécia – Uppasala. Em 1999, voltou ao Brasil e em janeiro do ano seguinte casou-se com a farmacêutica Poliana Madalon Fraga Quintão, com quem tem três filhos.


Quintão iniciou sua carreira política em 2001 como vereador de Belo Horizonte e destacou-se com o maior número de proposições em sua legislatura na Câmara Municipal. Eleito Deputado Estadual em Minas Gerais nos anos de 2003 a 2007, foi considerado um dos parlamentares mais atuantes na Assembleia Legislativa.


Atualmente, é deputado federal pelo 3° mandato consecutivo. Nos seus 12 anos de mandato tem sido um defensor das micro e pequenas empresas e trabalhado pela reforma tributária com foco no fim da subs- tituição tributária e redução dos impostos.


Foi o relator da proposta e membro da Comissão Especial que analisou o projeto de alteração do Supersimples e possibilitou a inclusão do setor de serviços no regime do Simples Nacional. Quintão também é coordenador da Frente Parlamentar das Micro e Pequenas Empresas em Minas Gerais e o relator do Projeto de Lei que cria o novo Código de Mineração.

 

6 – Medalha Bernardo Mascarenhas
Construtores do Desenvolvimento

 

Alexandre Moreira M. de Almeida

Alexandre Moreira Martins de Almeida é graduado em Engenharia Metalúrgica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pós-graduado em Administração Financeira pela Fundação João Pi-nheiro, mestre em Ciência da Computação, na área de Matemática Computacional também pela UFMG, e tem participação em Programas de Desenvolvimento em Gestão de Negócios como o PGA – Programa de Gestão Avançada e STC - Skills, Tools and Competences.


O homenageado é diretor presi- dente da Itambé Alimentos, terceira no ranking dos maiores laticínios do Brasil. Com mais de sete mil produtores de leite de Minas Gerais e Goiás, a empresa possui cinco fábricas, dez centros de distribuição e 3.050 cola- boradores, com exportação para mais de 90 países e mais de R$ 2 bi-lhões de faturamento anual.


Hoje controlada pela Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR) e pela Vigor, a Itambé tem boas perspectivas para 2015, que incluem um investimento de mais R$ 75 milhões, depois de um aporte de R$ 70 milhões em 2014.


Antes de ocupar o atual cargo, foi diretor executivo da JBS S.A., presidente e membro do Comitê Exe- cutivo Global e do Comitê Global de Recursos Humanos da Novelis South America, além de diretor superintendente da Alcan Composites Brasil. Atuou também em diversas funções na Líder Taxi Aéreo, como diretor presidente, diretor financeiro e ge-rente administrativo financeiro, entre outras empresas.   


É casado com Mônica Ruas Martins e pai de André Ruas Martins de Almeida, Felipe Ruas Martins de Almeida e Júlia Ruas Martins de Almeida.

Altamir Rôso de Araújo Filho

Altamir de Araújo Rôso Filho nasceu em Uberaba, Minas Gerais, em 13 de julho de 1959. Filho de Altamir de Araújo Rôso e Benedita Pereira Rôso, o homenageado é casado com Alessandra Maria da Silva Rôso, com quem tem dois filhos Guilherme Silva Araújo Rôso e Fernanda Silva Araújo Rôso.
Rôso Filho é graduado em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômicas do Triangulo Mineiro e em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia do Triangulo Mineiro, hoje Universidade de Uberaba. Além disso, é pós-graduado em Controladoria e Finanças pela Faculdade de Ciências Econômicas do Triangulo Mineiro.


Iniciou suas atividades profissionais como engenheiro civil na Fosfertil – Fertilizantes Fosfatados S/A e, posteriormente, atuou como servidor público na Prefeitura Municipal de Uberaba, como engenheiro e diretor do Departamento de Obras da Secretaria Municipal de Obras.
Altamir de Araújo Rôso Fi-lho foi presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon) no biênio 2004 e 2005, onde teve como princípio de trabalho a união dos empresários do setor, o que resultou no fortalecimento e reconhecimento da entidade como legítima repre-sentante da classe.


Também foi presidente do Centro das Indústrias do Vale do Rio Grande (CIGRA), no biênio 2006 e 2007, e diretor da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), de 2005 a 2010, como re- presentante da indústria Uberabense junto à entidade em Belo Horizonte.
Ocupou os cargos de vice-pre- sidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Vale do Rio Grande, diretor Associação Comercial Industrial e de Serviços de Ube- raba (ACIU) e da Associação das Empresas dos Distritos Industriais I e II (ASSEDIU).


É membro da loja maçônica Sete Colinas e, atualmente, diretor admi- nistrativo e um dos proprietários da RCA Construtora Ltda., empresa que vem atuando desde 1994 em Uberaba e região. É também vice-presidente regional da Federação das Indústrias de Minas Gerais e presidente da Fiemg Regional Vale do Rio Grande, em seu segundo mandato.

Fábio Mascarenhas Alves

Fábio Mascarenhas Alves nasceu em Belo Horizonte, em 12 de fevereiro de 1963. É casado com Adriana Pi-nheiro Machado. Graduado em Engenharia Mecânica, com ênfase em Produção, pela Escola de Engenharia da UFMG (1985), com pós-graduações em Engenharia Econômica (Fundação Dom Cabral) e em Administração Financeira pela mesma instituição. Possui MBA em Finanças pelo IBMEC e cursou o Programa de Gestão Avançada, promovido pela Fundação Dom Cabral em parceria com o Insead (França).


Iniciou sua carreira como engenheiro orçamentista na Tratex-Civeletro, em Belo Horizonte. Na mesma empresa, migrou para a área financeira, chegando a gerente financeiro. Foi gerente-geral da AGM Corretora de Títulos e Valores, diretor de Desenvolvimento no Banco Emblema e diretor Administrativo-Financeiro na Tom Comunicação.


No período 1999 a 2005, foi membro do Conselho de Administração da Cia. de Fiação e Tecidos Cedro e Cachoeira e da Cia. de Fiação e Tecidos Santo Antônio. Desde julho de 2006, exerce o cargo de diretor Administrativo-Financeiro e de Relações com Investidores dessas empresas. Sob sua responsabilidade estão as áreas financeira, controladoria, administrativa, tecnologia da informação, jurídica e de relações com investidores.


É membro do Conselho Diretor da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca) e diretor financeiro do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte. Em 2011, foi agraciado com a Medalha do Mérito Industrial, concedida pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg).

Luiz Henrique Andrade Araújo

Luiz Henrique Andrade de Araújo é bacharel em Administração de Empresas e em Direito. É presidente e membro do Conselho de Administração do Banco Mercantil do Brasil. Atua há 35 anos no mercado financeiro, tendo exercido várias funções nas empresas do Grupo Mercantil do Brasil ao longo desse período, como diretor adjunto e diretor regional, diretor executivo, diretor executivo da Mercantil do Brasil Leasing SA.


Atuou ainda como diretor-pre- sidente da Eletrodados Corretora de Seguros e Previdência Privada S.A. e foi membro do Conselho Executivo da Sasa Serviços Administrativos S.A. Iniciou sua carreira atuando no Banco de Investimentos desse conceituado grupo financeiro mineiro, passando pela Financeira e por diversos cargos no banco comercial, até alcançar a posição atual de presidente e membro do Conselho de Administração do Banco Mercantil do Brasil.
Com larga experiência, notadamente no campo das relações bancárias com grandes grupos empresariais, desenvolveu aptidão e competências próprias para a liderança que hoje exerce à frente de um grupo com mais de R$12 bilhões de ativos 3.000 colaboradores.


Além do comando do grupo Mercantil do Brasil, sempre ocupou liderança nas entidades de classe dos bancos, sendo atualmente o presidente do Sindicato dos Bancos de Minas Gerais.

Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco

Nascido em Belo Horizonte, Marco Antônio Soares da Cunha Castello Branco é engenheiro metalurgista formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutor em Engenharia Metalúrgica pela Technische Univertität Clausthal (Alemanha).


Atualmente, exerce o cargo de diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig); é membro do Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), da Diferencial Energia Participações S.A. Também atua no Conselho Consultivo da Hydac Tecnologia do Brasil.


Entre março de 2006 a maio de 2008 foi membro da diretoria estatutária da Vallourec S.A. Logo em seguida, assumiu a presidência das Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A, onde permaneceu até abril de 2010, paralelamente ao cargo de membro do conselho de Administração da Ternium S.A. Também atuou como membro do comitê executivo da Vallourec S.A e diretor-presidente da V&M France S.A.S, ambos na França; foi presidente do Conselho de Administração da V&M do Brasil S.A, em Belo Horizonte; e diretor-presidente da V&M Deutschland, na Alemanha.


Marco Antônio já recebeu diversos reconhecimentos por sua trajetória, como a Grande Medalha da Inconfidência e a Medalha Santos Dumont. Além disso, é cidadão honorário de Curvelo desde 2008 e Industrial do Ano, eleito pela Fiemg, em 2010.

 

Maria Lúcia Clementino Nunes


Maria Lúcia Clementino Nunes, a Dona Lucinha, nasceu em Serro (MG), em 1932. Nos anos em que viveu em sua terra natal atuou como catequista, professora, salgadeira, doceira, feirante, diretora escolar e ve- readora. Tudo isso sendo mãe de 11 filhos.


Como professora e diretora, desenvolveu um belo trabalho em uma escola local criando um “Clube Agrícola”, onde foram plantadas hortas, feitos viveiros de mudas, criação de galinhas e produção de ovos, além da criação de uma vaca. Tudo isto para contribuir na alimentação dos alunos e, ao mesmo tempo, integrá-los às práticas agropecuárias. Seu destaque na educação lhe rendeu frutos: foi a vereadora mais votada da cidade.


A partir destas experiências foi criado, em 1990, um restaurante de comida típica em Belo Horizonte – que leva seu nome, pensado para criar um ambiente que é, ao mesmo tempo, típico da arquitetura e da decoração colonial mineira, mas que mantivesse sua preocupação visceral: preservar as tradições e sabores mineiros do século XVIII.  Diante do sucesso do primeiro, outros restaurantes foram sendo abertos e a fama da sua cozinha se espalhou por Minas e por todo o país.


Dentre suas obras de caráter social destaca-se o Projeto Sopão: uma grande sopa feita diariamente com os caldos, talos e a reserva de cada almoço e jantar, levada pela polícia militar às favelas. Deste trabalho, resultou a fundação do Instituto Dona Lucinha (IDL) que presta relevantes serviços à população carente.
 

7 – Medalha Economista Paulo Camilo de Oliveira Penna
Reconhecimento pelo Desempenho da Atividade Econômica

Adair Evangelista Marques

Adair Evangelista Marques possui graduação em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (1975) e especialização em Preservação de Bens Culturais Móveis pela mesma instituição (1979), entre ou-tras. Desde setembro de 2014, é superintendente de Desenvolvimento Industrial da Federação das Indús- trias do Estado de Minas Gerais. Antes disso, ocupou os cargos de superintendente Interino e assessor executivo do Instituto Euvaldo Lodi.


Foi diretor de Planejamento, Gestão e Finanças e chefe de Gabinete do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg), além de diretor exe- cutivo da Associação dos Joalheiros, Empresários de Pedras Preciosas, Relógios e Bijuterias de Minas Gerais e coordenador Sindical do Sindicato das Indústrias de Joalheria, Ourivesaria, Lapidação de Pedras Preciosas e Relojoarias no Estado de Minas Gerais, entre diversos outros cargos.


Já recebeu diversas distinções conferidas em reconhecimento de atividade intelectual, como a Meda- lha da Inconfidência de Minas Gerais, o Prêmio Perfil 1997 – SINDIJÓIAS / AJOMIG, a Comenda Antônio Francisco Lisboa - Congonhas-MG, além de ter sido eleito “Membro da “Ame- rican Chemical Society” em 1988.


Nascido em Itabirito, é casado com Maria da Glória Evangelista Marques e pai de Cibele Marques Faria e Paulo Márcio Evangelista Marques.
 

Flávia Mourão Parreira do Amaral

Flávia Mourão é graduada em Engenharia Civil pela UFMG com pós-graduação em Engenharia Sanitária e em Democracia Participativa, também pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente, é diretora-geral da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, função que assumiu em junho de 2015.


Engenheira do quadro efetivo da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, e tendo como principais áreas de atuação o planejamento urbano e a gestão pública, exerceu diversos cargos na administração pública municipal.


Reconhecida por sua competência e domínio das áreas em que atua, Flávia foi secretária municipal adjunta de Atividades Urbanas entre 1997 e 2000, durante o mandato de Célio de Castro (PSB). Já na administração seguinte, sob a gestão de Fernando Pimentel (PT) na Prefeitura de Belo Horizonte, foi secretária municipal de Meio Ambiente, no período de 2004 a 2008. No primeiro mandato de Marcio Lacerda, atuou como gerente de Planejamento do Desenvolvimento Metropolitano na Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças, de 2009 a 2011; e como secretária de Administração Regional Venda Nova, entre os anos de 2011 e 2012.


Flávia atuou ainda como professora convidada no curso de MBA de Gestão Estratégica em Engenharia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, em 2009. A engenheira participou ativamente de órgãos consultivos da Prefeitura de Belo Horizonte, como Conselho Municipal de Política Urbana – COMPUR, 1997 a 2008; Conselho Municipal de Meio Ambiente – COMAM, de 1997 a 2008; e Conse-lho Municipal de Políticas para a Pessoa com Deficiência, a partir de 2012, entre outros. Fez ainda parte do Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA, no período de 2005 a 2008.

 

Lúcio José de Figueiredo Sampaio
 

Lúcio José de Figueiredo Sampaio, nascido em Teófilo Otoni, é formado em Ciências Administrativas pela Faculdade Una, fez cursos na área de Administração na Boston University e na Northeastern University em Boston-Massachusetts. Na Telemig, em Belo Horizonte, foi gerente da área responsável por todas as normas operacionais e controle das res- pectivas métricas.


Já foi diretor administrativo, financeiro, regional, de desenvolvimento de negócios internacionais e de suprimentos da Contrutel (empresa de engenharia e projetos de telecomunicações). Participou de diversas feiras de telecomunicações no Brasil e exterior. Dentre as internacionais, destaca-se a World Telecom em Genebra, na Suíça, a America’s Telecom em Acapulco, no México, e Africa’s Telecom em Johannesburg, na África do Sul.


Como gerente adjunto do projeto “Empresa Mineira Competitiva”, executado pelo do Governo de Minas Gerais, coordenou a implantação de unidades de Atendimento ao Empreendedor – Minas Fácil - em diversas cidades mineiras, bem como a simplificação do processo de abertura de empresas no Estado. Foi chefe de gabinete da presidência da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), destacando atividades intensas com os líderes da empresa e gestores do governo para o crescimento da indústria de Minas Gerais.


Também atuou como diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) - Departamento Regional de Minas Gerais, tendo como atividade de destaque a transição do CETEC para o SENAI, a implantação de três “Institutos Senai de Inovação”, cinco “Institutos SENAI de Tecnologia”, além da implantação de 14 Escolas de Técnicas Industriais e atualizacão do parque tecnológico de várias unidades do SENAI no estado. Atualmente, ocupa o cargo de superintendente do Serviço Social da Indústria – Departamento Regional de Minas Gerais.

Luiz Gustavo Miranda Lage

Luiz Gustavo Miranda Lage foi eleito presidente do Minas Tênis Clube (MTC) para o triênio 2014/2016. Iniciou carreira esportiva na escolinha do MTC em 1969, passando por todas categorias da base até chegar a equipe principal. Participou dos Jogos Olímpicos de Moscou em 1980, tendo atuado por diversos anos na seleção brasileira de basquete. Ingressou na diretoria do Minas em 2008, exercendo o cargo de diretor geral de Esportes por seis anos.


Lage é formado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), com especialização em mercado de capitais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Também possui vasta experiência no mercado financeiro, tendo trabalhado por muitos anos em São Paulo e Belo Horizonte, além de cuidar dos negócios da família. Nascido em 7 de abril de 1959, é casado com Patrícia com quem tem três filhos, Luiza, Manoel e Bruna.


Entre as principais conquistas esportivas, além do 5º lugar nos Jogos Olímpicos de Moscou, estão os campeonatos brasileiro e Sul-Americano de seleções juvenis, campeonato brasileiro de clubes juvenil e adulto.

Paulo Ângelo Carvalho de Souza

Paulo Ângelo é graduado em Engenharia Civil pela Universidade Fede-ral de Minas Gerais (UFMG) em 1972, com pós-graduação em Engenharia Econômica pelo Instituto de Engenharia Econômica e Administração, MBA Executivo em Finanças pelo IBMEC e em Direito de Economia e da Empresa pela Fundação Getúlio Vargas.    


Consolidou sua formação acadêmica nos Mercados Financeiros e de Capitais, inclusive como Presidente da Associação de Analistas e Profissionais de Investimentos Mercado de Capitais (APIMEC-MG). Ele é ainda especialista em questões de Governança Corporativa e Conselheiro de Administração, certificado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), tendo sido um dos coordenadores do Capítulo de Minas Gerais da entidade.


Com seu vasto currículo, acumulou experiências na área de engenharia realizando o planejamento e a exe-cução de projetos e obras de Distritos e Áreas Industriais como diretor da Companhia de Distritos Industriais de Minas Gerais (CDI-MG), entre os anos de 1974 a 1982. Possui ainda expressiva participação na política de atração e implantação de empreendimentos industriais no Estado de Minas Gerais, tais com o projeto da Fiat Automóveis e da Helibras, entre dezenas de outros. Como executivo, atuou no mercado financeiro e de capitais, bem como na gestão previdenciária.


Atualmente, Ângelo atua como presidente do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais, tendo sido eleito em 2011, e é sócio da Consultoria & Gestão de Negócios Ltda. - PARRCONSULT, empresa com atuação na área de engenharia, meio ambiente, mercado financeiro e de capitais, governança corporativa, gestão pre- videnciária e gestão de negócios.

8 – Medalha Darcy Ribeiro
Destaques da Educação e Cultura

 

Afonso Borges
 

Afonso Borges é um dos mais destacados nomes ligados à cultura em Minas Gerais. Escritor, produtor cultural e empresário, nascido em Belo Horizonte, em 1962, está, desde 1986, à frente da AB Comunicação e Cultura, sendo o responsável pela criação, coordenação e desenvolvimento do Sempre Um Papo, um dos mais respeitados projetos de incentivo ao hábito da leitura do Brasil.


Ao longo de quase 30 anos, a iniciativa já passou por mais de 30 cidades e oito estados brasileiros, além de ter sido realizada em Madri, na Espanha. Sob o comando de Afonso Borges, são mais de 4.500 eventos, com um público presente estimado em 1,5 milhão de pessoas. O encontro presencial converge para a televisão, sendo exibido, todo sábado e domingo, há nove anos, na TV Câmara, além de se transformar em conteúdo educativo, na série de DVDs “Cultura para a educação”, que, em sua quinta edição, foi distribuída para mais de 6.000 escolas brasileiras.


Afonso Borges é também co- lunista da rádio CBN de Belo Ho- rizonte, apresentando o programa Mondolivro, às terças, quartas e quintas, às 10h50, sempre com novidades e temas ligados ao mundo literário. Ao longo de sua trajetória, recebeu diversos títulos e medalhas, sendo uma das mais recentes a condecoração, em Recife, com a “Ordem do Mérito Cultu- ral”, título concedido pelo Ministério da Cultura a personalidades, grupos artísticos, iniciativas e instituições que se destacaram pelas contribuições à cultura brasileira.


Em 2012, foi curador da Bienal do Livro de Minas Gerais. É também idealizador e curador da Fliaraxá, festival literário que acontece há quatro anos em Araxá, Minas Gerais.


Como escritor, o homenageado possui quatro livros: “Retrato de Época” (poemas, 1980), “Bandeiras no Varal” (poema-plaquete, 1983), “Sinal de Contradição – Conversas com Frei Betto” (Ed. Espaço & Tempo, Rio de Janeiro, 1988), publicado também na Suíça (”Zeichen des Widespruchs”/Edition Exodus, Fribourg/1989) e na Argentina, e “Profecia das Minas” (poemas, 1993).
Escreve em jornais desde os 16 anos e já trabalhou, alternando funções de colaborador, repórter e editor, em diversos jornais e revistas. Colaborou, como jornalista e pesquisador, nos livros “Chatô – O Rei do Brasil” (Companhia das Letras), de Fernando Morais e “O Desatino da Rapaziada – Jornalistas e Escritores em Minas Gerais” (Companhia das Letras), de Humberto Werneck.

Carlos Bernardo Bracher

Aos 74 anos, o mineiro de Juiz de Fora, Carlos Bracher, é reconhecidamente o artista brasileiro que mais expôs no exterior, em mostras individuais em galerias e museus de Paris, Roma, Milão, Moscou, Londres, Rotterdam, Haia, Madri, Lisboa, Montevidéu, Santiago do Chile, Bogotá e Kingston, além de países como Japão e China. Sua obra já rendeu a publicação de sete livros e a produção de dezenas de filmes e do- cumentários. Casado com a pintora Fani Bracher, tem duas filhas, Blima e Larissa, e o neto Valentim.


Na década de 1990, Bracher ganhou projeção internacional com uma sequência de “Séries Temáticas”. Na primeira delas, percorreu os caminhos do também pintor expressionista holandês Vincent Van Gogh (1853 - 1890), dando vazão a uma paixão de adolescência com as 100 telas pintadas em “Homenagem à Van Gogh”, no centenário de sua morte. A partir de então, foi convidado a expor em importantes museus da Europa, América e Ásia. Em 1992, lançou seu olhar ao mundo industrial, pintando a série “Do Ouro ao Aço”, sobre a siderurgia em Minas Gerais.


Na “Série Brasília”, de 2007, homenageou Juscelino Kubistchek pintando 66 quadros nas ruas e esplanadas da capital, expostos no Museu Nacional. Em 2012, criou a Série Petrobras, imprimindo visão artística ao mundo industrial do petróleo nas 60 obras, entre pinturas e aquarelas.


Em 2014, data dos 200 anos da morte de Aleijadinho, lançou a série “Bracher: Tributo a Aleijadinho”, uma releitura contemporânea sobre a obra do grande mestre do Barroco. Atualmente, uma retrospectiva com 50 quadros, produzidos entre 1961 a 2006, percorre diversas cidades européias, já tendo passado por importantes museus de artes de Moscou, Frankfurt, Praga, Estocolmo, Bru- xelas, Bruges, Basilea, Dusseldorf, Luxemburgo e Gotemburgo.

Fábio Mechetti



Natural de São Paulo, Fábio Mechetti é diretor artístico e regente titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008. Por esse trabalho, recebeu o XII Prêmio Carlos Gomes (2009), na categoria Melhor Regente Brasileiro. É casado com Aida Ribeiro Mechetti, com quem tem as gêmeas Carolina e Marina Mechetti.


Aclamado regente de ópera, formou-se bacharel em música pela Unesp e recebeu títulos de Mestrado em Regência e em Composição pela prestigiosa Juilliard School de Nova York. Fez sua estreia no Carne-gie Hall de Nova York conduzindo a Orquestra Sinfônica de Nova Jersey e tem dirigido inúmeras orquestras norte-americanas. É convidado frequente dos festivais de verão nos Estados Unidos, entre eles os de Grant Park, em Chicago, e Chautauqua, em Nova York.


Realizou diversos concertos no México, Peru e Venezuela. No Japão, dirigiu as Orquestras Sinfônicas de Tóquio, Sapporo e Hiroshima. Na Europa regeu a Orquestra Sinfônica da BBC da Escócia e a Orquestra da Rádio e TV da Espanha. Dirigiu também a Filarmônica de Auckland, Nova Zelândia, a Orquestra Sinfônica de Quebec, Canadá, e a Filarmônica de Tampere, na Finlândia. Tornou-se o primeiro brasileiro convidado a dirigir uma orquestra asiática, como Regente Principal da Orquestra Filarmônica da Malásia.


Vencedor do Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko, na Dinamarca, Mechetti dirige re- gularmente a Orquestra da Rádio Dinamarquesa na Escandinávia, e a de Helsingborg, na Suécia. Recentemente, estreou na Itália conduzindo a Orquestra Sinfônica de Roma. Em 2015 dirigirá a Orquestra Sinfônica de Odense, também na Dinamarca.


No Brasil, foi convidado a dirigir a Sinfônica Brasileira, a Estadual de São Paulo, as orquestras de Porto Alegre, Brasília e Paraná e as municipais de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Maria Helena Gontijo Álvares

Maria Helena Gontijo Alvares é pesquisadora e escritora, natural de Bom Despacho, no interior de Minas Gerais. Passou toda a infância no município, onde o pai, Miguel Marques Gontijo, além de médico era também fazendeiro. Sua mãe era Joana Mesquita Marques.
Sua mudança para a capital mineira ocorreu por volta de 1940. Já em Belo Horizonte, complementou seus estudos no Colégio Santa Maria, localizado no bairro Floresta, onde terminou o Segundo Grau, chamado na época de Clássico.


O período escolar foi bastante valioso para sua formação, pois foi quando Maria Helena participou ativamente do movimento Juventude Estudantil Católica (JEC), um dos ramos da Ação Católica. Após o período ditatorial, a Ação Católica renasceu com o nome de Renovação Cristã, da qual Maria Helena fez parte, trabalhando ativamente, até o ano de 2013.


Casou-se em 1948 com José Álvares Filho e tiveram oito fi-lhos: Jacques, Maria Cristina, Miguel Ângelo, José Marcos, Sérgio, Marisa, Andrea e Paulo. Desde 1958 ela e marido participaram e contribuíram para a consolidação dos serviços sociais da Igreja Nossa Senhora do Carmo, localizada no bairro Carmo, em Belo Horizonte.


O casal acompanhou de perto a chegada e a trajetória dos freis Carlos Masters e Cláudio van Balen, bem como o nascimento do sistema de Ação Social, tornando-se bons amigos dos futuros padres. Maria Helena também atuou como voluntária no Ambulatório Médico da Igreja Nossa Senhora do Carmo até 2010.


Em 2009, publicou o livro “De Que Família És Tu”, apresentando seu longo trabalho de pesquisa sobre a genealogia das famílias Álvares e Gontijo. Viúva desde 1993, tem 17 netos e três bisnetos.

Noemi Macedo Gontijo

Noemi Macedo Gontijo, co- nhecida somente como Dona Noemi, é mineira da cidade de Luz, nascida em 28 de março de 1924. Sua formação profissional é pelo magistério público como professora, com especialização em Artes Industriais e E- ducação Artística pelo Ministério da Educação (MEC).
Com sua mudança para Belo Horizonte, lecionou e foi diretora de diversas escolas da capital, antes de mudar para Betim, na Região Metropolitana, onde firmou sua principal obra da vida: a fundação do Serviço Assistencial Salão do Encontro, que dirige há 39 anos.


Reconhecido dentro e fora do país, o Salão do Encontro é um centro de referência de produção artesanal, sendo também relevante no atendimento e promoção de crianças, adolescentes, jovens, idosos e pessoas com deficiência.


Fundada em 1970, a instituição busca a erradicação da pobreza e a dignidade oferecendo educação, capacitação, cuidados com a saúde e moradia à população carente da cidade de Betim, a 30 quilômetros de Belo Horizonte. Tudo isso com foco na arte e no fazer artesanal, preservando sua tradição e resgatando no cidadão carente a autoestima, preparando-o para trilhar seu próprio caminho.


Pela competência, seriedade e qualidade do trabalho desenvolvido que o Salão do Encontro representa, na atualidade, um “Centro de Referência Educacional e de Difusão da Arte Popular”. Ao preservar e va-lorizar uma arte que historicamente remete às origens do estado de Minas Gerais, a entidade conquista seu espaço, promove cultura e forma pessoas para a vida.


Dona Noemi gosta de lembrar que a criação do Salão do Encontro foi possibilitada graças a doação de um terreno de oito hectares – onde funciona o espaço – por Risoleta Neves, esposa de Tancredo Neves, e da união com o frei Stanislau Bertold, que tinha ideais semelhantes e a mesma vontade de ajudar pessoas com problemas sociais.


Aos 89 anos, Dona Noemi cuida do atentamente do seu projeto até os dias de hoje. Para estar sempre próxima, ela mora há seis anos no Salão do Encontro. Sempre ligada às artes, ela tem no currículo ainda a formação como artesã. Seu trabalho lhe rendeu diversos prêmios nacionais e internacionais.

Paulo Hugo Morais Sobrinho

Paulo Hugo Moraes Sobri- nho, ou Paulinho Pedra Azul, como é conhecido, levou esse nome em homenagem ao seu local de nascimento, a cidade de Pedra Azul, no Vale do Jequitinhonha de Minas Gerais.


Artista completo, Paulinho é músico, ator, artista plástico e escritor, sendo autor de cerca de 200 telas a óleo e 15 livros. Precoce, sua carreira teve início aos 13 anos, primeiramente nas artes plásticas. Entre suas obras literárias, destaca-se o título “Delírio Habanero - Pequeno Diário em Cuba”, escrito durante visita à ilha de Fidel Castro.


Sua iniciação na música foi por meio da participação em um grupo chamado The Giants, que integrava também os músicos Rogério Braga, Mauro Mendes, Marivaldo Chaves, Salvador, Edmar Moreira e André. O repertório eclético tinha canções dos Beatles, The Fevers, Os Incríveis, Erasmo e Roberto Carlos, entre vários outros.


Paulinho Pedra Azul partici- pou de festivais regionais de música e poesia no final dos anos 1960, por isso rodou diversas cidades do interior de Minas. Logo depois ele se mudou para São Paulo, onde trabalhou como cantor, humorista e ator, juntamente, com Saulo La- ranjeira, seu conterrâneo. Seu estilo é romântico e próximo ao MPB, com forte influência do Clube da Esquina.


Nessa época também gravou seus três primeiros álbuns, incluindo seu LP de estreia, com a canção mais famosa do músico: Jardim de Fantasia, popularmente conhecida como Bem-Te-vi.


Em toda sua carreira de sucesso, Paulinho tem 21 álbuns gravados, em sua maioria independentes, e já vendeu cerca de 500 mil discos ao longo dos anos.

9 – Medalha Governador Israel Pinheiro
Destaques do Empreendedorismo de Minas Gerais

Elson Rocha Justino

 

Nascido em 03 de agosto de 1964, Elson Rocha Justino dedicou boa parte de sua vida ao cooperativismo. Diretor-superintendente do Sicoob Central Crediminas (Cooperativa Central de Crédito de Minas Gerais Ltda.), desde 2006, é graduado em Ciências Contábeis, pós-graduado em Auditoria Externa/Ciências Contábeis, pela UFMG (1994), em Metodologia de Ensino Superior, pela Una/Cepederh (1990), em Gestão Estratégica de Instituições Financeiras-Banking e com MBA em Finanças pelo IBMEC (1998).


Em sua trajetória, já participou de diversos cursos de aperfeiçoamento e seminários, todos relacionados ao Sistema Financeiro, Cooperativismo de Crédito, Seguros e Microfinanças.


Está, constantemente, em mis-sões e em viagens internacionais, conhecendo e estudando a estrutura e funcionamento dos Sistemas de Crédito Cooperativo. Já passou por países como Estados Unidos, Canadá, Colômbia, Argentina, México, Alemanha, Espanha, Itália, Suíça, França e Portugal.
Antes de chegar à superintendência do Sicoob, ocupou diversos outros cargos, a partir de 1992. Desde então, participou integralmente e coordenou processos de desenvolvimento e implantação de diversas atividades naquela entidade, inclusive adotados por Centrais do Sistema Crediminas, em nível nacional.


Entre outras atribuições, é conselheiro Fiscal do Sistema Ocemg – Sindicato e Organização das Coope- rativas do Estado de Minas Gerais, desde 2009; conselheiro do Conselho Estadual do Cooperativismo – Cecoop, desde 2009, diretor Vogal do Ibef-MG, desde 2009, e atualmente Conselheiro de Administração. É associado desde 1993.


É casado com Suzana Ferrari Silveira Rocha, desde 1992, e pai de Rafael Ferrari S. R. Justino, nascido em dezembro de 2002.

Helder Couto de Mendonça

Helder Couto de Mendonça é bacharel em Administração de Empresas, fundador e diretor-presidente da Forno de Minas, empresa que criou com a mãe e a irmã em 1990. Além da Forno de Minas, também é sócio fundador da Laticínios Condessa e da MK Empreendimentos e Participações.


O primeiro emprego foi aos 17 anos, na área financeira de uma empresa de engenharia, quando iniciava o curso de administração. De lá, foi trabalhar com o cunhado em um atacado de frutas no Ceasa. Começava sua jornada de madrugada e cursava a faculdade particular à noite.


Ainda nesta época, percebeu sua veia empreendedora. Abriu, em sociedade com a mãe, uma lanchonete na Savassi, onde o principal produto era o pão de queijo, produzido de acordo com a receita tradicional da família. Manteve o empreendimento por um ano e meio. Com o dinheiro da venda do negócio, depois da formatura mudou-se para os Estados Unidos, onde permaneceu por um ano aprendendo inglês.


De volta ao Brasil, montou uma revendedora de carros. Abandonou tudo para apostar no pão de queijo, para criar a fábrica do produto congelado. O empreendimento começou numa galeria em Belo Horizonte. Em 1995, foi inaugurada a fábrica em Contagem.


A empresa chegou ao auge com a produção de 1,5 mil toneladas da iguaria vendida por mês. A marca chamou a atenção da americana Pillsbury Company, que comprou a Forno de Minas em 1999. Dois anos depois, a Pillsbury foi comprada pela General Mills, que encerrou as atividades da Forno de Minas em Contagem, em meados de 2009, e demitiu todos os funcionários. Poucos meses depois, a Forno de Minas foi recomprada por Helder a um décimo do valor vendido uma década antes aos americanos.


Em 2010, o empresário recorreu à investidores para ampliar as instalações e lançar novos produtos. Dois anos depois, a Forno de Minas voltou a ter lucro. Atualmente, além do tradicional pão de queijo, a empresa fabrica waffles, empanadas, folhados e uma linha de massas recheadas como capeletti e ravióli. A expectativa de Helder é chegar a 2017 com a Forno de Minas faturando cerca de 600 mi-lhões de reais


João Pinto Ribeiro

João Pinto Ribeiro é advogado, professor, empresário e político. Foi vereador em Belo Horizonte; depu- tado estadual, atuando em cinco legislaturas, entre os anos de 1975 - 1991 e de 1999 – 2003 e secretário de Estado de Turismo. É presidente da Rede de Hotéis Tauá, com unidades em Caeté e Araxá, em Minas, e Atibaia, em São Paulo.


Natural de Belo Vale, cidade localizada na região central de Minas Gerais, trabalhou na lavoura até os 15 anos de idade, quando se mudou para Belo Horizonte, em busca de uma vida melhor. Analfabeto, começou a vida na capital como vendedor ambulante. Depois, tornou-se camelô no centro da cidade.
Quando conseguiu um emprego de trocador, João já buscava ser motorista de ônibus. Para conseguir a carteira de habilitação, teve que aprender a ler e contou com a ajuda da irmã para se alfabetizar. Ao tirar carteira, descobriu que precisaria ter pelo menos dois anos de experiência para dirigir ônibus. Acabou se tornando motorista de táxi.


Paralelamente, começou a ensinar outras pessoas que não sabiam ler e escrever. Percebeu a oportunidade e fundou seu o primeiro negócio: o Supletivo Visão. A escola começou com 11 alunos e chegou a ultrapassar quatro mil estudantes matriculados.


Outro empreendimento de sucesso do empresário surgiu depois que ele comprou um sítio para a família. João vislumbrou a possibilidade de negócios e começou a alugar o espaço, fazer mais quartos, e o local tornou-se um pequeno hotel.


Hoje o Tauá é o maior hotel do de Minas Gerais e oferece 40 salões para reuniões empresariais, e com toda infraestrutura para o lazer, com 250 apartamentos. A Rede Tauá também administra o Grande Hotel Termas de Araxá.

Marcus Telles

Marcus Telles Cardoso de Carvalho nasceu em Dores do Indaiá, em 03 de julho de 1966, e há 10 anos é presidente da Livraria Leitura. Iniciou a carreira na empresa – na época chamada Livraria Lê – em 1980 como office boy e também atuou no setor de limpeza, até ser contratado como balconista. Oito anos depois, Marcus assumiu a gerência e, na mesma época, a Leitura se tornou uma das primeiras livrarias do Brasil a atuar no ramo de megastore, com grande variedade de produtos. Carvalho também ocupa o cargo de presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e é diretor da Associação Nacional de Livrarias (ANL).

Samuel Flam

 

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Samuel Flam tem experiência profissional em hospitais de grande porte e reconhecimento, como o João XXIII e o Hospital das Clínicas. É médico especialista em Cardiologia e Clínica Médica. Sua experiência em gestão de cooperativas se iniciou à frente da Diretoria Financeira da HCCoop, cooperativa dos médicos do Hospital das Clínicas, entre 1996 e 2004. Foi ainda conselheiro de Admi- nistração da Unimed-BH de 2002 a 2006 e presidente do Sicoob Credicom por dois mandatos, de 2005 a 2013.


Em sua gestão, o Sicoob Credicom deu importante salto ao se unir à Unicred-BH e a outras cinco cooperativas de crédito, vindo a alcançar as marcas de 40 mil cooperados e R$ 1 bilhão em ativos. Em 2012, foi eleito diretor Financeiro e Comercial da Central das Cooperativas de Economia e Crédito de Minas Gerais (Cecremge) e, desde 2013, integra o Conselho de Administração do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg).
Atualmente, é diretor-presidente da Unimed-BH, avaliada como a me-lhor entre as maiores operadoras de planos de saúde do país, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Entre os desafios assumidos para sua gestão, dois, em particular, se destacam: o aprimoramento dos ganhos da instituição, focando sempre na valorização do trabalho médico, e a aproximação entre a Unimed-BH e seus cooperados.

10 – Medalha Economista Élcio Costa Couto
Destaques do Setor Público de Minas Gerais

 

Luiz Fernando Rolla

Luiz Fernando Rolla é diretor de Relações Institucionais e Comunicação da Cemig e atuou como diretor de Finanças e Relações com Investidores da empresa até dezembro de 2014. Formado em Engenharia Elétrica pela UFMG, possui cursos de pós-graduação em Engenharia Econômica e Processamento de Dados.


Trabalha na Cemig desde 1975, quando esteve envolvido na coordenação do planejamento do sistema elétrico; na coordenação e avaliação de projetos financiados pelo Banco Mundial, BID, KFW e Eletrobras, tendo participado também do processo de captação de recursos no mercado internacional, com destaque para a colocação de Eurobonds e blocktrade de ações.


Em 1987, assumiu a área de Relações com Investidores da empresa, sendo o responsável pela implementação dos programas de ADR’s Nível I e Nível II (incluindo a listagem das ações da empresa na Bolsa de Nova Iorque); pela adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa da Bovespa, em 2001 e pela listagem das ações da empresa na Bolsa de Madri e Barcelona, em 2002.


Em 2008 foi eleito “The Best CFO” na categoria Energia Elétrica e Utilities pela revista “Investor Relations Magazine” e também recebeu o prêmio “Equilibrista do Ano”, pelo Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros – IBEF. Em 2009, foi eleito o melhor “Profissional de RI” pela Associação dos Analistas e Profissio- nais de Investimentos do Mercado de Capitais e também “Melhor Executivo de Relações com Investidores” pela Revista IR Magazine. Em 2009, foi eleito presidente do Conselho do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores – IBRI.

Marco Aurélio Crocco Afonso

Marco Crocco é bacharel em Economia pela Universidade Fe- deral de Minas Gerais (UFMG), mestre em Economia Industrial e da Tecnologia pela UFRJ e PhD em Economia pela Universidade de Londres. Possui também Pós-Doutorado pelas Universidades de Cambridge, na Inglaterra, e Universidade Paris-Dauphine ou Paris IX, na França.  


Professor titular do Departamento de Ciências Econômicas da UFMG e pesquisador nível 1 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq), Marco Crocco é especialista em Economia Monetária e Desenvolvimento Regional. Durante sua carreira publicou 39 artigos científicos em journals nacionais e internacionais, editou 4 livros e publicou 32 capítulos de livros.


Durante sua vida acadêmica ocupou vários cargos administrativos dentro da UFMG. Foi chefe do Departamento de Ciências Econômicas, coordenador da Pós-Graduação em Economia e vice-diretor da Faculdade de Ciências Econômicas.


Entre 2010 e 2014, foi diretor-presidente da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) da UFMG.
Em 2012, assumiu a Presidência do Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica (Confies).


Ainda durante sua gestão na Fundep, estruturou o programa de apoio as Spin-offs da UFMG através da criação da Fundep Participações S.A., instrumento através do qual a Fundação aportava recursos em firmas nascentes de base tecnológica da UFMG, atuando desta forma, no fortalecimento da relação universidade/empresas.


Coordenador de redes de pesquisa internacionais, Marco Crocco é professor visitante no Programa de Doutoramento em Desenvolvimento Regional da Universidade de La Laguna, na Espanha e representante no Brasil da Regional Studies Association.

Ralph de Araújo Justino

Embora seja morador de Tiradentes desde 1992, Ralph Justino, o prefeito da cidade histórica, tem sangue belo-horizontino. Desde 2013, assumiu a prefeitura de uma das cidades mais charmosas do interior mineiro. Antes de se tornar prefeito, teve experiência com a Secretaria de Turismo dos municípios de Tiradentes, Barbacena e São João Del Rey. Em todos os locais, foi o idealizador de marcantes eventos culturais, destinados a exaltar a cultura local e ajudar a movimentar o mercado de turismo.


Segundo o próprio homenageado, sua carreira política teve início por um mero acaso: antes de embarcar na jornada da vida pública, foi atleta do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, e chegou até mesmo a disputar campeonatos nacionais de vôlei. Em seguida, substituiu as quadras pelas salas de aula e se dedicou aos estudos em Arquitetura.


Algum tempo depois, deixou-se levar pelo seu amor pela música e tornou-se empresário de um jovem talento – que viria a se tornar uma das personalidades mais conhecidas da música brasileira: o cantor Fagner. Ralph Justino também já se enveredou pelos caminhos do cinema e foi um dos diretores de um documentário sobre o Carnaval que chegou a ser exi- bido no Festival de Veneza.  


As incursões de Justino acabam por revelar uma característica que norteia sua atuação enquanto político: a preocupação com o bem-estar e o desenvolvimento humano.


Entre algumas de suas ações de destaque como prefeito de Tiradentes estão a aprovação do plano diretor, a implantação da coleta seletiva, a recuperação das ruas de pedra e o fechamento do centro histórico aos automóveis, de forma a preservar essa pitoresca parte da cidade.

11 – Medalha Economista Fernando Antônio Roquete Reis
Destaques da Comunicação de Minas Gerais

Acir Antão

O radialista Acir Antão é uma referência na cobertura esportiva. O mineiro de Belo Horizonte, que completa nada menos que 50 anos de atuação na área em 2015, também deixou sua marca em jornais e estações de TV. Sua vida profissional teve início em 1965, no jornalismo esportivo, e chegou a cobrir, sozinho, os três principais clubes de Belo Horizonte: América, A- tlético e Cruzeiro.


 “A rádio onde eu trabalhava ficava na Rua Guarani, no prédio do antigo Cine Leão Xlll, e toda a cobertura era feita a pé. Às oito horas da manhã, eu deixava a sede da emissora e subia a Tamoios, atravessando o Parque Municipal e chegando ao Campo do América na famosa Alameda. Depois de cobrir o treino e as notícias do clube, ligava para o redator Ito Abraão, passava o noticiário do América e a entrevista do dia na A- lameda. Depois, a pé, ia ao campo do Atlético, em Lourdes, onde hoje está o [Shopping] Diamond e fazia a mesma coisa: a cobertura das notícias do Galo e a entrevista do dia, terminando essa verdadeira maratona no Cruzeiro”, rememora o homenageado.


Após a Rádio Jornal de Minas, passou pela Rádio Minas, do radialista Ramos de Carvalho, onde ficou até ju-lho de 1970, quando se transferiu para a Rádio Itatiaia, onde está há 45 anos. Acir Antão cobriu a política mineira durante 35 anos. “Naquela época, fazia-se a cobertura política indo à Assembleia, na Rua Tamoios, e à Câmara, na Rua da Bahia. A Prefeitura ficava a um quarteirão, e o Palácio da Liberdade, a algumas quadras dali. Depois de tudo isso, um encontro com os companheiros no Café Pérola ou Nice”, conta.  


Acir Antão é também um entusiasta da cultura, tendo apresentado, por mais de dois anos, programa Minas, o Estado da Música, na TV Minas, memorizando artistas como Waldir Silva, Caxangá, Reinaldo Rocha, Luiz Zacarias, Jadir Ambrósio e tantos ou-tros. Será eleito, eleito em setembro, presidente do Clube do Choro de Belo Horizonte. Foi assessor de imprensa da Secretaria do Trabalho e Ação Social, hoje SEDESE, e secretário de Comunicação de Contagem por oito anos.


Animador cultural, ao longo dos últimos 38 anos mantém na Itatiaia um programa matinal. Cantor nas horas vagas, aceitou o desafio de memorizar canções importantes de Belo Horizonte, quando a cidade completou um século. Em função da homenagem, passou a se apresentar contando e cantando Lupicínio Rodrigues.

Antônio Claret Guerra




O jornalista e empresário Antônio Claret Guerra nasceu em 16 de dezembro de 1953 e, hoje, é tido como um dos principais jornalistas mineiros. Proprietário e diretor do jornal MG Turismo, descobriu sua vocação muito cedo.


Sua trajetória de destaque começou ainda na faculdade, onde se formou, como primeiro aluno da turma, em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 1977. É também mestre em Administração e possui MBA Executivo em Gestão Empresarial.
Sua vasta experiência profissional também inclui a atuação como jornalista da Secretaria de Estado de Turismo (SETUR), Conselho Esta- dual de Turismo e Turminas e membro do Conselho Fiscal da BELOTUR - Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte. Foi repórter, noticiarista e redator na Agência Nacional, Empresa Brasileira de Notícias (EBN), do jornal Minas Gerais (Órgão Oficial dos Poderes do Estado) e da Empresa Brasileira de Comunicação S.A. (Radiobras), além de redator da Assessoria de Imprensa e Relações Públicas, no Governo de Minas Gerais, de 1990 a 1995, e professor da Fafi-BH.


Antônio Claret Guerra também tem passagem pela Hidrominas, Se- cretaria de Educação da Prefeitura, Câmara Municipal de Belo Horizonte, Câmara Júnior de Belo Horizonte, Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav-MG), Instituto JK de Estudos Políticos, Associação de  Dirigentes Cristãos e Empresas (ADCE), S.A. (Veragro), grupo Caemi, Diário do Comércio, Estado de Minas e Jornal de Casa, entre outros.


É membro do BH Convention & Visitors Bureau, foi presidente da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet-MG), vice-presi- dente da Abrajet Nacional, vice-presidente da ABRARJ, criador e idealizador do Prêmio MG Turismo, membro da Câmara da Indústria de Turismo da Federação das Indústrias (Fiemg). Atualmente, compõe o Conselho Empresarial de Turismo da Associação Comercial de Minas (AC Minas). Participou de diversas missões especiais com o objetivo de valorizar o turismo nacional e recebeu numerosas condecorações reconhecendo sua importância para o setor.

César Vanucci

O acadêmico César Pereira Vanucci, bacharel em Direito, jornalista, professor, gestor público e privado, nasceu em Pouso Alegre (MG), mas morou em Uberaba (MG) durante boa parte de sua vida, até 1965. É casado com Addi de Freitas Vanucci, com quem tem quatro filhos – Cláudio César de Freitas Vanucci, Sérvio Túlio de Freitas Vanucci, Maria Cláudia de Freitas Vanucci e Maria Paula de Frei-tas Vanucci – cinco netos e um bisneto.


Desde cedo, revelou-se participativo, dinâmico e cheio de iniciativas, promovendo, participando e incentivando movimentos religiosos, culturais e classistas na região do Triângulo Mineiro – foi um dos fundadores e presidente da União Estudantil Uberabense (U.E.U.); da Academia de Letras do Triângulo Mineiro; do Lions Clube de Uberaba (1959); um dos organizadores de Festivais Universitários de Arte; diretor da Associação Comercial e Industrial de Uberaba (ACIU); entre outros.


Como jornalista, atuou no Diário do Triângulo, Correio Católico, O Triângulo, Rádio Difusora e Correio de Minas e como chefe de redação do Diário Católico de Uberaba (1954-1965). Lecionou as disciplinas de “Técnica de Redação” e “Publicidade” no primeiro curso de Jornalismo implantado em Minas Gerais (Faculdade de Ciências e Letras Santo Thomas de Aquino, da Congregação Dominicana).


Em Belo Horizonte, para onde se transferiu em 1966, ocupou inúmeros cargos, entre eles o de Superintendente Geral da FIEMG e diretor da Rede Minas de Televisão. Criou, como diretor do SESI, o famoso programa “Ação Global”. Foi titular da Secretaria Muni- cipal de Abastecimento e da Ouvidoria Geral de Belo Horizonte (2006-2009).


Colabora com treze jornais. É cidadão honorário de onze municípios. É membro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, Cadeira nº 9, sendo um de seus fundadores; da Academia Mineira de Leonismo e da Academia Municipalista de Letras de Minas Gerais. É membro efetivo do conselho fiscal da Companhia de Tecidos Norte de Minas - COTEMINAS e da Springs Global Participações S.A.

Eduardo Costa

osé Eduardo da Costa, mais co- nhecido como Eduardo Costa, tem 57 anos, nasceu em Inácia de Carvalho, município de São José da Lapa. É gra- duado em Jornalismo pelo Uni-BH e pós-graduado em Valores Humanos pela Fundação Getúlio Vargas, com MBA-Executivo na Ohio University (Estados Unidos); pós-graduado em Sus- tentabilidade e Responsabilidade Social pela Fundação Dom Cabral e Mestre em Ciências Sociais pela PUC-Minas.


Como comunicador da Rádio Itatiaia, faz reportagens, participa do quadro Conversa de Redação e apresenta o programa “Chamada Geral”, nome também da coluna que assina no jornal Hoje em Dia. É ainda apresentador do jornal MG NO AR, da Rede Record. Está no Jornalismo há 36 anos. Antes, foi ascensorista de hotel, contí- nuo, escriturário, caixa e chefe de seção em banco. Entre dezenas de prêmios que recebeu, está o “Líbero Badaró de Radiojornalismo” – o maior para trabalhos em rádio – em 1997, pela cobertura da rebelião dos policiais civis e militares em Belo Horizonte.


Entre dezenas de homenagens já recebidas, destacam-se os títulos de cidadão honorário de Belo Horizonte, Contagem, Santa Luzia, Pedro Leopoldo, Ibirité, Igarapé e Ribeirão das Neves e as medalhas da Inconfidência, Juscelino Kubistchek e Tiradentes. É “Jornalista Amigo da Criança”, título conferido pelo UNICEF.


Eduardo Costa é autor (coautor) de cinco livros: “Os primeiros 100 anos...”, sobre o centenário de Belo Horizonte, que publicou com Ana Cristina Novato; “Uma paixão chamada Itatiaia”, sobre os 50 anos da emissora, em trabalho conjunto com Kao Martins; “Mercado Central: a convivência entre iguais e di- ferentes”, uma síntese de sua dissertação de Mestrado, que estudou a natureza da interação social no Mercado Central de Belo Horizonte, e “Vila Viva”, um estudo sobre projeto de revitalização nas favelas de Belo Horizonte e, junto com 12 outros radialistas, o livro “O rádio entre montanhas – histórias, teorias e afetos da radiofonia mineira”.

Humberto Alves Pereira

 

O empresário Humberto Alves Pereira é graduado em Engenharia Civil, mas escolheu o jornalismo como profissão. É, desde 1990, o diretor-presidente do Jornal da Cidade, o mais tradicional semanário do país, em circulação há 56 anos. Seu pai, o jornalista Joffre Alves Pereira, fundou o Jornal da Cidade em 1º de setembro de 1959. Aos 12 anos de idade, Humberto já estava lá aprendendo e fazendo de tudo dentro da empresa jornalística, na redação e com os profissionais de cada setor.


Atuando como diretor-responsável e titular da coluna de veículos do JC, Humberto foi um dos pioneiros da imprensa no setor automotivo brasileiro. Desde 1969, participa e faz a cobertura de todos os lançamentos da indústria automobilística nacional, tendo realizado o registro de todos os salões de automóveis no mundo. A partir de 1990, com o fale- cimento do jornalista Joffre Alves Pereira, Humberto assumiu as funções de Diretor-Presidente da empresa.


Em 2014, Humberto foi agraciado com a Medalha da Inconfidência, homenagem concedida às entidades e personalidades que contribuem ou contribuíram para o desenvolvimento de Minas Gerais e do Brasil. Maior comenda concedida pelo Estado de Minas Gerais, a Medalha da Inconfidência é entregue anualmente em solenidade em Ouro Preto.


Neste mesmo ano em que o Jornal da Cidade completou 55 anos de fundação, representando a empresa jornalística, Humberto também recebeu homenagens da Câmara Municipal de Belo Horizonte e da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Paulo Navarro


 

Paulo Navarro é o principal co- lunista social de Minas Gerais. Filho do ex-deputado João navarro Filho, que teve como ponto alto da carreira política a ascensão ao cargo de presidente da Assembleia Legislativa, Paulo é nascido no Rio de Janeiro, mas se mudou para Minas aos seis anos e por aqui cons- truiu sua vida e carreira sólida.   


Formado em Jornalismo pela PUC Minas, o profissional é figura certa nas festas da high society mineira, viaja pelo mundo na companhia de amigos e é frequentemente convidado para os principais eventos da sociedade.


Tudo isso é resultado de anos de trabalho e uma lista quilométrica com cerca de 1700 contatos preciosos, o que ele avalia como seu principal bem. É também o que lhe rende um espaço diário no jornal O Tempo e, semanal, no Jornal Pampulha, que já dura dezessete anos.


O colunista possui ainda um programa de TV, que leva seu nome, na Band Minas e no canal pago BH News. Ele mantém também, há mais de 25 anos – mesmo tempo de sua carreira no colunismo social, a Produtora Paulo Navarro, responsável por produzir e comercializar seus programas de TV.
 

Confira outras fotos do evento na galeria de fotos.

Siga o Mercado Comum