Eventos Empresariais

Ciro Gomes no Conexão Empresarial

21 Maio 2018

O pré-candidato à presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, falou que não faz parte do esquerdismo abobalhado que inferniza todo mundo, no almoço-palestra do Conexão Empresarial, evento promovido pela VB Comunicação, no Espaço V, em Nova Lima. Ciro Gomes tentou passar para empresários e políticos mineiros, uma imagem de credibilidade e conhecimento da situação econômica e política brasileira. Para ele, os que aparecem com propostas como a de diminuir a carga tributária estão mentindo, porque nenhum país em
crise pode abrir mão de receita. Esse é um assunto para quando a economia melhorar. Por outro lado, prometeu aos empresários mineiros simplificar a carga tributária.
 
À procura de um vice que seja empresário e mineiro, Ciro Gomes falou que em mantido algumas conversas, ainda sem sucesso, com o empresário Josué Alencar, filho do ex-vice-presidente José Alencar. Outro nome na disputa é o candidato do PSB ao governo de Minas, Marcio Lacerda, mas uma aliança com ele esbarra no projeto nacional do partido, que trabalha com o nome de Joaquim Barbosa à presidência da República.
 
Ciro Gomes também não espera o apoio da esquerda e lembra de um ditado antigo, surgido da dificuldade da esquerda brasileira se unir, ainda bastante atual, que diz que “a esquerda brasileira só se une na cadeia”. Ele não acredita que terá o apoio de Lula e do PT à sua candidatura e avisa que o projeto do PT não é o seu, ao responder às críticas da oposição por não ter se unido às manifestações pró-Lula.
 
Mas uma das preocupações dos empresários mineiros é em relação ao temperamento difícil de Ciro. Em resposta, confidenciou que todos que o querem bem o dizem isso, mas pondera que nos cargos públicos que ocupou, como prefeito de Fortaleza, governador do Ceará e como ministro da Fazenda no governo Itamar Franco, não houve nenhum ato que o desabonasse. Eleição, no entanto, é outra conversa e segundo ele “ninguém é perfeito e entra em uma campanha para sair com o paletó limpinho”. Se chegar à presidência, promete se compenetrar para exercer o cargo.
 

 

Siga o Mercado Comum